Mensagens em Imagens...


"Um Novo Ano"

Auto-conhecimento e Reforma Íntima...

Entrevista realizada por Michel Macedo e Liége Jorgens (Cruz Alta/RS) com Cosme Massi no dia 3/11/07 em Passo Fundo/RS.

-Michel: Qual a importância do autoconhecimento e qual a contribuição da Doutrina Espírita para isso?
-Cosme: Muito boa a sua questão, claro que a gente vai abordar hoje com mais detalhe essa característica do autoconhecimento. Mas pra gente responder rapidamente
esta questão é só você imaginar o seguinte: se você vai fazer uma reforma de uma casa, se você compra uma casa e vai fazer uma reforma, para fazê-la você
tem que conhecer, saber o que precisa mudar.

Então, você precisa saber: será que essa casa precisa de uma reforma elétrica? Você tem que conhecer as instalações elétricas dessa casa. Será que essa
casa está precisando de uma reforma hidráulica? Tem algum cano com vazamento? Será que o problema dessa casa é pintura? Ou será que é de estrutura física?
Tem alguma parede que ta rachando, os alicerces não estão suportando o peso da casa? Ou seja, qualquer reforma, de qualquer coisa, pressupõe o conhecimento
daquilo que se quer reformar. Reformar significa mudar para melhor.

Ora, para que eu possa mudar para melhor, eu preciso saber em que situação eu me encontro. E o mesmo raciocínio vale no que diz respeito à necessidade
do autoconhecimento. Como nosso compromisso como espírita é o aperfeiçoamento moral, a busca da perfeição moral, a primeira coisa que eu tenho que saber
para que eu possa buscar isso é o que eu sou. Eu vou me aperfeiçoar em que? Eu tenho inveja, eu tenho ciúme, eu tenho orgulho? Quais são os vícios que
eu possuo? Quais são as virtudes que de alguma forma conquistei ou, pelo menos, dei os primeiros passos na direção de sua conquista?

Fazer essa tarefa do autoconhecimento significa exatamente saber em que momento eu me encontro, qual é a situação em que estou, as condições... Para, a
partir deste conhecimento traçar um roteiro do que precisa ser mudado, do que precisa ser alterado, de como eu vou avançar no progresso moral.

Daí a importância do autoconhecimento do mesmo jeito que é importante o conhecimento. Eu conheço para a partir do conhecido produzir mudanças, alterações.
Vale a mesma coisa no que diz respeito ao autoconhecimento. Aí está a sua importância. Ninguém evolui, ninguém cresce, sem saber quem é, o que tem de valor,
o que precisa ser mudado, o que precisa ser alterado. Por isso o autoconhecimento é muito importante pra todos nós os espíritas, que acreditamos no progresso
moral.

O individuo que não acredita no progresso moral porque é materialista, porque acha que a vida termina, para ele não faz muito sentido se conhecer: “ah
pra que que eu vou me conhecer? Mais 20, 30 anos eu vou estar debaixo da terra mesmo. Por que eu vou perder tempo nessa tarefa de descobrir quem eu sou,
se eu vou morrer?”.

Para o espírita que tem a certeza da infinitude da alma, de que a alma jamais morre, que a felicidade cresce na medida do aperfeiçoamento moral, para o
espírita é diferente. Se a felicidade cresce na medida do aperfeiçoamento moral, se eu quero cada vez mais ser feliz, eu tenho que buscar o aperfeiçoamento
moral. E só há um caminho para o aperfeiçoamento moral, como só há um caminho pra aperfeiçoar uma casa: conhecer o que a casa tem e precisa ser aperfeiçoado.
Então, eu tenho que conhecer o que eu sou para que eu possa buscar a perfeição moral. Daí a sua importância na doutrina espírita mais do que em qualquer
outra doutrina materialista. Para o Espiritismo é uma obrigação do espírita o autoconhecimento.

Meu desejo de natal...




Neste final de ano meu desejo de Natal é que você Ame mais.

Mesmo em meio a um mundo dominado pela desigualdade e violência, busque dentro de si a força para amar mais a humanidade, e então tentar fazer algo que esteja a seu alcance.



Mesmo que seu companheiro ou companheira ainda possua aqueles pequenos defeitos que você já conhece, busque algo que não havia descoberto ainda e que seja um bom motivo para amar mais seu parceiro, e então voltar a se apaixonar todos os dias e andar de mãos dadas.



Mesmo que muitas vezes te façam perder o bom humor ou te decepcionem, busque em seus filhos e filhas as maravilhosas possibilidades que eles tem de nos fazer felizes, e então aproveitar dos momentos de alegria que somente os filhos podem dar.



Mesmo que seus amigos te esqueçam as vezes e não visitem, nem telefonem ou passem email, busque nas memórias dos bons momentos o alento para a saudade e ame mais, e então ligue ou visite os que estão mais próximos e passe email para os distantes.

Ame mais, porque o amor libera energias e substâncias que nos deixam mais alegres e mais leves, mais compreensivos e benévolos; e o bem produz dentro de nós estados de alma que nos trazem a felicidade.

Ame mais porque utilizamos menos músculos para sorrir do que para chorar ou brigar; porque quando você está feliz, a pessoa do outro lado do telefone sente; porque não há nada mais gostoso que gargalhada de criança; ou simplesmente porque entendeu agora aquela piada sem graça que te contaram ontem e você está sorrindo por ela ser tão boba...



Ame mais.

Entregue-se a esta força que nos arrebata da cama cedo num domingo qualquer para fazer uma visita, uma viagem com os queridos ou simplesmente para aproveitar mais tempo ao lado dele ou dela.

Ame.



E permita-se ser amado, permita que a luz do amor universal flua também por você. Sem a falsa modéstia do "eu não mereço" nem a arrogância do "eu sou demais"; aproveite, com sabedoria e sem excessos, tudo que nosso pai criador e amoroso permitiu que você conseguisse. Ame a vida, ame os vivos, ame o sol e o céu, as matas e as águas, mas não se esqueça de também se amar.



Respeite-se, valorize-se, sem egoísmo ou egolatria, simplesmente busque compreender qual é a sua missão nesta linda escola chamada terra e quando aprender...

Ame, porque um carpinteiro Galileu há 2000 anos nos mostrou que este é o caminho para a paz interior e para a elevação espiritual. Nos mostrou que o amor é como um bumerangue, que você atira e espera o amor voltar para você – E se ele não voltar? Não importa! Siga amando lembrando que quanto mais amor nós damos, mais temos para dar e que esse amor profundo e sincero nos deixa felizes por construirmos a felicidade no outro.




Por isso, construa você hoje a sua felicidade, e ame mais.

Muita Paz

Sabedoria em gotas...

CAPÍTULO 197

APRENDA a amar a todos, indistintamente, para conseguir encontrar a luz que tanto anseia.

Procure não distinguir o sábio do ignorante, o rico do pobre, quando se trata de ajudar.

Saiba levar aos tristes a consolação, aos que lutam, o incentivo da compreensão e do carinho.

A quanta gente você pode ajudar com sua palavra, incentivar com um pensamento!

Ame a todos, indistintamente.

PASTORINO, C. Torres. Minutos de Sabedoria. 39. ed. Petrópolis,RJ: Vozes. 2000.

Mensagens em Imagens...


"Paz e união"

Sabedoria em gotas...

CAPÍTULO 194

O mal não merece comentários, pois só traz resultados desagradáveis.

Qualquer palavra produz vibrações, que atraem as vibrações semelhantes.

Portanto, o comentário sobre o mal atrai vibrações pesadas e nocivas.

Fale apenas a respeito de coisas belas e boas, comente o bem e as ações nobres, e permanecerá envolvido por uma onda de paz, de alegria, de bem-estar.

PASTORINO, C. Torres. Minutos de Sabedoria. 39. ed. Petrópolis,RJ: Vozes. 2000.

Resgates e Reencarnação...

O processo reencarnatório, o qual muitos de nós pensamos que se resume a "morrer, renascer e morrer de novo", tem muitas nuances delicadas e casos de exepcional interesse para quem estuda suas implicações.

Sabemos que traremos para esta terra, além da necessidade de progresso, alguns resgates que temos que compensar à lei divina de justiça e amor; bem como, muitas vezes, trazemos, marcados em nosso perisírito, determinadas matrizes que formarão o nosso corpo de carne de acordo com a necessidade que tenhamos. Assim os defeitos e deformações estarão fixados em nosso corpo perispiritual para que "larguemos" na carne e, quando desencarnarmos, possamos passar para outras oportunidades, com um perispírito "limpo" das mazelas e problemas que nós mesmos criamos para nós.

Todo este preâmbulo serve para que entendamos, e as vezes é difícil, a necessidade que algumas pessoas tem de se apresentar em suas encarnações em corpos deformados ou com inúmeros problemas físicos ou mentais... todos estão se depurando, limpando seus perispíritos e resgatando débitos plantados por eles mesmos. Isto não significa castigo de Deus e sim que Deus os ama tanto que dá a eles a oportunidade de repararem os erros cometidos e iniciarem novamente o processo de progresso livres de atrapalhos.

Recentemente na mídia tivemos divulgado um caso que os jormais chamaram de "Homem Árvore" - um pescador da indonésia que apresenta em seu corpo o rescimento "anormal" de células epiteliais, que assumem uma forma muito parecida com raízes e cascas de árvore. Coloco abaixo algumas passagens colhidas na internet e algumas imagens do homem:


"Um pescador da indonésia, Dede, deixou médicos locais sem respostas há duas décadas. Depois de cortar seu joelho, várias crostas de pele rígidas começaram a surgir de sua ferida, e então por suas mãos, pés e rosto.

Com a doença, Dede foi abandonado pela mulher, e com duas filhas, chegou mesmo a fazer parte de um “circo de horrores“, recebendo dinheiro para se expor em público. Foi batizado de “homem-árvore”.

Mas a cura parece ter finalmente chegado a Dede, com um documentário do Discovery Channel que pagou a um médico para finalmente diagnosticar a doença. Segundo o doutor Anthony Gaspari, Dede foi infectado pelo Papiloma Vírus Humano (HPV), que comumente causa pequenas verrugas. Mas Dede parece sofrer de uma rara falha genética que impede seu sistema imunológico de conter as verrugas.

A condição também seria responsável por chifres em humanos e mesmo em coelhos, e podem responder por lendas folclóricas — da humanos e coelhos com chifres, a “homens-árvore”. Um outro homem na Europa Ocidental também parece ter exatamente a mesma condição de Dede."



"Dede, um pescador da Indonésia de 35 anos tem o corpo recoberto de uma espessa “casca” e bizarras “raízes” crescem em seus membros

Tudo começou quando Dede cortou o joelho na adolescência. Um pequeno ponto protuberante surgiu ao redor da ferida e dias depois eram vários. Os dias se passaram e tornaram-se anos. Os pontos espalharam-se e continuaram a crescer e se espalhar.

A esperança surgiu para Dede quando um médico expert em dermatologia viu o “homem árvore” num documentário do Discovery Channel. O médico se interessou na hora pelo caso e voou para Jacarta. Após esdudar o caso, o médico descobriu o que Dede tinha e propôs um tratamento que transformaria a sua vida.

Testando amostras em uma biopsia feita com amostras do tecido e do sangue de Dede, Dr Anthony Gaspari da Universidade de Maryland concluiu que o “homem árvore” era na verdade um caso gravíssimo de Papilloma Virus (HPV),uma doença relativamente comum que aflige alguns humanos gerando verrugas e causando sofrimento. Mas o caso de Dede era extremo.

Isso porque ele além do papiloma, tinha uma rara condição genética que impedia que o sistema imunológico combatesse as verrugas.

O médico propôs como tratamento doses de vitamina A sintética como forma de combater o crescimento das verrugas.

O Dr. Gaspary acredita que o pobre Dede nunca será uma pessoa normal, dada a gravidade do caso, mas que com o avanço do tratamento, em alguns anos ele poderá até usar novamente as mãos."



Após verificar estas imagens e buscar mais um pouco sobre o fato, conseguimos um site onde apresenta algusn vídeos do médico com o "homem árvore":
http://www.telegraph.co.uk/news/main.jhtml;jsessionid=MLYGYKBGOGQ2DQFIQMFSFGGAVCBQ0IV0?xml=/news/2007/11/12/wtree112.xml

Ocorre em mim agora a lembrança de um dos casos apresentado no livro "O Abismo" de Rafael Américo Ranieri, que apresenta espíritos em sofrimento tão profundo que se petrificavam em forma de árvore; seria este o caso de um destes espíritos recebendo a dádiva de uma nova encarnação e precisando limpar seu perispírito? Somente a espiritualidade poderá saber.



Mas fica a certeza que Reencarnação representa, antes de tudo, Justiça e Amor; Justiça pois acertaremos nossos débitos para conosco mesmos e Amor divino nos concedendo sempre novas oportunidades.

Muita Paz

Presença de André Luiz...

PALAVRAS DE IRMÃO

O Espiritismo com Jesus é o edifício do aperfeiçoamento moral que os corações de boa vontade estão erigindo para o mundo.

Se você não puder trazer planos completos para a sublime edificação, ajude a levantar o conjunto da obra redentora.

Se não conseguir responsabilizar-se por algum trecho isolado das paredes de luz, traga o tijolo da colaboração fraterna.

Se você não possui algumas gramas de cimento para contribuir no serviço, coopere com um punhado de areia.

Se não puder partilhar o esforço coletivo de instalação e equipamento do santuário, ofereça uma prece pelo fortalecimento dos que se empenham na sagrada realização.


Mas se lhe não é possível o concurso do coração ou da inteligência, do apoio material ou do próprio suor, não perturbe os raros trabalhadores que se dedicam ao levantamento desse refugio divino da Humanidade.

Quando você não puder auxiliar espontaneamente aqueles que consagram alguma coisa de si mesmos à execução dos projetos salvadores do Mestre, guarde respeitoso silencio em seu verbo e que as suas mãos não apedrejem os servos que se movimentam na concretização dos Celestes Desígnios.

Conferindo-lhe a claridade santificante da Doutrina da Luz e do Amor, o Cristo honrou a sua existência com elevado mandato de serviço, mas se o seu espírito prefere a posição do mendigo, não prejudique os colaboradores do Senhor, a fim de que eles possam socorrer o seu próprio coração, nos dias escuros da necessidade que você atravessará, certamente, mais tarde, na amargura e no desencanto do mordomo infiel que reteve debalde a gleba da bênção e da oportunidade sem qualquer produção para os celeiros do bem.


André Luiz - Do Livro "Através do Tempo"
Psicografia de Francisco Cândido Xavier

A Melhora da Morte...



Diante do agonizante o sentimento mais forte naqueles que se ligam a ele afetivamente é o de perda pessoal.

"Meu marido não pode morrer! Ele é o meu apoio, minha segurança!"

"Minha esposa querida! Não me deixe! Não poderei viver sem você!"

"Meu filho, meu filho! Não se vá! Você é muito jovem! Que será de minha velhice sem o seu amparo?"

Curiosamente, ninguém pensa no moribundo. Mesmo os que aceitam a vida além-túmulo multiplicam-se em vigílias e orações, recusando admitir a separação. Esse comportamento ultrapassa os limites da afetividade, desembocando no velho egoísmo humano, algo parecido com o presidiário que se recusa a aceitar a idéia de que seu companheiro de prisão vai ser libertado.

O exacerbamento da mágoa, em gestos de inconformação e desespero, gera fios fluídicos que tecem uma espécie de teia de retenção, a promover a sustentação artificial da vida física. Semelhantes vibrações não evitarão a morte. Apenas a retardarão, submetendo o desencarnante a uma carga maior de sofrimentos.

É natural que, diante de sério problema físico a se abater sobre alguém muito caro ao nosso coração, experimentemos apreensão e angústia. Imperioso, porém, que não resvalemos para revolta e o desespero, que sempre complicam os problemas humanos, principalmente os relacionados com a morte.

Quando familiares não aceitam a perspectiva da separação, formando a indesejável teia vibratória, os técnicos da espiritualidade promovem, com recursos magnéticos, uma recuperação artificial do paciente que, "mais prá lá do que prá cá", surpreendentemente começa a melhorar, recobrando a lucidez e ensaiando algumas palavras...

Geralmente tal providência é desenvolvida na madrugada. Exaustos, mas aliviados, os "retentores" vão repousar, proclamando:

"Graças a Deus! O Senhor ouviu nossas preces!"


Aproveitando a trégua na vigília de retenção os benfeitores espirituais aceleram o processo desencarnatório e iniciam o desligamento. A morte vem colher mais um passageiro para o Além.

Raros os que consideram a necessidade de ajudar o desencarnante na traumatizante transição. Por isso é freqüente a utilização desse recurso da Espiritualidade, afastando aqueles que, além de não ajudar, atrapalham. Existe até um ditado popular a respeito do assunto:

"Foi a melhora da morte! Melhorou para morrer!"


Richard Simonetti - Do livro: Quem tem medo da morte?

Perguntas dos amigos...


Mais uma pergunda, agora de uma amiga, que nos enviou um e-mail solicitando alguns eslcarecimentos:

"Bom dia João, ví no seu livro que você fala de um eminente professor francês que conheceu as mesas girantes e iniciou o estudo que levaria a criação do Espiritismo, esse professor era Allan Kardec, é isso?."

Oi, _________, bom dia.
É exatamente isso que você compreendeu. Embora esta informação esteja em todas as biografias de Kardec, a maioria das pessoas não tem conhecimento de quem na verdade era Allan Kardec antes do lançamento do "Livro dos Espíritos" em 18 de abril de 1857.
Kardec era um destacado professor de nome Hypolite Leon Denizard Rivail, que estudou com o famoso educador Pestalozzi, e trouxe para a educação francesa excelentes livros nas áreas de química, aritmética, gramática, física, entre outros. Seus livros foram inclusive adotados pelo governo francês durante vários anos. Seu renome e qualidade intelectual o levaram a criar centros de estudo onde ele ensinava utilizando os métodos aprendidos com Pestalozzi e de maneira gratuíta. Após alguns anos de trabalho intenso e dificuldades que enfrentou a venda de seus livros conseguiu garantir para ele uma pequena fortuna que lhe permitiu viver de forma confortável juntamente com sua esposa.
Desta forma, ao lançar o "Livro dos Espíritos" o codificador preferiu adotar um pseudônimo do que utilizar o seu próprio nome por dois motivos: 1º o nome de Hypolite Leon Denizard Rivail já estava vinculado a espetaculares obras literárias, então já chamaria a vendagem do livro por sí só; 2º como ele não havia escrito o conteúdo do livro, mas apenas compilado informações obtidas da espiritualidade, ele não achou correto colocar o seu nome em uma obra que não era sua, e sim dos espíritos. Por isso assumiu o pseudônimo de Allan Kardec, que foi uma de suas encarnações anteriores, quando ele havia sido um sacerdote druida, conforme o revelou o espírito Zéfiro. Deu pra entender? Abraços


Sabedoria em gotas...


CAPÍTULO 183

ESQUEÇA-SE um pouco de si mesmo e pense nos outros.

Nestas poucas palavras está encerrado o maior segredo da felicidade.

Quando nos preocupamos demasiado com as nossas pessoas, nossos problemas crescem desmesuradamente.

Mas quando esquecemos de nós um pouco para cuidar dos outros, esquecemos nossos problemas que se vão resolvendo por si mesmos.

Então, esqueça-se de si mesmo, e pense nos outros, e achará a felicidade.



PASTORINO, C. Torres. Minutos de Sabedoria. 39. ed. Petrópolis,RJ: Vozes. 2000.


Perguntas dos amigos...


Mais uma pergunda do amigo que nos enviou um e-mail solicitando alguns eslcarecimentos:

"Bom dia João, me explica outra coisa, com relação a JESUS, como o espiritismos trata esse assunto;
Sei que Jesus foi enviado para pregar ensinamentos de amor e caridade ao povo daquela época,
antes dele Deus já não teria enviados outros espíritos iluminados? Os espíritos enviados por Deus antes de Jesus, não teria conseguido cumprir a missão."


Oi __________, Tudo certo?

Quanto ao lance de Jesus, sua missão e os fatos antecedentes à sua chegada, a espiritualidade nos mostra muitas revelações interessantes, que se completam em uma lógica muito concreta, segue-se mais ou menos assim (desculpe se esqueço alguma coisa):
- A criação do planeta como conhecemos hoje se deu, resumidamente, pelo o processo de transformação da energia e composição da terra, resfriamento do magma, criação das terras, introdução do protoplasma que deu origem as formas vivas primitivas, preparação dos seres vivos e conseqüente aparecimento do homem primitivo.
- Este homem não tinha ainda a consciência e desenvolvimento físico necessário para que existisse nele o raciocínio e a lógica, desta forma foram sendo efetuadas modificações em sua carcaça física, o que chamamos de evolução.
- Com o desenvolvimento físico foi, proporcionalmente acontecendo o desenvolvimento intelectual, e aos poucos o homem foi descobrindo o mundo e a vida em sociedade, o que levou a criação de grupos e ao “aparecimento” de deuses diversos: fogo, noite, morte, sol...
- Através deste pensamento primitivo as sociedades antigas eram todas POLITEÍSTAS, e muitos milênios se passaram até que MOISÉS encarnou no povo hebreu, com a missão de iniciar o processo que traria Jesus a terra. Qual seria o primeiro passo para isso? Se o povo não acreditava em 1 Deus, e sim em vários deuses, o primeiro passo foi orientar um povo para que se tornasse MONOTEÍSTA, e o método escolhido foi libertar uma raça de escravos fazendo “milagres” e convencendo eles pela justiça da força, pois eles ainda eram muito primitivos.
- Esse Deus que aparece para o povo, na verdade, não é DEUS; porque apenas Jesus já viu deus, e sim um espírito evoluído chamado JEOVÁ que era encarregado de instruir Moises no processo com o povo hebreu.
- Moisés trouxe então a 1ª revelação – DEUS é único e senhor de toda a terra. Claro que os humanos daquela época ainda não tinham a capacidade de compreender que as recompensas que teríamos praticando a justiça e o bem eram nos céus, e por isso o Deus do antigo testamento é “materialista” prometendo recompensas na terra.
- Depois de Moisés, vários outros médiuns(Elias, abrahão,Daniel, Davi, etc), que na época se denominavam profetas, vieram e receberam dos espíritos encarregados pela orientação humana as informações, em forma de profecias, que um messias viria.
- Estas profecias e histórias formam hoje os livros do antigo testamento e os médiuns, cujo último antes de Jesus foi João Batista, e seus ensinamentos serviram para preparar o povo para a chegada de um messias, que viria “salvar” o povo, de uma forma que ele ainda não entendia.(e muitas vezes não entende hoje).
- Dizem que a encarnação de Jesus na terra foi planejada por mais de 4000 anos até que ele se fez homem e assumiu o seu manto, trazendo para nós a 2ª revelação, a revelação da lei do AMOR e da FRATERNIDADE. Nesta época o homem havia evoluído suficientemente para receber esta informação. Mas não tanto a nível de receber mais informações, por isso Jesus prometeu que enviaria um consolador, que lembraria o que ele ensinou e ensinaria muito mais.
- No século 19, com a permissão de Jesus, a espiritualidade superior trouxe ao mundo a 3ª revelação – o Espiritismo, que explica o que parece sobrenatural ou milagroso e retoma o conceito original das palavras de Jesus: “nada há de oculto que não venha a ser esclarecido”.
- O aparecimento do espiritismo significa que a humanidade já atingiu um novo patamar de consciência na sua evolução, e que está preparada para aprender mais.

Assim, as pessoas que vieram antes de Jesus não falharam, como você pôde ver, mas tinham um cronograma de ações que , dentro das limitações de sua época, culminaram com a criação de um povo MONOTEÌSTA(onde antes haviam vários deuses), que acreditava na vinda de um MESSIAS(representante deste Deus único e todo poderoso), que traria a SALVAÇÃO para seu povo(que antes era escravo e estava em sofrimento, infelizmente eles ainda creditavam que a salvação seria na terra), e prepararia a humanidade para atingir maiores patamares morais e intelectuais através de um consolador que o guiaria(ESPÍRITO VERDADE - espiritismo). Deu pra sacar?

Qualquer coisa tamos por aqui.

Abraços


Perguntas dos amigos...

O material abaixo foi extraído de uma resposta minha a um amigo que me enviou um email com uma dúvida, achei interessante a dúvida e que deve ter muita gente com o mesmo problema, por isso resolví transcrever o conteúdo da pergunta e da resposta:

"João bom dia, gostaria de alguns esclarecimentos a respeito dos santos da igreja católica, como a mãe de jesus, as NSRAS e outros.
Meus filhos fazem essa pergunta, e no meu ponto vista, não com tanta certeza, eu explico que são espíritos iluminados, puros, que
um dia poderemos chegar a ser igual a eles, tô certo? favor me ajude."


"Oi ________. Bom dia!

Não é favor não... é obrigação! Sempre que tiver alguma dúvida, e eu puder auxiliar, fique tranquilo que tentarei te esclarecer; se eu não puder, tentarei encontrar quem saiba...

Quanto a questão dos "santos" católicos o que você argumentou está correto. Com certeza são espíritos mais evoluidos que nós que encarnaram na terra com uma missão definida, muitas vezes de auxiliar as massas e os desprovidos de cuidados, e sempre com a responsabilidade de servir de exemplo para nós.

Uma coisa que deve ficar bem clara é que em sua maioria, para não dizer em sua totalidade, os denominados "santos" eram, na verdade, médiuns; apenas não se conhecia a mediunidade na época deles e não se compreendia a origem de sua bondade, intuições, poderes de cura, aura brilhante, etc. Como a igreja dominava, e ainda domina, a questão de conceitos religiosos no mundo, as pessoas que apresentavam estes "sintomas" de contato com o mundo espiritual e que estavam do lado dela eram tidos como "santos" e que tinham acesso direto aos "anjos" do senhor; enquanto que se o médium fosse discordante da igreja católica, era tido como "bruxo" e que comungava com o "demônio", por consequencia era queimado na fogueira.

Um dos grandes exemplos disso foi Joanna D'arc, que enquanto serviu para a igreja e o governo da frança era uma santa, depois que tinha perdido a utilidade virou feiticeira e foi queimada na fogueira da inquisição.

Outro exemplo magnífico podemos ter na figura de Francisco de Assis, que apresentava poderes de vidência, audiência, inspiração, cura e até transes em extase. De acordo com a espiritualidade Ele era a reencarnação de João Evangelista e servia, inclusive, de médium para o próprio Jesus.

Neste link fala um pouco sobre alguns santos e suas mediunidades: http://www.compuland.com.br/lardomignacio/mediunidade.html

Mas, o importante de transmitir para os meninos é que a maior qualidade destas pessoas, embora fossem médiuns, era a bondade e o amor que traziam em seus corações. Pois este é o diferencial REAL que devemos buscar. Chico xavier dizia que não devemos nos preocupar em sermos bons médiuns e sim em sermos bons homens e mulheres, pois assim estaremos afinando os laços que nos unem aos espíritos iluminados que nos guiam, e cada vez mais sendo intermediários entre o reino dos céus e a terra.

Sua colocação que todos podemos chegar até onde eles já chegaram é corretíssima, basta que para tanto busquemos a nossa melhora interior, dominar os maus instintos, os desejos inferiores, raivas, ódios e, tentar cada vez mais, seguir o que jesus nos ensinou "amai-vos uns aos outros como eu vos amei", quando chegarmos neste ponto estaremos preparados para sermos todos "santos".

Qualquer coisa me escreve que eu tento esclarecer mais.

Abraços e muita paz."



Sabedoria em gotas...


CAPÍTULO 182


NÃO se deixe levar pelo extremismo.

Nem exagero para mais, nem para menos.

Saiba permanecer no meio-termo.

Se correr demais, cansará.

Se ficar muito parado, acabará consumindo o terreno debaixo dos próprios pés, e dentro de pouco estará pisando uma cova.

Não pare, mas também não queira correr demais.

Caminhe firme e com segurança, sem pressa, mas não se detenha jamais na senda do progresso.



PASTORINO, C. Torres. Minutos de Sabedoria. 39. ed. Petrópolis,RJ: Vozes. 2000.


Anencéfala completa 1 ano...



Marcela de Jesus Ferreira, a menina sem cérebro, completa hoje um ano de vida. Embora a terça-feira da Consciência Negra seja dia útil em Patrocínio Paulista, boa parte da cidade vai em romaria à casa de número 1.220 da rua Turmalina, bairro de Marumbé.
A outra opção para homenagear o aniversário de Marcelinha é a missa das 19h, que será celebrada pelo padre Cássio, no salão paroquial, em razão da restauração da igreja da cidade, que dura um ano.
Marcelinha já ganhou muitos presentes (vestidos, blusas, brinquedos, sapatinhos) e deve passar boa parte do dia usando um vestidinho branco que a mãe comprou. O outro modelinho, pronto para ser usado, é um vestido vermelho, com detalhes em branco, ornando com as sandálias também vermelhas e bolinhas brancas.

Avós, tios e primos
Pela primeira vez, desde que veio ao mundo, toda a família estará ao lado de Marcela: seu avó paterno e os avôs maternos, além de tios e primos que residem em cidades mais distantes.
Os primeiros médicos que cuidaram de Marcela durante o parto, no começo da tarde de 20 de novembro do ano passado, vão levar o bolo.
Cacilda Galante Ferreira, a mãe, trouxe a filha do meio, Dirlene, de 15 anos, para ajudá-la na arrumação da casa de um quarto, sala e cozinha e que está sendo ampliada.
Cacilda, pela primeira vez depois do nascimento de Marcela, passou quarenta minutos, ontem, no cabeleireiro. Um luxo!

A cidade dos 194 nascimentos e 77 mortes
Durante o primeiro ano de vida de Marcela de Jesus Ferreira, em Patrocínio Paulista, cidade com 13.400 habitantes, foram constatadas 77 mortes. Em compensação, o número de nascimento foi muito maior: vieram ao mundo 194 – mais que o dobro dos mortos. Patrocínio, no mesmo período, registrou 77 casamentos. Os dados foram obtidos no único cartório de registros de pessoas do município, distante 95 quilômetros de Ribeirão Preto. Uma unidade da usina de beneficiamento de leite (Jussara) continua sendo uma das maiores empregadoras privadas. Mas a Prefeitura é recordista em funcionários –mais de 1.500.

Médica confirma anencefalia e tronco
A pediatra francana Márcia Bear, que cuida de Marcela de Jesus Ferreira desde o período de gestação, confirmou que a menina tem anencefalia dotada de tronco. Mais uma vez – e isso vem repetindo sempre – explicou que não se trata de uma anencefalia clássica, em que o cérebro é totalmente desprovido de massa.
“Desde que foi detectado o problema, venho repetindo que Marcela tem um tronco no cerébro, que controla a respiração, a freqüência cardíaca e, em conseqüência, mantém os órgãos vitais – coração, pulmão e rins – em funcionamento”.
A pediatra revelou que nunca existiu interesse de grandes hospitais ou médicos especialistas em acompanhar o caso de Marcela.
“E de certa forma isso é explicável. Não existe medicação ou tratamento para a doença de Marcela. A única coisa que temos a fazer é dar a ela qualidade de vida. É o que temos feito”, disse.
Márcia Bear contou que apenas uma pessoa, o professor Okomura, um cirurgião aposentado da USP, residente em São Paulo, se interessou pelo caso da menina. Eles esteve duas vezes em Patrocínio Paulista.
“O professor Okomura veio de táxi, viu a Marcela e continuamos falando pelo telefone. Marcela realmente é uma fonte de vida. Nossa missão é continuar zelando por ela, controlando a alimentação, a permanente oxigenação do tronco e acompanhar o desenvolviento dos órgãos vitais”.

Em cadeira de roda
Marcela está pesando quase 13 quilos, usa fralda GG, toma papinha a cada três horas, sucos e comidinha amassada nos intervalos.
Tem boa audição, conforme exame de ressonância feita há dez dias, mas seus movimentos são breves. Mexe os bracinhos, as pernas, boceja forte quando tem sono.
Isso significa que Marcela poderá, futuramente, ser conduzida em cadeira de rodas.
“Mas não se trata de vida vegetativa. Isso ocorre quando a pessoa fica presa ao aparelho, mantida viva pelo aparelho. Não é o caso da Marcela. Por isso, precisamos melhorar sempre a qualidade de vida dela”, disse a pediatra.

Instrumento Divino...



O violino é instrumento delicado, rico de melodias aguardando execução.

Deixado à umidade, perde a ressonância.

Manipulado com rispidez, desafina-se.

Largado ao abandono, sofre a invasão de insetos que o destroem.

Utilizado com brutalidade, arrebenta-se.

Esquecido em temperaturas elevadas, estala e rompe a caixa acústica.

Em mãos inábeis, perde a finalidade e o valor.

Em museu, é peça morta.

Atirado ao lixo, torna-se inutilidade.

No entanto, cuidado, recebendo afinação, conduzido com carinho, reflete as melodias divinas ao contato com o arco que lhas arranca, vibrando harmonias incomparáveis que lhe saem das cordas distendidas e equilibradas.

O médium, de certa forma, pode ser comparado ao violino.


Afinado com os dons da vida e colocado em mãos treinadas, acostumadas às músicas divinas, traz, à Terra, as gloriosas mensagens da Imortalidade.

Posto em comunhão com o bem, esparze harmonias que facultam paz e estimulam ao amor.

Estando em ação correta, participa da orquestração da Vida, expressando a glória da Criação em concertos de indefiníveis estesias.

Sob a ardência das paixões primitivas, porém, arrebenta os centros de comunicação e perverte a finalidade a que se destina.

Cultivando os instintos primários e dando-lhes expressão, tomba nos depósitos de lixo das obsessões penosas.

Absorvendo a queixa e o pessimismo, perde a afinidade com os instrumentistas superiores.

Relegando-se ao marasmo, desconecta os centros de registro elevado.

Utilizado para o mercantilismo e as frivolidades, gasta-se nos prejuízos destruidores.

Compulsado por Entidades perversas, morrem-lhe os ideais de enobrecimento, e embrustece-se, caindo depois na alucinação auto-aniquiladora.

O violino e o médium têm muita semelhança.

São, em si mesmos, neutros, dependendo de como se deixam utilizar.

O violino, porque não possui razão nem inteligência, depende totalmente do seu possuidor, quanto o médium resulta da conduta moral que imprimir à sua faculdade.

Deixa-te tanger pelas mãos dos artistas espirituais de elevado porte, a fim de que possas transmitir as melodias da Vida Maior para felicitar as criaturas.

Em qualquer situação, permanece cauteloso, zelando pelos teus equipamentos, de modo a responder em harmonia a todas as emissões dos artistas divinos, como instrumento sintonizado com a sublime orquestra do amor de Nosso Pai.

pelo Espírito Joanna de Ângelis - do livro “Alegria de Viver”
Psicografia de Divaldo Pereira Franco.

Sexo e amor...


Ignorar o sexo em nossa edificação espiritual seria ignorar-nos. Urge, no entanto, situá-lo a serviço do amor sem que o amor se lhe subordine.

Imaginemo-los ambos, na esfera da personalidade como o rio e o dique na largueza da terra. O rio fecunda. O dique controla. O rio espalha forças. O dique policia-lhes a expansão. No rio, encontramos a natureza. No dique surpreendemos a disciplina. Se a corrente ameaça a estabilidade de construções dignas, comparece para canalizá-la proveitosamente noutro nível. Contudo, se a corrente supera o dique, aparece a destruição toda vez que a massa líquida se dilate em volume.

Igualmente o sexo é energia criativa, mas o amor necessita estar junto dele, a funcionar por leme seguro.

Se a simpatia sexual prenuncia a dissolução de obras morais respeitáveis, é imprescindível que o amor lhe norteie os recursos para manifestações mais altas, porquanto, sempre que a atração genésica é mais poderosa que o amor, surge as crises de longo curso, retardando o progresso e aperfeiçoamento da alma, quando não lhe embargam os passos na loucura ou na frustração, na enfermidade ou no crime.

Tanto quanto o dique precisa erguer-se em defensiva constante, no governo das águas, deve guardar-se o amor em permanente vigilância na frenação do impulso emotivo.
Fiscaliza, assim, teus próprios desejos.

Todo pensamento acalentado tende a expressar-se em ação.

Quase sempre os que chegam ao além-túmulo sexualmente depravados, depois de longas perturbações renascem no mundo, tolerando moléstias insidiosas, quando não se corporificam em desesperadora condição inversiva, amargando as pesadas provas como conseqüências dos excessos delituosos a que se renderam.

À maneira de doentes difíceis, no leito de contenção, padecem inibições obscuras ou envergam sinais morfológicos em desacordo com as tendências masculinas ou femininas em que ainda estagiam no elevado tentame de obstar a própria queda em novos desmandos sentimentais.

Ama, pois, e ama sempre, porque o amor é a essência da própria vida, mas não cogites de ser amado.
Ama por filhos do coração aqueles de quem por enquanto, não podes partilhar a convivência mais íntima, aprendendo o puro amor fraterno que Jesus nos legou.

Mas, se a inquietação sexual te vergasta as horas, não te decidas a aceitar o conselho da irresponsabilidade que te inclina a partir levianamente "ao encontro de um homem" ou "ao encontro de uma mulher" , muitas vezes em perigoso agravo de teus problemas.

Antes de tudo, procura Deus, no coração, segundo a fé que cultivas, e Deus que criou o sexo em nós, para engrandecimento da criação, na carne e no espírito, ensinar-nos-á como dirigi-lo.


pelo Espírito Emmanuel - do Livro "Religião dos Espíritos"
Psicografado por Francisco C. Xavier.

Palestras Espíritas...



O que é o espiritismo?

Medo de quê???

O medo era meu companheiro constante, eu vivia com medo de perder o que tinha ou de não conseguir o que queria ter.

E se meus cabelos caírem? E se eu não conseguir comprar a casa que eu quero? E se eu engordar, ficar flácido e deixar de ser atraente?

E se eu tiver uma deficiência física e não puder jogar bola com o meu filho? e se eu ficar velho, frágil e não tiver nada a oferecer aos que me rodeiam?

Mas a vida ensina a quem quer aprender e hoje eu sei. Se meus cabelos caírem, vou ser o careca mais simpático e agradecer pelas idéias que a minha cabeça produzir, apesar da falta de cabelo.

Não é a casa que faz alguém feliz, um coração infeliz não se sente melhor em nenhuma casa, mas um coração em paz torna qualquer casa feliz.

Se eu dedicar mais tempo a me desenvolver emocional, mental e espiritualmente, em vez de só me preocupar com o físico, vou me sentir cada vez mais atraente.

Se uma deficiência física me impedir de ensinar meu filho a encestar uma bola, vai me sobrar tempo para ensinar-lhe a resolver os problemas da vida, o que é um aprendizado muito mais útil.

E se a idade for me roubando as forças, a agilidade mental e a resistência física, posso oferecer aos que conviverem comigo a força das minhas convicções, a profundidade do meu amor e a solidez espiritual de uma alma cuidadosamente esculpida pelas arestas de uma longa vida.

Se o destino me trouxer perdas e desilusões, vou enfrentar os desafios com dignidade e determinação, porque são muitas as dádivas de Deus e posso substituir cada dádiva perdida por outras dez que eu nunca perceberia se a vida sempre fosse um mar-de-rosas.

Quando eu não puder mais dançar, vou cantar com alegria, quando não tiver mais forças para cantar, vou ouvir as músicas de que mais gosto.

Quando minha respiração for apenas um sopro, vou pensar nos meus entes queridos e meu coração vai se aquecer de amor.

E quando a luz mais brilhante se aproximar, vou rezar em silêncio e entrar nela.

Então terá chegado a hora de ir ao encontro de Deus e vou ter medo de quê???

"Na vida, não existe nada a temer, mas a entender."

Texto: David L. Weatherford

02 de novembro...

A tradição diz que o dia 02 de novembro é o dia “dos mortos”, normalmente chamado de “finados”, e a história católica o classifica como dia dos “fieis defuntos”, o qual se comemora após o dia de todos os santos (1º de novembro).

De maneira comum, no Brasil, se adota o hábito de, neste dia, realizar visitas aos cemitérios e túmulos de entes queridos, personalidades importantes e vultos de nossa história. Mantendo-se a tradição são acesas velas e realizadas orações em intenção daqueles que já não estão conosco; muitos ainda realizam cerimônias, piqueniques, pintura, manutenção nos túmulos e coisas do gênero.

Grande parte de nós apenas se lembra dos nossos mortos em ocasiões como estas, ou em aniversários e eventos familiares; esquecemos que sua presença em nossos corações e vida continuam sempre conosco. Não poucas vezes quando sentimos a brisa da lembrança chegar aos nossos pensamentos eles estão conosco. Não poucas vezes desejam nos abraçar e consolar, alegrar e amparar em nossos momentos mais íntimos.

Independente de nossa opção religiosa, procuremos lembrar com carinho e ternura dos que partiram do mundo material com mais freqüência, elevando nossos pensamentos em oração e boas vibrações para que Deus ilumine os seus passos hoje e sempre. Essas boas vibrações irão alcança-los onde estejam e envolvê-los em todos os bons sentimentos que desejamos transmitir, abraçando-os com a nossa energia interior, nossa própria alma.

Neste abraço, do fundo do nosso ser, sentiremos com certeza o afago e o carinho, a presença e a lembrança dos queridos que, temporariamente,
se afastaram de nós.

Muita Paz.

Sabedoria em gotas...

FELICIDADE


"O psicanalista paulista Leopold Nosek esclarece bem essa questão:

O sonho dourado das pessoas é a felicidade permanente.

Isso não existe.

A grande felicidade vem depois da insatisfação.

A vida é para cima e para baixo.

A oscilação é o que dá prazer: satisfação, insatisfação, amparo, desamparo.

A linha reta no eletrocardiograma é a morte".

Autor Desconhecido

O amanhã ainda tem jeito...

ENTUSIASMO

A depressão, comenta-se, é a doença do século. Ouve-se falar em estresse, desmotivação para a vida, desalento. Qual será o motivo de tanto desânimo?

Alguns apontam as tragédias naturais que arrasam populações, as guerras constantes, a inflação, como responsáveis primordiais.

Outros falam na esperança que viajou para lugares ignotos, com passagem única.

No entanto, é bem verdade que pessoas que sobrevivem a dores acerbas, a problemas graves, não são as que se apresentam mais acabrunhadas.

Por que vivemos, então, sem motivação?

Quando crianças, somos naturalmente entusiastas. Quem não se recorda que tudo nos encantava?

Quando aprendemos a falar, não parávamos de conversar. No ônibus, na rua, no carro, em casa. Um contínuo “tatibitati”.

“Olha, mãe! Que lindo!”

“Mãe, mãe, olha o cavalinho!”

“Hei, pai! Você viu que carrão legal? Você viu, pai?”

Quase sempre, o silêncio era a resposta.

Adultos andam sempre pensativos. Têm muitos problemas.

E de tanto falar, sem resposta, fomos absorvendo a idéia de que adultos são pessoas sérias, com muitas dificuldades a resolver.

Nada mais natural que tenhamos assumido essa postura, ao nos tornarmos adultos.

Mas quando crianças, olhávamos o mar imenso, as ondas gigantes, a areia interminável, a bola.

Corríamos pela praia, incansáveis.

“Vem, pai, vamos buscar água com meu baldinho.”

“Pai, entra na água comigo?”

“Pai, você me carrega?”

A resposta quase sempre era:

“Dá pra dar um tempo? Pode me deixar em paz um momento?”

“Dá pra parar?”

E fomos assimilando a idéia de que pessoas adultas são pessoas cansadas.

Quando crescemos, tomamos a postura do cansaço das coisas, do desencanto pela natureza, pelo que nos cerca.

Cadê o encanto do mar barulhento?

Cadê a graça de mergulhar nas ondas, de fazer esculturas na areia, de jogar bola?

Um dia, descobrimos o mundo mágico das letras. Essa bolinha, com um ganchinho para o lado, mais essa outra com três perninhas, mais... Dava amor.

Começamos a escrever amor no livro de receitas da mamãe, no bloco de anotações do papai, na agenda telefônica.

“Pare de rabiscar, menino!”

Percebemos então que os adultos não costumam escrever coisas bonitas quando as descobrem.

Sentimentos são para serem armazenados. Não expostos.

Mergulhamos no mundo da leitura. Viagens fantásticas, aventuras mil.

“Compra, pai. Olha! É o livro novo!”

“Você está louco, menino? Viu o preço? Vê lá se vou pagar tudo isso por um livro! Há coisas mais importantes.”

Pois é, ler também não era uma boa coisa.

Com tudo isso, não é de admirar que sejamos tão depressivos!

Nosso entusiasmo foi sendo bombardeado, a pouco e pouco. Demonstrar alegria, partilhar conquistas, gritar de entusiasmo, escrever bilhetes de amor, viajar nas letras, tudo perdeu a magia.

Vivemos num mundo de negócios, trabalho, obrigações. Quem tem tempo para coisas pueris, sem importância?

A propósito, você tem filhos? Sobrinhos? Netos?

Pense nisso com carinho, porque o amanhã ainda tem jeito. Depende de nós.


Texto da Equipe de Redação do Momento Espírita.

O que herdam de nós os filhos?



Afinal, quem são nossos filhos, o que representam em nossas vidas e o que representamos nós na vida deles, além do simples relacionamento pais e filhos?

O que herdam de nós ao nascer?
São questões fundamentais trazidas por Hermínio Miranda, em sua obra “Nossos filhos são espíritos.”

O estudioso afirma que “longe de respostas mais claras e objetivas, ou, pelo menos, de hipóteses orientadoras, o que observamos, no dia-a-dia das lutas e alegrias da vida”, é diferente:

Uma coletânea de clichês obsoletos, ou seja, idéias preconcebidas e cristalizadas que, de tão repetidas, assumiram status de verdades inquestionáveis.

Verdades que vamos aceitando meio desatentos, sem procurar examiná-las em profundidade.

Por exemplo: o Marquinho “puxou” o jeito enérgico da mãe, ou a Mônica herdou a inteligência do pai, ou o gosto da tia pelas artes plásticas, ou, ainda, o temperamento da avó Adelaide.

A primeira coisa a desaprender com relação às crianças é a de que elas não herdam características psicológicas, como inteligência, dotes artísticos, temperamento, bom ou mau gosto, simpatia ou antipatia, doçura ou agressividade.

Cada ser é único, em sua estrutura psicológica, preferências, inclinações e idiossincrasias.

Somente ca¬racterísticas físicas são geneticamente transmissíveis: cor da pele, dos olhos, ou dos cabelos, tendência a esta ou àquela conformação física, etc.

Entra ainda a predisposição a esta ou àquela enfermidade, ou a uma saúde mais estável, traços fisionômicos e coisas dessa ordem.

Quanto ao mais, não. Pais inteligentíssimos podem ter filhos medíocres, tanto quanto pais aparentemente pouco dotados podem ter filhos geniais.

Pessoas pacíficas geram filhos turbulentos e vice-versa, pais desarmonizados produzem crianças excelentes, equilibradas e sensatas.

Qualquer um de nós poderá citar pelo menos uma dúzia de exemplos de seu conhecimento para testemunhar a exatidão dessas afirmativas.

Por isso, repetimos, cada criança, cada pessoa é única, é dife¬rente, e embora possam ter duas ou mais, certas características em comum ou muito semelhantes, cada uma delas é um universo pró¬prio, como que individualizado.

Até mesmo gêmeos univitelinos, ou seja, gerados a partir do mesmo ovo, trazem na similitude de certos traços físicos, diferenças fundamentais de temperamento e caráter.

Diferenças que os identificam com precisão, como indivíduos perfeitamente autônomos e singulares.

Definamos, portanto, um importante aspecto: os pais produzem apenas o corpo físico dos filhos, não o Espírito (ou alma) deles.

É fundamental que compreendamos que nossos filhos são Espíritos. São almas que trazem sua própria bagagem psicológica milenar, e que nascem em nosso lar por necessidade.

Necessidade de crescer, de aprender. Necessidade de corrigir equívocos; de ser referência, exemplo, num ninho doméstico despedaçado; necessidade de amar e ser amado.


“Os laços do sangue não criam forçosamente os liames entre os Espíritos.

O corpo procede do corpo, mas o Espírito não procede do Espírito, porquanto o Espírito já existia antes da formação do corpo.

Não é o pai quem cria o Espírito de seu filho; ele mais não faz do que lhe fornecer o invólucro corpóreo, cumprindo-lhe, no entanto, auxiliar o desenvolvimento intelectual e moral do filho, para fazê-lo progredir.”


Redação do Momento Espírita com base no cap. 2 do livro
Nossos filhos são espíritos, de Hermínio Miranda, ed. Lachâtre
e no item 8 do cap. XIV do livro O evangelho segundo o espiritismo,
de Allan Kardec,ed. Feb.

Somos o que pensamos...



CAPÍTULO 159

NÃO se esqueça de que somos o reflexo daquilo que pensamos.

O pensamento plasma nossa vida de amanhã.

Aproveite, portanto, o momento que passa, a fim de construir um amanhã risonho.

Plante em torno de você as sementes de otimismo e bondade, para que possa colher amanhã os frutos do amor e da felicidade.

Se somos escravos do ontem, somos donos de nosso amanhã.


PASTORINO, C. Torres. Minutos de Sabedoria. 39. ed. Petrópolis,RJ: Vozes. 2000.

O Samurai...


Perto de Tóquio vivia um grande samurai, já idoso, que agora se dedicava a ensinar o zen aos jovens. Apesar de sua idade, corria a lenda de que ainda era capaz de derrotar qualquer adversário.


Certa tarde, um guerreiro conhecido por sua total falta de escrúpulos apareceu por ali. Era famoso por utilizar a técnica da provocação: esperava que seu adversário fizesse o primeiro movimento e, dotado de uma inteligência privilegiada para reparar os erros cometidos, contra-atacava com velocidade fulminante. O jovem e impaciente guerreiro jamais havia perdido uma luta. Conhecendo a reputação do samurai, estava ali para derrotá-lo, e aumentar sua fama.


Todos os estudantes se manifestaram contra a idéia, mas o velho aceitou o desafio. Foram todos para a praça da cidade, e o jovem começou a insultar o velho mestre. Chutou algumas pedras em sua direção, cuspiu em seu rosto, gritou todos os insultos conhecidos, ofendendo inclusive seus ancestrais. Durante horas fez tudo para provocá-lo, mas o velho permaneceu impassível. No final da tarde, sentindo-se já exausto e humilhado, o impetuoso guerreiro retirou-se.

Desapontados pelo fato de que o mestre aceitar tantos insultos e provocações, os alunos perguntaram: "Como o senhor pode suportar tanta indignidade? Por que não usou sua espada, mesmo sabendo que podia perder a luta, ao invés de mostrar-se covarde diante de todos nós?" "Se alguém chega até você com um presente, e você não o aceita, a quem pertence o presente?" - perguntou o Samurai. "A quem tentou entregá-lo" - respondeu um dos discípulos.


"O mesmo vale para a inveja, a raiva, e os insultos" - disse o mestre. "Quando não são aceitos, continuam pertencendo a quem os carregava consigo. A sua paz interior, depende exclusivamente de você. As pessoas não podem lhe tirar a calma, só se você permitir..."

(Desconheço o Autor)

Os Excluídos...

Era uma vez... Num país bem distante, vivia um rei com os seus súditos. Era um país onde todos os seus habitantes não tinham qualquer tipo de problema. Não havia pobreza, nem miséria, todos eles possuíam casa para morar, emprego fixo, escola, etc., mais parecia um paraíso. A vida média daquele povo ficava por volta de 70 anos.


Um dia, chegaram dois visitantes de terras ainda mais distantes. Um era você, meu caro leitor, o outro eu. Passamos a passear por este reino e observamos que todos os habitantes viviam alegres e em perfeita harmonia uns com os outros. Numa volta pela cidade notamos que a arquitetura dos prédios era de uma rara beleza, feita por mãos de verdadeiros artistas. Andando pelo campo, vimos que não havia nenhuma propriedade improdutiva, todos os camponeses produziam alguma coisa, não existia um lugarzinho sequer que não houvesse uma cultura, principalmente, a de gêneros alimentícios. Era exatamente por isso que não havia fome no reino.


Continuamos a andar pelo campo quando nos afastamos em demasia, e fomos parar nas redondezas desse reino. Chamou-nos a atenção uma placa indicativa com os seguintes dizeres: “Vale dos Excluídos”. Curiosos nós seguimos aquela indicação e fomos deparar com os muros que cercavam todo o reino. Ao aproximarmos, um portão foi aberto e, sem que pudéssemos parar para pensar, nós já estávamos do lado de fora. Era um ambiente terrível, de muita miséria, dor, e sofrimentos.


As pessoas que viviam naquele lugar eram em número muito maior que as que existiam no reino, tão evidente isso, que não era necessário nem contar. Ao aproximarmos de um velhinho, este foi logo nos cumprimentando, e nos perguntou:

- Como vão as coisas lá no reino?

- Tudo bem, dissemos.

- Como? Será que vocês não perceberam que lá quase não há crianças.

- Realmente, não as notamos em grande quantidade, respondemos. Mas por que isso?

- Bom, é porque o rei exige que nossas crianças ao completarem os 7 anos de idade devem se matricular num estabelecimento escolar.

- Ora, isso é o que se deve esperar de um rei que se preocupa com seu povo.

- Seria, se o nosso rei não exigisse que todas as crianças aprendessem tudo o que os adultos sabem somente no primeiro ano de escola, sob pena de serem enviados para este Vale.

- Mas isso é um absurdo. Não há a mínima possibilidade de que uma coisa dessa aconteça.

- Concordamos. Entretanto, não podemos fazer nada, pois nosso rei é todo-poderoso. E cabe-nos apenas nos resignarmos diante dessa situação. Mas o melhor é vocês irem embora bem rápido, pois correm sério risco de ficarem presos aqui para sempre.


Saímos daquele estranho lugar, sem nem mesmo olhar para trás. Voltamos o mais rápido que conseguimos ao nosso país de origem.

Sei, que tanto você quanto eu, estamos indignados diante da atitude desse rei, pois estava sendo muito exigente com as crianças. Era uma, digamos, missão impossível. Esse rei tinha mais súditos no Vale dos Excluídos que dentro dos muros que cercavam seus domínios.

Mas, vamos pensar um pouco. Não é o mesmo que as religiões dizem, que Deus faz conosco, ou seja, quer que atinjamos a perfeição em apenas uma vida? Perceba que uma só vida não é praticamente nada para um espírito que é imortal, que viverá para toda a eternidade. Analisando a situação, vemos que a quantidade de pessoas que não conseguiram se tornar “santos” é muito superior aos que o são. Assim, também, Deus teria mais filhos na exclusão (inferno?) do que no seu reino.

Pense nisso!

Paulo da Silva Neto Sobrinho
da página Irmã www.espirito.org.br.

A paz nasce no lar...


Você já se deu conta de que as guerras, tanto quando a violência, nas suas múltiplas faces, nascem dentro dos lares?

Em tese, é no lar que aprendemos a ser violentos ou pacíficos, viciosos ou virtuosos.

Sim, porque quando o filho chega contando que um colega lhe bateu, os pais logo mandam que ele também bata no agressor.


Muitos pais ainda fazem mais, dizendo: "filho meu não traz desaforo para casa"; "se apanhar na rua, apanha em casa outra vez"!

Se o filho se queixa que alguém lhe xingou com palavrões, logo recebe a receita do revide: "faça o mesmo com ele". "vingue-se", "não deixe por menos".

Quando o amiguinho pega o brinquedo do filho, os pais intercedem dizendo: "tire dele, você é mais forte", "não seja bobo"!


Essas atitudes são muito comuns, e os filhos que crescem ouvindo essas máximas, só não aprendem a lição se tiverem alguma deficiência mental, ou se forem espíritos superiores, o que é raro na terra.

O que geralmente acontece é que aprendem a lição e se tornam cidadãos agressivos, orgulhosos, vingativos e violentos. Ingredientes perfeitos para fomentar guerras e outros tipos de violências.

Se, ao contrário, os pais orientassem o filho com conselhos sábios, como: perdoe, tolere, compartilhe, ajude, colabore, esqueça a ofensa, não passe recibo para a agressividade, os filhos certamente cresceriam alimentando outra disposição íntima.


Seriam cidadãos capazes de lidar com as próprias emoções e dariam outro colorido à sociedade da qual fazem parte.

Formariam uma sociedade pacífica, pois quando uma pessoa age diante de uma agressão, ao invés de reagir, a violência não se espalha.

A paz só será uma realidade, quando os homens forem pacíficos, e isso só acontecerá investindo-se na educação da infância.

Os pais talvez não tenham se dado conta disso, mas a maioria dos vícios também são adquiridos portas à dentro dos lares.

É o pai incentivando o filho a beber, a fumar, a se prostituir, das mais variadas formas.

É a mãe vestindo a filha com roupas que despertam a sensualidade, a vaidade, a leviandade.

Meninas, desde os três anos, já estão vestidas como se fossem moças, com roupas e maquiagens que as mães fazem questão de lhes dar.

Isso tudo fará diferença mais tarde, quando esses meninos e meninas estiverem ocupando suas posições de cidadãos na sociedade.

Então veremos o político agredindo o colega em frente às câmeras, medindo forças e perdendo a compostura.

Veremos a mulher vulgarizada, desvalorizada, exibindo o corpo para ser popular.

Lamentavelmente muitos pais ainda não acordaram para essa realidade e continuam semeando sementes de violência e vícios no reduto do lar, que deveria ser um santuário de bênçãos.

Já é hora de pensar com mais seriedade a esse respeito e tomar atitudes para mudar essa triste realidade.

É hora de compreender que se quisermos construir um mundo melhor, os alicerces dessa construção devem ter suas bases firmes no lar.

...............

Jesus, nosso Irmão Maior, trouxe-nos a receita da paz. Com Ele poderemos erguer-nos, da treva à luz.

Da ignorância à sabedoria.

Do instinto à razão.

Da força ao direito.

Do egoísmo à fraternidade.

Da tirania à compaixão.

Da violência ao entendimento.

Do ódio ao amor.

Da extorsão à justiça.

Da dureza à piedade.

Do desequilíbrio à harmonia.

Do pântano ao monte.

Do lodo à glória.


Equipe de Redação do site www.momento.com.br, com base em seminário proferido por Raul Teixeira, no VI SIMPÓSIO PARANAENSE DE ESPIRITISMO, no dia 27/05/03, e no cap. 61 do livro Pão Nosso, ed. FEB

Montagens Espetaculares...



Emmanuel conosco...

OPORTUNIDADE

"Disse-lhes, pois, Jesus: Ainda não é chegado o meu tempo, mas o vosso tempo está pronto." - (João, 7:6.)


O mau trabalhador está sempre queixoso. Quando não atribui sua falta aos instrumentos em mão, lamenta a chuva, não tolera o calor, amaldiçoa a geada e o vento.

Esse é um cego de aproveitamento difícil, porquanto somente enxerga o lado arestoso das situações.

O bom trabalhador, no entanto, compreende, antes de tudo, o sentido profundo da oportunidade que recebeu. Valoriza todos os elementos colocados em seus caminhos, como respeita as possibilidades alheias. Não depende das estações. Planta com o mesmo entusiasmo as frutas do frio e do calor. É amigo da Natureza, aproveita-lhe as lições, tem bom ânimo, encontra na aspereza da semeadura e no júbilo da colheita igual contentamento.

Nesse sentido, a lição do Mestre reveste-se de maravilhosa significação. No torvelinho das incompreensões do mundo, não devemos aguardar o reino do Cristo como realização imediata, mas a oportunidade dos homens é permanente para a colaboração perfeita no Evangelho, a fim de edificá-lo.

Os cegos de espírito continuarão queixosos; no entanto, os que acordaram para Jesus sabem que sua época de trabalho redentor está pronta, não passou, nem está por vir. É o dia de hoje, é o ensejo bendito de servir, em nome do Senhor, aqui e agora...

Emmanuel - Do livro "Caminho, Verdade e Vida",
psicografia de Francisco Cândido Xavier

Jesus é Deus???


Esta é uma das perguntas que, ao longo da história, têm trazido muita discórdia e discussão entre vários povos e crenças.

O Espiritismo nos esclarece que Jesus é o “mais perfeito modelo e guia” que Deus entregou a humanidade; Espírito puro desde antes da criação da terra; Arquiteto e Governador de nosso planeta. Mas, que mesmo com todos estes atributos, ainda é filho de Deus e, por consequência, nosso irmão maior, enviado a nós para nos mostrar o caminho para a evolução moral.

Muito embora cada um de nós possa ter uma visão única e diferente de Jesus, o entendimento que possuímos de Deus sempre vai ser único e invariável: Nosso Pai criador e amoroso, Incriado, Eterno, Imutável,Justo e Bom.

A idéia errônea que Jesus é Deus talvez venha de uma ÚNICA afirmação na bíblia - João, 10:30, onde o Mestre afirma “ Eu e o Pai somos um”. Porém, se olharmos a precariedade da língua hebraica e as traduções para o Grego e Latim, teremos, após um estudo mais coerente, a tradução “eu e o pai somos UNO” - onde UNO assume o significado de sintonizados, unidos ou harmonizados. E não a significação que Jesus e Deus são a mesma pessoa.

Lembremos que em TODOS os outros momentos nos evangelhos Jesus sempre utiliza as palavras “meu pai”, “nosso pai”, “o que me enviou”. E apenas para dar alguns exemplos tomemos no mesmo evangelho: João 14:28, João 5:30, João 12:49-50, João, 8:28-29 e João 20:17.

A Idéia da divindade de Jesus remonta ao Concílio de Nicéia, no ano 325 d.C.; Onde por apenas um voto de diferença o então Imperador Constantino forçou a Igreja Cristã a assumir esta afirmação, por motivos puramente políticos e de manobra das massas. Sacrificando a liberdade de pensamento, ameaçando com a excomunhão e até a morte os que não concordassem com ele, Perpetuando através dos séculos uma afirmação ilógica, que na verdade é um engodo milenar.

A Doutrina Espírita, eliminando a Fé cega e trazendo para nós a FÉ RACIOCINADA, que busca o real sentido e significado de nossa crença, nos instrui a aprendermos cada vez mais, seguindo a orientação dada pelo Espírito Verdade: “Espíritas amaivos... Espíritas instruívos!”

Muita Paz

Sabedoria em gotas...

CAPÍTULO 152


PARA você subir na vida, dois degraus existem de suma importância.

São representados por dois verbos: AMAR e SERVIR.

Jamais desanime na escalada dos valores da alma, e procure em todas as circunstâncias AMAR e SERVIR a todos e a tudo, para ajudar ao máximo o progresso do planeta que o recebe tão generosamente, auxiliando-lhe a evolução.

PASTORINO, C. Torres. Minutos de Sabedoria. 39. ed. Petrópolis,RJ: Vozes. 2000.

Amor Fraterno...



Sabedoria em gotas...

"LEVANTE todos aqueles que estiverem caídos em seu redor.
Você não sabe onde seus pés tropeçarão".


Estas palavras de André Luis nos alertam quanto ao dever de ajudar a todos os que caem, não só física, como moralmente.

Não critique quem cair.

Ajude-o a erguer-se, tal como você gostaria que fizessem você, se estivesse no mesmo caso.

PASTORINO, C. Torres. Minutos de Sabedoria. 39. ed. Petrópolis,RJ: Vozes. 2000.

Dia do Idoso 2...

Queridos amigos,

Ótimo início de semana para vocês. Ontem foi um dia muito alegre e especial, pois levamos as crianças da evangelização Infantil para visitar os idosos do abrigo, em comemoração à semana do idoso, e também levamos um lanchinho, algumas lembrancinhas e muito carinho para eles.

video

Foi tudo muito bonito. As crianças cantaram uma música para os vovôs e vovós e depois entregaram a cada um uma pequeno presente, com direito a muito abraço, cheiro e afeto.

Agradecemos imensamente o apoio de todos que colaboraram com mais este ato e partilha e união, como também aos que participaram conosco desta visita fraterna, que muito alegrou os queridos idosos.

Muita Paz

Poema de Gratidão...


Esta para mim é uma das mais belas preces que existem, fico extasiado quando ouço esta declamação de Divaldo Pereira Franco do poema do espírito Amélia Rodrigues.

Quero então, dividir com vocês, queridos, estas palavras tão singelas e tão profundas, capazes de tocar na alma e nos fazer pensar.

Muita Paz

Poema de Gratidão - MP3



Dia do Idoso...


Hoje, 27 de setembro, é o DIA NACIONAL DO IDOSO.

Aqui em Palmares, como em vários locais do Brasil, estão sendo organizados eventos e "semanas do idoso" para que a sociedade possa conhecer um pouco mais destes indivíduos que já não estão tão presentes quanto gostariam em nossas vidas.

Todos temos lembranças de um Avô ou Avó, alguém que participou de forma importante em nosso desenvolvimento, e que talvez hoje não esteja mais conosco. Tenho certeza que além de realizarmos uma prece por esta pessoa e conversarmos intimamente com ela, enviando-lhe boas energias e sentimentos, podemos fazer um pouco mais em sua lembrança.

Podemos hoje, em sua homenagem, auxiliar os idosos que necessitam de nossa presença, apoio e consolo para diminuir as agruras desta caminhada terrena. Medicamentos, mantimentos, roupas e, mais importante ainda, a nossa presença podem fazer a diferença nos minutos que possamos dispor em sua companhia.

Apreciemos as oportunidades de trabalho e auxílio que Deus coloca em nossas vidas e façamos pelo nosso próximo tudo que desejaríamos que fosse feito por nós mesmos.

Assita a um pequeno vídeo abaixo, exibindo um texto chamado "aprendemos com os idosos" que foi utilizado no lançamento do livro "A Vida e OS Vivos - observações à luz do Espiritismo", em benefício do Abrigo São Francisco de Assis, em Palmares, PE.




E agora convido você a fazer um passeio virtual pelo Abrigo São Francisco de Assis, no vídeo abaixo. Seja bem vindo e Junte-se a nós nesta campanha de auxílio ao Idoso.



Participe e auxilie você também esta iniciativa adquirindo um exemplar do livro "A Vida e OS Vivos - Observações à luz do Espiritismo", ao valor simbólico de R$ 7,00; sendo R$ 5,00 pelo livro e R$ 2,00 pela postagem; E contribua para os idosos do Abrigo São Francisco de Assis.

"Porque sempre que fizeste a um destes mais pequeninos, a mim o fizeste."

Muita Paz para todos.

Presença de André Luiz...


Rogativa do Servo

Senhor!
Dá-nos a força, mas não nos deixes humilhar
os mais fracos.
Dá-nos a luz da inteligência, no entanto,
ensina-nos a auxiliar aos
irmãos que jazem nas sombras.
Dá-nos a calma, contudo,
não nos consintas viver na condição
das águas paradas.
Dá-nos a paciência, entretanto, não
nos relegue à inércia.
Dá-nos a fé, mas não nos permitas
o cultivo da intolerância.
Dá-nos a coragem, no entanto,
livra-nos da imprudência.
Concede-nos, por fim, o conhecimento da harmonia
e da perfeição que devemos buscar; não nos deixes,
porém, na posição da Vênus de Milo,
sempre maravilhosamente bela,
diante do Mundo, mas sem braços
para servir a ninguém.

André Luiz
Psicografia de Francisco Cândido Xavier

Conhecimento em gotas...


"Reflitamos e,
em qualquer tempo de nosso estágio na Doutrina dos Espíritos,
mantenhamo-nos vigilantes,
porque desconhecemos por completo
quando e onde nossos pés tropeçarão".


Odilon Fernandes - Psicografia de Carlos Baccelli
Livro: No mundo da mediunidade

Montagens Espetaculares...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...