Frases do Chico...



Precisa dizer mais alguma coisa?

Está insatisfeito com a sua vida do jeito que ela está? Trabalhe, se esforce, mude o seu jeito de pensar, mude o seu jeito de agir, melhore para com o seu próximo, ajude Jesus a te ajudar...

Não fique parado pensando que Deus vai mandar tudo de presente para você, pois Jesus foi muito claro "Faz por tí e o céu te ajudará"!

Mas lembre-se, "buscai primeiramente as coisas do céu e tudo o mais vos será dado por acréscimo de misericórida".

Um ótimo fim de semana para todos.

Muita Paz.

Exilados de Capela 4...


A Índia

Dos Espíritos degredados no ambiente da Terra, os que se agruparam nas
margens do Ganges foram os primeiros a formar os pródromos (Uso: formal: o que antecede a (algo); precursor, prenúncio, antecedente) de uma sociedade organizada, cujos núcleos representariam a grande percentagem de ascendentes das coletividades do porvir. As organizações hindus são de origem anterior à própria civilização egípcia e antecederam de muito os agrupamentos israelitas (sempre sofreram as
conseqüências nefastas do orgulho e do exclusivismo), de onde sairiam mais tarde personalidades notáveis como as de Abraão e Moisés.

As almas exiladas naquela parte do Oriente muito haviam recebido da misericórdia do Cristo, cuja palavra de amor e de cuja figura luminosa guardavam as mais comovedoras recordações, traduzidas na beleza dos Vedas e dos Upanishads. Foram elas as primeiras vozes da filosofia e da religião no mundo terrestre, como provindo de uma raça de profetas, de mestres e iniciados, em cujas tradições iam beber a verdade os homens e os povos do porvir, salientando-se que também as suas escolas de pensamento guardavam os mistérios iniciáticos, com as mais sagradas tradições de respeito.

O povo hindu não aproveitou como devia as experiências sagradas no orbe terrestre, embora grandes emissários como KRISHNA e BUDA tenham sido mandados em sua ajuda - Muitos destes encontram-se ainda hoje em sua jornada de redenção no globo terrestre.



Os Arianos

Era na Índia de então que se reuniam os arianos puros, entre os quais cultivavam-se igualmente as lendas de um mundo perdido, no qual o povo hindu colocava as fontes de sua nobre origem. Alguns acreditavam se tratasse do antigo continente da Lemúria, arrasado em parte pelas águas dos Oceanos Pacífico e Índico.

A realidade, porém, qual já vimos, é que, como os egípcios e os hindus eram um dos ramos da massa de proscritos da Capela, exilados no planeta. Deles descendem todos os povos arianos, que floresceram na Europa e hoje atingem um dos mais agudos períodos de transição na sua marcha evolutiva. O pensamento moderno é o descendente legítimo daquela grande raça de pensadores, que se organizou nas margens do Ganges, desde a aurora dos tempos terrestres, tanto que todas as línguas das raças brancas guardam as mais estreitas afinidades com o sânscrito, originário de sua formação e que constituía uma reminiscência da sua existência pregressa, em outros planos.


Este ramo, notadamente o mais descontente com a situaçãodo exílio, gerou um povo bárbaro, inquieto, violento e revoltado, que vagou durante muitos séculos até finalmente se fixar nas terras do norte, formando o que hoje conhecemos por Europa.

Os Mahatmas

Da região do Ganges partiram todos os elementos irresignados com a situação humilhante que o degredo na Terra lhes infligia. As arriscadas aventuras forneceriam uma noção de vida nova e aqueles seres revoltados supunham encontrar o esquecimento de sua posição nas paisagens renovadas dos caminhos; lá ficaram, apenas, as almas resignadas e crentes nos poderes espirituais que as conduziriam de novo às magnificências dos seus paraísos perdidos e distantes.


Os cânticos dos Vedas são bem uma glorificação da fé e da esperança, em face da Majestade Suprema do Senhor do Universo. A faculdade de tolerar, e esperar, aflorou no sentimento coletivo das multidões, que suportaram heroicamente todas as dores e aguardaram o momento sublime da redenção.

Os "mahatmas" (grandes almas) criaram um ambiente de tamanha grandeza espiritual para seu povo, que, ainda hoje, nenhum estrangeiro visita a terra sagrada da Índia sem de lá trazer as mais profundas impressões acerca de sua atmosfera psíquica. Eles deixaram também, ao mundo, as suas mensagens de amor, de esperança e de estoicismo resignado, salientando-se que quase todos os grandes vultos do passado humano, progenitores do pensamento contemporâneo, deles aprenderam as lições mais sublimes.

Segundo pesquisadores, muitos de nós somos esses exilados tentando recuperar o
tempo perdido, portanto caminhemos juntos sempre com a intenção de avanço, mas
não só para o nosso progresso, mas para o de todas as civilizações.

(Na próxima semana postaremos o restante da matéria)

Palestras Espíritas...


Semanalmente apresentaremos uma palestra espirita em mp3 para livre cópia, cada uma com oradores diferentes e temas variados. Clique no link abaixo com o botão direito e escolha "salvar destino como":

A missão do Homem

Mensagens em animação...


Arquivos do Power Point contendo mensagens sobre os mais diversos temas... (clique no link abaixo com o botão direito do mouse e escolha salvar destino como):

A Marca que deixamos nas pessoas

Exilados de Capela 3...


Exilados de Capela
(Terceira Parte)

A Civilização Egípcia

Dentre os Espíritos degredados na Terra, os que constituíram a civilização egípcia foram os que mais se destacaram na prática do Bem e no culto da Verdade.


Aliás, importa considerar que eram eles os que menos débitos possuíam perante o tribunal da Justiça Divina. Em razão dos seus elevados patrimônios morais, guardavam no íntimo uma lembrança mais viva das experiências de sua pátria distante. Um único desejo os animava, que era trabalhar devotadamente para regressar, um dia, aos seus penates (deuses do lar entre os romanos e etruscos - Derivação:sentido figurado. casas paternas; lares, famílias) resplandecentes. Uma saudade torturante do céu foi a base de todas as suas organizações religiosas.

Em nenhuma civilização da Terra o culto da morte foi tão altamente desenvolvido. Em todos os corações a ansiedade de voltar ao orbe distante, ao qual se sentiam presos pelos mais santos afetos. Foi por esse motivo que, representando uma das mais belas e adiantadas civilizações de todos os tempos, as expressões do antigo Egito desapareceram para sempre do plano tangível do planeta. Depois de perpetuarem nas pirâmides os seus avançados conhecimentos, todos os Espíritos daquela região africana regressaram à pátria sideral.

A Ciência Secreta

Em virtude das circunstâncias mencionadas, os egípcios traziam consigo uma ciência que a evolução não comportava.

Aqueles grandes mestres da antiguidade foram, então, compelidos a recolher o acervo de suas tradições e de suas lembranças no ambiente reservado dos templos, mediante os mais terríveis compromissos dos iniciados nos seus mistérios. Os conhecimentos profundos ficaram circunscritos ao círculo dos mais graduados sacerdotes da época, observando-se o máximo cuidado no problema da iniciação.

A própria Grécia, que aí buscou a alma de suas concepções cheias de poesia e beleza, através da iniciativa dos seus filhos mais eminentes, no passado longínquo, não recebeu toda a verdade das ciências misteriosas. Tanto é assim, que as iniciações no Egito se revestiam de experiências terríveis para o candidato à ciência da vida e da morte - fatos esses que, entre os gregos eram motivos de festas inesquecíveis.

Os sábios egípcios conheciam perfeitamente a inoportunidade das grandes revelações espirituais naquela fase do progresso terrestre; chegando de um mundo de cujas lutas, na oficina do aperfeiçoamento, haviam guardado as mais vivas recordações, os sacerdotes mais eminentes conheciam o roteiro que a Humanidade terrestre teria de realizar. Aí residem os mistérios iniciáticos e a essencial importância que lhes era atribuída no ambiente dos sábios daquele tempo.

O Politeísmo Simbólico

Nos círculos esotéricos, onde pontificava a palavra esclarecida dos grandes mestres de então, sabia-se da existência do Deus Único e Absoluto, Pai de todas as criaturas e Providência de todos os seres, mas os sacerdotes conheciam, igualmente, a função dos Espíritos prepostos de Jesus, na execução de todas as leis físicas e sociais da existência planetária, em virtude das suas experiências pregressas.


Desse ambiente reservado de ensinamentos ocultos, partiu, então, a idéia politeísta dos numerosos deuses, que seriam os senhores da Terra e do Céu, do Homem e da Natureza. As massas requeriam esse politeísmo simbólico, nas grandes festividades exteriores da religião. Já os sacerdotes da época conheciam essa franqueza das almas jovens, de todos os tempos, satisfazendo-as com as expressões exotéricas de suas lições sublimadas.

Dessa idéia de homenagear as forças invisíveis que controlam os fenômenos naturais, classificando-as para o espírito das massas, na categoria dos deuses, é que nasceu a mitologia da Grécia, ao perfume das árvores e ao som das flautas dos pastores, em contato permanente com a Natureza.

O Culto da Morte e a Metempsicose

Um dos traços essenciais desse grande povo foi a preocupação insistente e constante da Morte. A sua vida era apenas um esforço para bem morrer. Seus papiros e afrescos estão cheios dos consoladores mistérios do além-túmulo.

Era natural. O grande povo dos faraós guardava a reminiscência do seu doloroso degredo na face obscura do mundo terreno. E tanto lhe doía semelhante humilhação, que, na lembrança do pretérito, criou a teoria da metempsicose, acreditando que a alma de um homem podia regressar ao corpo de um irracional, por determinação punitiva dos deuses. a metempsicose era o fruto da sua amarga impressão, a respeito do exílio penoso que lhe fora infligido no ambiente terrestre.

Inventou-se, desse modo, uma série de rituais e cerimônias para solenizar o regresso
dos seus irmãos à pátria espiritual. Os mistérios de Ísis e Osíris mais não eram que símbolos das forças espirituais que presidem aos fenômenos da morte.

Os Egípcios e as Ciências psíquicas

As ciências psíquicas da atualidade eram familiares aos magnos sacerdotes dos templos. O destino e a comunicação dos mortos e a pluralidade das existências e dos mundos eram, para eles, problemas solucionados e conhecidos. O estudo de suas artes pictóricas positivam a veracidade destas nossas afirmações. Num grande número de afrescos, apresenta-se o homem terrestre acompanhado do seu duplo espiritual.


Os papiros nos falam de suas avançadas ciências nesse sentido, e, através deles, podem os egiptólogos modernos reconhecer que os iniciados sabiam da existência do corpo espiritual preexistente, que organiza o mundo das coisas e das formas. Seus conhecimentos, a respeito das energias solares com relação ao magnetismo humano, eram muito superiores aos da atualidade. Desses conhecimentos nasceram os processo de mumificação dos corpos, cujas fórmulas se perderam na indiferença e na inquietação dos outros povos.

Seus reis estavam tocados do mais alto grau de iniciação enfeixando nas mãos todos os poderes espirituais e todos os conhecimentos sagrados. É por isso que a sua desencarnação provocava a concentração mágica de todas as vontades, no sentido de cercar-lhes o túmulo de veneração e de supremo respeito. Esse amor não se traduzia, apenas, nos atos solenes da mumificação. Também o ambiente dos túmulos era santificado por estranho magnetismo. Os grandes diretores da raça, que faziam jus a semelhantes consagrações, eram considerados dignos de toda a paz no silêncio da morte.

As Pirâmides

A assistência carinhosa do Cristo não desamparou a marcha desse povo cheio de nobreza moral. Enviou-lhe auxiliares e mensageiros, inspirando-o nas suas realizações, que atravessaram todos os tempos provocando a admiração e o respeito da posteridade de todos os séculos.

Aquelas almas exiladas, que as mais interessantes características espirituais singularizam, conheceram, em tempo, que o seu degredo na Terra atingira o fim. Impulsionados pelas forças do Alto, os círculos iniciáticos sugerem a construção das grandes pirâmides, que ficariam como a sua mensagem eterna para as futuras civilizações do orbe. Esses grandiosos monumentos teriam duas finalidades simultâneas: representariam os mais sagrados templos de estudos e iniciação, ao mesmo tempo em que constituiriam, para os pósteros (que ainda vai acontecer; futuro - a geração ou as gerações que vêm depois da de quem fala ou escreve) um livro do passado, com as mais singulares profecias em face das obscuridade do porvir.


Levantaram-se, dessarte (advérbio - destarte - assim, desta maneira; dessarte) as
grandes construções que assombraram a engenharia de todos os tempos. Todavia, não é o colosso de seus milhões de toneladas de pedra nem o esforço hercúleo do trabalho de sua justaposição o que mais empolga e impressiona a quantos contemplam esses monumentos. As pirâmides revelam os mais extraordinários conhecimentos daquele conjunto de Espíritos estudiosos das verdades da vida. A par desses conhecimentos, encontram-se ali os roteiros futuros da Humanidade terrestre.

Cada medida tem a sua expressão simbólica, relativamente ao sistema cosmogônico (relativo ou pertencente a cosmogonia; cosmogenético - conjunto de teorias que propõe uma explicação para o aparecimento e formação do sistema solar) do planeta e à sua posição no sistema solar. Ali está o meridiano ideal, que atravessa mais continentes e menos oceanos, e através do qual se pode calcular a extensão das terras habitáveis pelo homem, a distância aproximada entre o Sol e a Terra, a longitude percorrida pelo globo terrestre sobre a sua órbita no espaço de um dia, a precessão dos equinócios, bem como muitas outras conquistas científicas que somente agora vêm sendo consolidadas pela moderna astronomia.

Redenção

Depois dessa edificação extraordinária, os grandes iniciados do Egito voltam ao plano espiritual, no curso incessante dos séculos. Com seu regresso aos mundos ditosos da Capela, vão desaparecendo os conhecimentos sagrados dos templos tebanos, que, por sua vez, os receberam dos grandes sacerdotes de Mênfis.

Aos mistérios de Ísis e de Osíris, sucedem-se os de Elêusis, naturalmente transformados nas iniciações da Grécia antiga.Em algumas centenas de anos, reuniram-se de novo, nos planos espirituais, os antigos degredados, com a sagrada bênção do Cristo, seu patrono e salvador.

A maioria regressa, então, ao sistema da Capela, onde os corações se reconfortam nos sagrados reencontros das suas afeições mais santas e mais puras, mas grande número desses Espíritos, estudiosos e abnegados, conservou-se nas hostes de Jesus, obedecendo a sagrados imperativos do sentimento e, ao seu influxo divino, muitas vezes têm reencarnado na Terra, para desempenho de generosas e abençoadas missões.

(amanhã postaremos a 4ª parte da matéria)

Resista Um Pouco Mais...


Há dias em que temos a sensação de que chegamos ao fim da linha.
Não conseguimos vislumbrar uma saída viável para os problemas que surgem em grande quantidade.



Com você não é diferente. Você também faz parte deste mundo cheio de provas e expiações. Desta escola chamada terra. E já deve ter passado por um desses dias, e pensado em desistir...

No entanto vale a pena resistir...

Resista um pouco mais, mesmo que as feridas latejem e que a sua coragem esteja cochilando.

Resista mais um minuto e será fácil resistir aos demais.

Resista mais um instante, mesmo que a derrota seja um ímã... Mesmo que a desilusão caminhe em sua direção.

Resista mais um pouco mesmo que os pessimistas digam para você parar... mesmo que sua esperança esteja no fim.

Resista mais um momento mesmo que você não possa avistar, ainda, a linha de chegada... mesmo que a insegurança brinque de roda a sua volta.


Resista um pouco mais, ainda que a sua vida esteja sendo pesada na balança dos insensatos, e você se sinta indefeso como um pássaro de asas quebradas.

As dores, por mais amargas, passam...

Tudo passa...

A ilusão fascina, mas se desvanece...

A posse agrada, porém se transfere de mãos...

O poder apaixona, entretanto, transita de pessoa.

O prazer alegra, todavia é efêmero.

A glória terrestre exalta e desaparece.

O triunfador de hoje, passa, mais tarde, vencido...

Tudo, nesta vida, tem um propósito...

A dor aflige, mas também passa.

A carência aturde, porém, um dia se preenche.

A debilidade física deprime, todavia, liberta das paixões.

O silêncio que entristece, leva à meditação que felicita.

A submissão aflige, entretanto fortalece o caráter.

O fracasso espezinha, ao mesmo tempo ensina o homem a conquistar-se.

A situação muda, como mudam as estações...

O verão brinca de esconde-esconde com a brisa morna, mas cede lugar ao outono, que espalha suas tintas sobre a folhagem. O inverno chega e, sem pedir licença, congela a brisa e derruba as folhas.

Tudo parece sem vida, sem cor, sem perfume... Será o fim? Não! Eis que surge a primavera e estende seus tapetes multicoloridos, espalhando perfume no ar e reverdecendo novamente a paisagem...

Assim, quando as provas lhe baterem à porta, não se deixe levar pelo desejo de desistir... resista um pouco mais.

Resista, porque o último instante da madrugada é sempre aquele que puxa a manhã pelo braç o...

E essa manhã bonita, ensolarada, sem algemas, nascerá para você em breve, desde que você resista.

Resista, porque alguém que o ama está sentado na arquibancada do tempo, torcendo muito para que você vença e ganhe o troféu que tanto deseja: a felicidade...


Não se deixe abater pela tristeza.

Todas as dores terminam.

Aguarde que o tempo, com suas mãos cheias de bálsamo, traga o alívio.

A ação do tempo é infalível, e nos guia suavemente pelo caminho certo, aliviando nossas dores, assim como a brisa leve abranda o calor do verão. Mais depressa do que supõe, você terá a resposta, na consolação de que necessita.

Por tudo isso, resista... e confie nesse abençoado aliado chamado tempo.

Equipe do site www.momento.com.br
inspirada em mensagem de autoria ignorada,
em frases do livro Momentos de Meditação, ed. LEAL,
e no cap. 178 do livro Minutos de Sabedoria, ed. Vozes.

Biblioteca Espirita...


Contribuindo para o enriquecimento cultural do visitante, disponibilizamos várias revistas espíritas, em uma retrospectiva do ano de 1997 até hoje(clique no link com o botão direito e escolha 'salvar destino como'):

Revista O Reformador abr/97(PDF)

Programas de Rádio...


Apresentaremos aqui alguns programas espíritas apresentados em rádio, em mp3, com uma programação que busca fornecer informações e esclarecimentos aos ouvintes. clique no link abaixo com o botão direito e escolha salvar como:
Fonte de Luz 19-08

Viva como as flores...



Conta uma antiga lenda que o discípulo, desgostoso com a obrigatória convivencia que precisava ter com as pessoas, arguiu apreensivo:

-Mestre, como faço para não me aborrecer?
Algumas pessoas falam demais, outras são ignorantes, outras fofoqueiras.
Algumas são indiferentes. Sinto ódio das que são mentirosas.
Sofro com as que caluniam.

- Pois viva como as flores!, advertiu o mestre.

- Como é viver como as flores? - Perguntou o discípulo.

- Repare nestas flores, continuou o mestre, apontando lírios que cresciam no jardim.
Elas nascem no esterco, entretanto são puras e perfumadas.
Extraem do adubo malcheiroso tudo que lhes é útil e saudável,
mas não permitem que o azedume da terra manche o frescor de suas pétalas.

É justo angustiar-se com as próprias culpas,
mas não é sábio permitir que os vícios dos outros o importunem.
Os defeitos deles são deles e não seus.Se não são seus, não há razão para aborrecimento.Exercite, pois, a virtude de rejeitar todo mal que vem de fora.

- Isso é viver como as flores!
(autor desconhecido)

"Examinem tudo, fiquem com o que é bom e evitem todo tipo de mal".
(1ª Carta de Paulo aos Tessalonicenses 5.21)


Comentários pessoais:
Não sei se serviu para vocês, mas para mim foi como uma luva.

As vezes estamos tão preocupados com o que os outros fazem, pensam, sentem ou simplesmente com o local onde estamos que esquecemos que o nosso desenvolvimento somente depende de nós mesmos.

Nós somos responsáveis por aproveitar ou estragar a nossa vida, o nosso dia, as nossas horas... Vivamos pois como as flores, que nascem na terra, mas crescem límpidas e brilhantes.

Somente nós podemos tomar as decisões que irão nos propiciar momentos de felicidade ou infelicidade, somente nós podemos ver as situações como PROBLEMAS ou como oportunidades, somente nós podemos aprender com as adversidades da vida e crescer com estas experiencias.


Cresçamos no Amor e na Compreensão, e deixaremos a terra suja para trás, alcançando com nossos próprios esforços o céu de pureza e bondade.

Muita Paz.

Exilados de Capela 2...


Exilados de Capela
(Segunda Parte)

Vamos prosseguir neste tópico com informações trazidas por Emmanuel em "A Caminho da Luz", obra psicografada por Francisco Cândido Xavier, a qual nos proporcionam uma rápida idéia de como e em que regiões do planeta foram organizados os exilados provenientes de Capela.

O Sistema de Capela


Nos mapas zodiacais, que os astrônomos terrestres compulsam em seus estudos, observa-se desenhada uma grande estrela na Constelação do Cocheiro, que recebeu, na Terra, o nome de Cabra ou Capela. Magnífico sol entre os astros que nos são mais vizinhos, Capela é uma estrela inúmeras vezes maior que o nosso Sol e, se este fosse colocado em seu lugar, mal seria percebido por nós, à vista desarmada.

Na abóbada celeste está situada no hemisfério boreal, limitada pelas constelações da Girafa, Perseu e Lince; e quanto ao Zodíaco, sua posição é entre Gêminis, Perseu e Tauro. Na sua trajetória pelo Infinito, faz-se acompanhar, igualmente, da sua família de mundos, cantando as glórias do Ilimitado. A sua luz gasta cerca de 42 anos para chegar à face da Terra, considerando-se, desse modo, a regular distância existente entre Capela e o nosso planeta, já que a luz percorre o espaço com a velocidade aproximada de 300.000 quilômetros por segundo.


Quase todos os mundos que lhe são dependentes já se purificaram física e moralmente, examinadas as condições de atraso moral da Terra, onde o homem se reconforta com as vísceras dos seus irmãos inferiores, como nas eras pré-históricas de sua existência, marcham uns contra os outros ao som de hinos guerreiros, desconhecendo os mais comezinhos princípios de fraternidade e pouco realizando em favor da extinção do egoísmo, da vaidade, do seu infeliz orgulho.

Um Mundo em Transições

Há muitos milênios, um dos orbes da Capela, que guarda muitas afinidades com o globo terrestre, atingira a culminância de um dos seus extraordinários ciclos evolutivos. As lutas finais de um longo aperfeiçoamento estavam delineadas, como ora acontece convosco, relativamente às transições esperadas no século XX, neste crepúsculo de civilização.

Alguns milhões de Espíritos rebeldes lá existiam, no caminho da evolução geral, dificultando a consolidação das penosas conquistas daqueles povos cheios de piedade e virtudes, mas uma ação de saneamento geral os alijaria daquela humanidade, que fizera jus à concórdia perpétua, para a edificação dos seus elevados trabalhos.

As grandes comunidades espirituais, diretoras do Cosmos, deliberam, então, localizar aquelas entidades, que se tornaram pertinazes no crime, aqui na Terra longínqua, onde aprenderiam a realizar, na dor e nos trabalhos penosos do seu ambiente, as grandes conquistas do coração e impulsionando, simultaneamente, o progresso dos seus irmãos inferiores.

Espíritos Exilados na Terra


Foi assim que Jesus recebeu, à luz do seu reino de amor e de justiça, aquela turba de seres sofredores e infelizes.

Com a sua palavra sábia e compassiva, exortou essas almas desventuradas à edificação da consciência pelo cumprimento dos deveres de solidariedade e de amor, no esforço regenerador de si mesmas. Mostrou-lhes os campos imensos de luta que se desdobravam na Terra, envolvendo-as no halo bendito da sua misericórdia e da sua caridade sem limites. Abençoou-lhes as lágrimas santificadoras, fazendo-lhes sentir os sagrados triunfos do futuro e prometendo-lhes a sua colaboração cotidiana e a sua vinda no porvir.

Aqueles seres angustiados e aflitos, que deixavam atrás de si todo um mundo de afetos, não obstante os seus corações empedernidos na prática do mal, seriam degredados na face obscura do planeta terrestre; andariam desprezados na noite dos milênios da saudade e da amargura; reencarnariam no seio de raças ignorantes e primitivas, a lembrarem o paraíso perdido nos sofrimentos distantes. Por muitos séculos não veriam a suave luz da Capela, mas trabalhariam na Terra acariciados por Jesus e confortados na sua imensa misericórdia.


(amanhã postaremos a terceira parte da matéria)

Biblioteca Espirita...


Contribuindo para o enriquecimento cultural do visitante, disponibilizamos alguns títulos completos para leitura(clique no link com o botão direito e escolha 'salvar destino como'):



Os exilados da Capela(PDF)

Músicas em MP3...


Semanalmente disponibilizaremos arquivos em MP3 de músicas espíritas para reflexão e divertimento... (clique no link abaixo com o botão direito do mouse e escolha salvar destino como):

Cantiga da Paz

A fascinação dos números...


O inesquecível personagem de Saint-Exupéry, o Pequeno Príncipe, trouxe
inúmeros pensamentos sábios ao mundo.
Uma de suas constatações nos diz que as pessoas grandes adoram números.
"Quando a gente fala de um novo amigo, elas nunca se interessam em saber
como ele realmente é." - afirma ele.
"Não perguntam: Qual é o som da sua voz? Quais são seus brinquedos
preferidos? Ele coleciona borboletas?
Mas sempre perguntam: Qual é a sua idade? Quantos irmãos ele tem? Quanto
pesa?Quanto o pai dele ganha?
Só então elas acham que o conhecem." - termina ele por dizer.


Exupéry nos convida a redescobrimos o que há de bom na infância, a
redescobrir a pureza, a essência das coisas e da vida.
E quando nos fala, de forma até inocente, sobre as pessoas e os números, nos
alerta para algo muito grave:
viciamo-nos em números.
Associamos o tempo sempre a números.
Esquecemos que os numerais atribuídos à medição do tempo são convenções, e
nos escravizamos a elas.
Muito tempo; pouco tempo; não vai dar tempo; tempo de sobra.
60 segundos; 60 minutos; 24 horas; 365 dias - são números que parecem nos
perseguir. Vivem em nossos sonhos, pesadelos e em nossas urgências maiores.


Esquecemos que o tempo é oportunidade, é sucessão de experiências e de
fatos, e que deve ser aproveitado ao máximo, tendo em vista nosso
crescimento espiritual.
15 anos de vida; 30 anos; quarentões; sessentões; terceira idade - são todos
rótulos que criamos no mundo, e que, na verdade, não correspondem à idade
verdadeira, à idade da alma.
A idade da alma está associada não ao tempo dos números, mas à disposição,
ao humor, ao ânimo, à coragem.
Encantamo-nos ao ver relatos de pessoas que depois dos 90 anos vão aprender
a ler, e dizem-se realizados, sentindo-se mais jovens do que nunca!
Não é força de expressão! Elas são jovens mesmo. A idade do corpo pode ser
disfarçada, maquiada. A da alma, nunca.
Como avaliar, julgar alguém, pelo número de dígitos em sua folha de
pagamento? Pelas roupas que pode comprar; pelas viagens que pode fazer; pelo
ano de seu automóvel?
Dizendo assim, parece absurdo, exagero, mas é a forma de muitos procederem
no que diz respeito aos números e aos julgamentos que fazemos.
Muitos têm números como objetivos: números na balança; números das loterias;
número de clientes; números de metas de vendas, etc.
Ainda não descobriram que o mundo verdadeiro não é feito de numerais, que os
objetivos maiores da vida, as aquisições de maior valor, nunca poderão ser
mensuradas desta forma.
É tempo de conhecer os outros e a nós mesmos pelo que somos, e não por tudo
aquilo que os números podem contar.
Números nunca poderão medir felicidade. Números nunca poderão mensurar
alegria. Nunca poderão ponderar o amor.

Mas se neste mundo ainda não pudermos escapar dos números, pensemos nestes:
Quantos sorrisos damos ao dia?
Há quanto tempo não dizemos que amamos alguém? Não este "Eu te amo" de
novela, mas aquele dito e sentido por todas as partes da alma.
Quantos segundos dura seu abraço?
Qual a data que você escolheu para abandonar um vício, para se libertar de
algo que o escraviza?
Quantos dias faltam para você começar a ser feliz?

Texto da Redação do Momento Espírita com base em citação da obra
O pequeno príncipe, do livro Felicidade, amor e amizade
a sabedoria de Antoine de Saint-Exupéry, ed. Sextante.

Montagens Espetaculares...

Divaldo Pereira Franco...


Esta semana apresentamos Divaldo Pereira Franco em entrevista concedida a um telejornal, em Salvador - BA.

Sua imagen não é das melhores, pois foi necessário diminuir a qualidade da imagem para que o arquivo não ficasse tão grande e carregasse mais rápido.Porém, temos certeza que o principal deste vídeo é a bela e profunda mensagem transmitida por este grande semeador de luz...



Não deixe de acompanhar os posts do blog, que semanalmente traz um novo vídeo espírita para apreciação e iluminação de todos nós.

Exilados de Capela...


Exilados de Capela
(Primeira Parte)


Dentre os vários contingentes de exilados trazidos para o planeta Terra, o caso
mais vivo em nossa memória espiritual, talvez por ter sido o mais recente, é o dos exilados provenientes do sistema de Capela.

Conforme nos relata Ramatis em "Mensagens do Astral", obra psicografada por Hercílio Maes, "...temos à disposição em nosso mundo, literatura mediúnica que cita muitos casos de espíritos expulsos de outros orbes para a Terra, em fases de seleção entre o "trigo e o joio" ou entre os "lobos e as ovelhas", fases essas pelas quais tereis em breve de passar, para higienização do vosso ambiente degradado.


Entre os muitos casos de exílio que vosso mundo tem acolhido, ocorreram
diversos casos isoladamente (em pequenos contingentes), e bem como emigrações em massa, como a proveniente do sistema de Capela, as quais constituíram no vosso mundo as civilizações dos chineses, hindus, hebraicos e egípcios, e ainda o tronco formativo dos árias. Esse o motivo por que, ao mesmo tempo em que floresciam civilizações faustosas e se revelavam elevados conhecimentos de ciência e arte, desenvolvidos pelos exilados, os espíritos originais da Terra mourejavam sob o primitivismo de tribos acanhadas.

Ombreando com o barro amassado, das cabanas rudimentares do homem
terrícola, foram-se erguendo palácios,
templos e túmulos faustosos, comprovando um conhecimento e poder evocado pelos exilados de outros planetas."


"No vosso mundo, esses enxotados de um paraíso planetário constituíram o tronco dos árias, descendendo dele os celtas, latinos, gregos e alguns ramos eslavos e germânicos; outros formaram a civilização épica dos hindus, predominando o gênero de castas que identificava a soberbia e o orgulho de um tipo psicológico exilado. As mentalidades mais avançadas constituíram a civilização egípcia, retratando na pedra viva a sua "Bíblia" suntuosa, enquanto a safra dos remanescentes, inquietos, indolentes e egocêntricos, no orbe original, fixou-se na Terra na figura do povo de Israel.

Certa parte desses exilados propendeu para os primórdios da civilização chinesa, onde retrataram os exóticos costumes das corporações frias, impiedosas e impassivas do astral inferior, muito conhecidas como os "dragões" e as "serpentes vermelhas".


Segundo Edgar Armond na obra "Os Exilados da Capela", "esta humanidade atual foi constituída, em seus primórdios, por duas categorias de homens, a saber: uma retardada, que veio evoluindo lentamente através das formas rudimentares da vida terrena, pela seleção natural das espécies, ascendendo trabalhosamente da inconsciência para o Instinto e deste para a Razão; homens, vamos dizer autóctones, componentes das raças primitivas das quais os "primatas" foram o tipo anterior melhor definido; e outra categoria, composta de seres exilados da Capela, o belo orbe da constelação do Cocheiro a que já nos referimos, outro dos inumeráveis sistemas planetários que formam a portentosa, inconcebível e infinita criação universal."

"Esses milhões de ádvenas para aqui transferidos, eram detentores de conhecimentos mais amplos, e de entendimento mais dilatado, em relação aos habitantes da Terra e foi o elemento novo que arrastou a humanidade animalizada daqueles tempos para novos campos de atividade construtiva, para o aconchego da vida social e, sobretudo, deu-lhe as primeiras noções de espiritualidade e do conhecimento de uma divindade criadora."


"Essa permuta de populações entre orbes afins de um mesmo sistema sideral, e mesmo de sistemas diferentes, ocorre periodicamente, sucedendo sempre a expurgos de caráter seletivo; como também é fenômeno que se enquadra nas leis gerais da justiça e da sabedoria divinas, porque vem permitir reajustamentos oportunos, retomadas de equilíbrio, harmonia e continuidade de avanços evolutivos para as comunidades de espíritos habitantes dos diferentes mundos."

"Por outro lado é a misericórdia divina que se manifesta, possibilitando a reciprocidade do auxílio, a permuta de ajuda e de conforto, o exercício enfim, da fraternidade para todos os seres da criação. Os escolhidos, neste caso, foram os habitantes de Capela que deviam ser dali expurgados por terem se tornado incompatíveis com os altos padrões de vida moral já atingidos pela evoluída humanidade daquele orbe."

"Mestres, condutores e líderes que então se tornaram das tribos primitivas, foram eles, os exilados, que definiram os novos rumos que a civilização tomou, conquanto sem completo êxito."

(amanhã postaremos a segunda parte da matéria)

Emmanuel conosco...


REPAREMOS NOSSAS MÃOS
". . . Mostrou-lhes as suas mãos. . " - (JOÃO, 20:20.)

Reaparecendo aos discípulos, depois da morte, eis que Jesus, ao se
identificar, lhes deixa ver o corpo ferido, mostrando-lhes destacadamente
as mãos. . . As mãos que haviam restituído a visão aos cegos, levantando
paralíticos, curado enfermos e abençoado velhinhos e crianças, traziam as
marcas do sacrifício,transpassadas pelos cravos da cruz, lembravam-lhe a
suprema renúncia.


As mãos do Divino Trabalhador não recolheram do mundo apenas calos do
esforço intensivo na charrua do bem. Receberam feridas sanguinolentas e
dolorosas . . . O ensinamento recorda-nos a atividade das mãos em todos os
recantos do Globo.

O coração inspira.

O cérebro pensa.

As mãos realizam.

Em toda a parte, agita-se a vida humana pelas mãos que comandam e obedecem.
Mãos que dirigem, que constroem, que semeiam, que afagam, que ajudam e que
ensinam . . . E mãos que matam, que ferem, que apedrejam, que batem, que
incendeiam, que amaldiçoam . . .

Todos possuímos nas mãos antenas vivas por onde se nos exterioriza a vida
espiritual. Reflete, pois, sobre o que fazes, cada dia. Não olvides que,
além da morte, nossas mãos exibem os sinais de nossa passagem pela Terra.


As do Cristo, o Eterno Benfeitor, revelavam as chagas obtidas na divina
lavoura do amor. As tuas, amanhã, igualmente falarão de ti, no mundo
espiritual, onde, interrompida a experiência terrestre, cada criatura
arrecada as bênçãos ou as lições da vida, de acordo com as próprias obras.

Emmanuel
Livro: Fonte Viva - Psicografia de Chico Xavier

Frases do Chico...



Não posso julgar os companheiros que sintam receio da mediunidade, porque a minha mediunidade realmente começou muito cedo, eu não tive oportunidade de sentir medo, isso para mim começou em criança em minha vida, e passou a fazer parte de minha existência atual.

---

Eu penso com aquela assertiva do nosso André Luiz, que é um mentor que nós respeitamos, se cada um de nós consertar de dentro o que está desajustado, por fora tudo estará certo.

Biblioteca Espirita...


Contribuindo para o enriquecimento cultural do visitante, disponibilizamos alguns títulos completos para leitura(clique no link com o botão direito e escolha 'salvar destino como'):

Jesus no Lar(PDF)

Músicas em MP3...


Semanalmente disponibilizaremos arquivos em MP3 de músicas espíritas para reflexão e divertimento... (clique no link abaixo com o botão direito do mouse e escolha salvar destino como):

Anjo da Guarda Blues

Para Reflexão...


Queria ser médium


Ele queria ser médium...

Pôs-se então a procurar o que fosse melhor, em companhia e lugar.

Exigia equipe culta,queria um grupo, a preceito, em que o trabalho, de pronto surgisse claro e perfeito.

E começou a jornada para a exata descoberta, andou, suou, pesquisou...

Aqui, notava ciúme, ironia e desapreço.

Ali encontrava um médium, que conhecera na praça, com quem a tempos bebera, muitos copos de cachaça.

Além, vira um conhecido, que tivera luta feia...fora rapaz de mão grande, com passagem na cadeia.

Mais além, ouvia queixas, e lindas notas em vão, orgulho rixa, revolta, barulho e condenação.



Certa noite, repousou, cansado de insegurança, estava desanimado, perdera toda a esperança.

Mas, desligado do corpo, no mesmo quarto em que estava notou-se a frente de um guia: O mentor que mais amava...

Ah! Meu guia... ele clamou

-Trago a mente em desalinho, quero servir a JESUS, mas não encontro o caminho...

Que fazer amigo amado? Por onde a luta me leva?

Qualquer grupo que visito, demonstra sinais de treva!...

O Guia disse, bondoso, depois de estender-lhes as mãos:

-Filho, recorda!... Jesus não veio curar os sãos.,

Cala-te e volta ao serviço, de coração satisfeito;

Quem segue o Divino Mestre não vê mancha, nem defeito,

Só queres irmãos, no mundo, sem o mínimo labéu!...

Isso é no grupo dos anjos, e os anjos moram no céu.

Jarí Presente (espírito)
Psicografia de Chico Xavier.

Comentários Pessoais...


Recentemente tenho pessoalmente sentido a necessidade de trabalhar com pessoas carentes. Não carentes de posses materiais, mas carentes de atenção, cuidados, amizade, amparo, etc.

Hoje pela manhã recebí um email que serviu como mais um estímulo para isso. Parece que foi feito pra mim; e embora eu saiba que não foi, ajudou a fortificar ainda mais a minha decisão.

Estou aceitando voluntários, alguém se habilita?


CAPÍTULO 28
VISITE os pobres e enfermos.

Pelo menos uma vez por semana dedique algumas horas a consolar um coração aflito.

O consolo que você levar, mesmo com sacrifício de sua parte, é a garantia de que está cumprindo um dever de cristão e de homem.

Não espere que o procurem, para agir fraternalmente, amparando os fracos e confortando os tristes.

Nem pense que você está dando mais do que recebe: quem consola um coração triste, na realidade recebe muito mais do que dá.


Carlos Torres Pastorino
Minutos de Sabedoria. 39. ed. Petrópolis,RJ

Palestras Espíritas...


Semanalmente apresentaremos uma palestra espirita em mp3 para livre cópia, cada uma com oradores diferentes e temas variados. Clique no link abaixo com o botão direito e escolha "salvar destino como":


O Homem velho      X      o Homem novo

Mensagens em animação...


Arquivos do Power Point contendo mensagens sobre os mais diversos temas... (clique no link abaixo com o botão direito do mouse e escolha salvar destino como):

Urgente

Emmanuel conosco...


PROTEÇÃO DE DEUS


Clamamos pela proteção de Deus, mas, não raro, admitimos que semelhante
cobertura aparece nos dias de caminho claro e céu azul.

O Amparo Divino, porém, nos envolve e rodeia, em todos os climas da
existência. Urge reconhecê-los nos lances mais adversos.

Às vezes, o auxílio do Todo Misericordioso tão-somente se exprime através
das doenças de longo curso ou das dificuldades materiais de extensa
duração, preservando-nos contra quedas espirituais em viciação ou loucura.

Noutros ângulos da experiência, manifesta-se pela cassação de certas
oportunidades de serviço ou pela supressão de regalias determinadas que
estejam funcionando para nós à feição de corredores para a morte
prematura.

Proteção de Deus, por isso mesmo, é também o sonho que não se realiza, a
esperança adiada, o ideal insatisfeito, a prova repentina ou o transe
aflitivo que nos colhe de assalto.


Encontra-se no amor de nossos companheiros, na assistência de benfeitores
abnegados, na dedicação dos amigos ou no caminho dos familiares, mas
igualmente na crítica dos adversários, no tempo de solidão, na separação
dos entes queridos ou nos dias cinzentos de angústia em que nuvens de
lágrimas se nos represam nos olhos.

Isso ocorre porque a vida é aprimoramento incessante, até o dia da
perfeição, e todos nós com freqüência necessitamos do martelo do sofrimento
e do esmeril do obstáculo para que se nos despoje o espírito dos
envoltórios inferiores.


Pensa nisso e toda vez que te sacrifiques ou lutes, de consciência
tranqüila, ou toda vez que te aflijas e chores, sem a sombra da culpa,
regozija-te e espera o melhor, porque a dor, tanto quanto a alegria, são
recursos da proteção de Deus, impulsionando-te o coração para a luz das
bênçãos eternas.

Emmanuel
Francisco Cândido Xavier - Livro: Rumo Certo

Biblioteca Espirita...


Contribuindo para o enriquecimento cultural do visitante, disponibilizamos várias revistas espíritas, em uma retrospectiva do ano de 1997 até hoje(clique no link com o botão direito e escolha 'salvar destino como'):

Revista O Reformador mar/97(PDF)

Programas de Rádio...


Apresentaremos aqui alguns programas espíritas apresentados em rádio, em mp3, com uma programação que busca fornecer informações e esclarecimentos aos ouvintes. clique no link abaixo com o botão direito e escolha salvar como:
Fonte de Luz 12-08

Câmeras de Vigilância Interna...


Cada vez mais o mundo externo está sendo vigiado.
São sistemas de vigilância nos estabelecimentos comerciais e residenciais;
são câmeras que apontam para vários lugares públicos, ruas, estradas.
Com a facilidade e popularização da tecnologia, muitos têm acesso fácil a
uma filmadora, uma web-cam, uma máquina fotográfica digital.
Nunca o mundo exterior foi tão documentado, acompanhado, espreitado de
perto.


Acompanhamos diariamente todos os acontecimentos no mundo através de imagens
reais, cinegrafistas amadores, telefones celulares que registram tudo.
Nada mais escapa. Principalmente, é claro, as desgraças, as fofocas, as
notícias sensacionalistas. isto é: tudo aquilo que "vende".
Somos a geração do "espiar a vida dos outros", em reality shows que expõem a
vida íntima das pessoas - e que, obviamente, são pagos para se expor.
A geração que tem as pessoas, o mundo e seus acontecimentos nas mãos, mas
que se esqueceu de si mesma.
Há plena vigilância externa, e escassez de observação interior.
A tecnologia não tem culpa alguma. A mídia, em si, não tem responsabilidade
alguma.
Quem opera e direciona o uso da tecnologia é o homem. Quem alimenta as
mídias é a própria população.
Vê-se claramente assim, que tudo isso é apenas uma manifestação moderna,
de condutas viciosas antigas do ser humano.
Muito mais fácil e confortável observar as janelas do vizinho, do que ter
que enfrentar um espelho.


Muito mais simples se envolver nos problemas alheios, que não nos dizem
respeito, do que facear as tribulações domésticas, as dúvidas íntimas, as
procuras e dificuldades da alma.
Fuga. Eis mais uma das maneiras que encontramos de fugir de nós mesmos, de
escapar de nossos verdadeiros objetivos, de nossos embates prioritários.
A natureza e as leis da vida são, porém, implacáveis e respondem
imediatamente.
Nenhuma ação humana, individual ou coletiva, fica sem resposta ou sem
conseqüências a serem provadas.
Assim, já podemos verificar os efeitos disso em diferentes esferas da vida
social, mas principalmente na intimidade do Espírito encarnado na Terra.
Vazio existencial, depressão, fobias, desestruturação fisiológica, e um sem
número de distúrbios outros que convencionamos chamar de "psicológicos".
É a resposta da natureza para os excessos, de um lado, e para a falta de
cuidado consigo mesmo, de outro lado.
Ao invés de nos ocuparmos tanto com a vida dos outros, com a vigilância do
mundo, deveríamos investir nossas energias na observância interna.
Instalar câmeras de vigilância, de observação, de monitoramento interior,
cuidando de nossos pensamentos, de nossas ações, de nossos próprios passos.
É a proposta antiqüíssima de autoconhecer-se, de notar os sentimentos, de
onde eles vêm, quando e por que os temos.
É a higiene da alma, que nos proporciona acompanhar nosso crescimento de
perto, que nos faculta traçar objetivos espirituais e ter condições de
monitorá-los, de segui-los com proximidade.
Imaginemos que possamos ter câmeras que filmam nossas ações e que nos
proporcionam poder voltar a vê-las mais tarde, na posição de espectador
atencioso e desejoso de se conhecer melhor.
Filmadoras internas da consciência, que registram, sem cortes, todas as
cenas vividas em cada dia.
E que depois nos mostram o que podemos melhorar, o que fizemos de certo
e de errado.
Instalemos câmeras de vigilância interna!


"E os homens se vão a contemplar os topos das montanhas,
as vastas ondas do mar,
as amplas correntes dos rios,
a imensidão do oceano,
o curso dos astros,
e não pensam em si mesmos..."

Texto da Redação do Momento Espírita
com base no cap. X, item 8 do livro Confissões,
de Santo Agostinho, ed. Vozes.

Emmanuel conosco...


NA HORA DA CRISE


Na hora da crise, emudece os lábios e ouve as vozes que falam, inarticuladas, no imo de ti mesmo.
Perceberás, distintamente, o conflito.
É o passado que teima em ficar e o presente que anseia pelo futuro.
É o cárcere e a libertação.
A sombra e a luz.
A dívida e a esperança.
É o que foi e o que deve ser.
Na essência, é o mundo e o Cristo no coração.

Grita o mundo pelo verbo dos amigos e dos adversários, na Terra e além da Terra.
Adverte o Cristo, através da responsabilidade que nos vibra na consciência.
Diz o mundo: "acomoda-te como puderes".
Pede o Cristo: "levanta-te e anda".
Diz o mundo: "faze o que desejas".
Pede o Cristo: "não peques mais".
Diz o mundo: "destrói os opositores".
Pede o Cristo: "ama os teus inimigos".
Diz o mundo: "renega os que te incomodem".
Pede o Cristo: "ao que te exija mil passos, caminha com ele dois mil".
Diz o mundo: "apega-te à posse".
Pede o Cristo: “ao que te rogue a túnica cede também a capa”.
Diz o mundo: "fere a quem te fere".
Pede o Cristo: "perdoa sempre".
Diz o mundo: "descansa e goza".
Pede o Cristo: "avança enquanto tens luz".
Diz o mundo: "censura como quiseres".
Pede o Cristo: "não condenes".
Diz o mundo: "não repares os meios para alcançar os fins".
Diz o Cristo: "serás medido pela medida que aplicares aos outros".
Diz o mundo: "aborrece os que te aborreçam".
Pede o Cristo: "ora pelos que te perseguem e caluniam".
Diz o mundo: "acumula ouro e poder para que te faças temido".
Diz o Cristo: "provavelmente nesta noite pedirão tua alma e o que amontoaste para quem será?"

Obsessão é também problema de sintonia.
O ouvido que escuta reflete a boca que fala.
O olho que algo vê assemelha-se, de algum modo, à coisa vista.
Não precisas, assim, sofrer longas hesitações nas horas de tempestade.
Se realmente procuras caminho justo, ouçamos o Cristo, e a palavra dele, por bússola infalível, traçar-nos-á rumo certo.


EMMANUEL
(Religião dos Espíritos, 70, FCXavier, FEB)
Reunião pública de 5/10/59 - Questão nº 466

Músicas em MP3...


Semanalmente disponibilizaremos arquivos em MP3 de músicas espíritas para reflexão e divertimento... (clique no link abaixo com o botão direito do mouse e escolha salvar destino como):

Ajuda-te que o céu te ajudará

Biblioteca Espirita...


Contribuindo para o enriquecimento cultural do visitante, disponibilizamos alguns títulos completos para leitura(clique no link com o botão direito e escolha 'salvar destino como'):

Caminho, Verdade e Vida(PDF)

Montagens Espetaculares...

Divaldo Pereira Franco...


Esta semana apresentamos Divaldo Pereira Franco em palestra pública realizada em um evento de divulgação a PAZ em Salvador - BA.

Sua imagen não é das melhores, pois foi necessário diminuir a qualidade da imagem para que o arquivo não ficasse tão grande e carregasse mais rápido.Porém, temos certeza que o principal deste vídeo é a bela e profunda mensagem transmitida por este grande semeador de luz...



Não deixe de acompanhar os posts do blog, que semanalmente traz um novo vídeo para apreciação e iluminação de todos nós.

Palavras de Joanna de Ângelis...


E Allan Kardec, o Mensageiro do Consolador, acurou meditações e laborou infatigável até o momento de fazer rutilar as gemas preciosas da Doutrina Espírita, que depositou na cabeça da Humanidade como coroa de jóias coruscantes e invulgares...

Galga, servidor do Cristo, a montanha das dificuldades ou das pelejas e ora demoradamente no planalto da fé, até que os corifeus da verdade te clarifiquem a alma, impulsionando-te à descida para a luta de todos os dias, em sintonia permanente com Deus.

Transpõe os óbices para ouvir e desce aos abismos para ensinar.

No alto, comungas com Deus; embaixo, dá-te em comunhão com os homens.

Para manter a perfeita sintonia com o Pai, Jesus desceu das regiões luminescentes da Vida Transcendente, para traçar uma rota salpicada de estrelas, por onde deveria deambular a Humanidade dos séculos futuros. No entanto, não encontrou quem O amasse. O ósculo que recebeu foi insidioso e de traição, as mãos dos que lhe receberam ternura estrugiram-lhe na face, fechadas, pela grosseria do soldado que O esbordoou, e o triunfo que a Terra Lhe deu foi situá-lo acima do solo, na cruz do flagício, que, todavia, se transformou desde então em luminosa seta apontando a estrada da redenção para os que aspiram à plenitude da paz.


Pelo Espírito Joanna de Ângelis, em "Lampadário Espírita",
psicografado por Divaldo P. Franco, Editora FEB.

Frases do Chico...




Isso também passa

Numa de suas visitas ao Chico Xavier, um companheiro observou, afixado acima da cabeceira da cama do médium, um pequeno papel com os dizeres "Isso também passa".

Chico explicou: "Em minhas preces costumeiras sempre declarava a Emmanuel que gostaria de receber um lembrete que pudesse me ajudar nas lutas, e servisse de estímulo todas as vezes que eu o lesse.

O generoso Espírito Maria enviou-me esta frase. Será bom para mim, quando estiver com problemas e dificuldades, ela me ajudará... Mas também quando estiver alegre, sorridente e muito feliz também devo lê-la.

Aí terei mais moderação..."

Notas Espirituais
Agenda Renascer 2001 - Editora EME

Emmanuel conosco...


TEMPO E SERVIÇO

Terminando as tarefas de cada dia, podes, perfeitamente, efetuar o balanço das próprias horas.

Tempo de higiene...
Conheceste os mais finos produtos da assepsia necessária ao teu conforto.

Tempo de lanche...
Conheceste o café mais saboroso ou o leite mais puro.

Tempo de dever...
Conheceste os melhores cálculos e as técnicas mais justas, valorizando o próprio interesse ou mecanizando as próprias atividades.

Tempo de refeição...
Conheceste os pratos mais agradáveis ao paladar.

Tempo de conversa...
Conheceste pessoas e problemas, assuntos e comentários, convites e propostas que, ainda agora, te batem mentalmente às portas do espírito.

Tempo de distração...
Conheceste passeios e entretenimentos diversos.

Tempo de leitura...
Conheceste noticiários e livros, escolhendo reportagens e autores que mais te alimentem as emoções.

Tempo de repouso...
Conheceste os mais adequados processos de descansar, preferindo leitos ou poltronas, redes generosas ou bancos acolhedores ao ar livre.


Conheceste, assim, algo de tudo o que representa conforto e segurança, rotina e convenção no caminho diário.
Entretanto, fazendo o inventário de teus impulsos e palavras, movimentos e ações, recorda que a Lei Divina te conhece igualmente...

Não por teu nome, nem pelo espaço que ocupas.

Não por teu título, nem pelos direitos que te competem.

Não por tua crença religiosa, nem pelo consolo que ela te dá.

Não pela extensão dos teus dias, nem por teu grupo doméstico.

Na Esfera Superior és visto pelo que fazes.

O auxílio que prestas ao bem dos outros é nota de crédito em tua ficha.

E como a Divina Bondade te deixa livre para fazer o bem como queiras, onde queiras e quando queiras, depende de ti limitar o repouso, olvidar o que seja inútil e evitar o que prejudica, a fim de atenderes, em regime de ação constante, ao serviço do bem, e seres assim mais amplamente conhecido e naturalmente credenciado diante da Lei de Deus.

EMMANUEL
psicografia de Francisco Cândido Xavier
na Reunião pública de 21/12/59
Questão nº 683

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...