As pedras falarão...


Os seguidores do Cristo, que buscam compreender Seus ditos, nem sempre
conseguem entender, de pronto, a idéia que se oculta por trás das letras.
Um exemplo disso é quando Jesus fala aos fariseus que, se os Seus discípulos
se calassem, as pedras falariam.
Ora, como entender que as pedras pudessem falar, sendo objetos inanimados?
É imperioso extrair o espírito da letra para que possamos compreender tal
assertiva.


Considerando-se que, naquele tempo, os mortos eram sepultados em buracos
cavados nas rochas e, entendendo que Jesus se referiu às pedras como
túmulos, fica mais fácil o entendimento.
Mas se as pedras não podem falar, tampouco os túmulos falariam.
Se ponderarmos que Jesus se referia aos mortos, então penetraremos o
verdadeiro sentido das Suas palavras.
Se os discípulos se calassem, os Espíritos falariam. Como de fato falaram e
falam até hoje.
Em todos os tempos e nas mais variadas religiões, a História registrou a
manifestação dos Espíritos a se comunicarem com os homens.
Eles têm buscado mostrar-se de muitas maneiras. Desde uma simples aparição
até às interferências mais ostensivas.
Tais comunicações são sempre interpretadas segundo a crença a que pertença
aquele que as percebe. Mas seja como for, sempre há uma manifestação de
além-túmulo.
São os Espíritos dos homens que já morreram, que voltam a se comunicar com
os ditos vivos.
Não é outro o motivo pelo qual há, hoje, espalhados pelo Mundo, muitos
santuários construídos onde alguém, algum dia, viu uma dessas aparições.
Algumas pessoas acreditam que somente os santos ou o Espírito Santo pode se
manifestar, mas não são poucos os casos de aparições menos agradáveis. É
que, tanto os bons quanto os Espíritos infelizes se comunicam, de alguma
forma, conosco.
No caso desses últimos, não se constroem santuários onde eles foram vistos.
Diz-se que são lugares assombrados.
A realidade é que os ditos mortos se comunicam conosco. Seja para orientar,
para perturbar ou para buscar socorro.
Hitler os ouvia a tal ponto, que passava noites sem dormir por causa das
vozes perturbadoras.
Francisco de Assis ouviu uma voz que lhe falou da missão que lhe competia.
Joana d'Arc ouvia as vozes do Além, a orientá-la nas decisões que deveria
tomar.
Sócrates, o grande filósofo grego, ouvia vozes inaudíveis aos demais, que o
acompanhavam sempre.
Tanto o Antigo como o Novo Testamento estão repletos de manifestações de
Espíritos, que se comunicaram em diversas ocasiões. São os chamados anjos
que foram registrados em vários momentos da Bíblia.
Se verificarmos a História da Humanidade, constataremos que em todos os
tempos foram registradas as comunicações de além-túmulo.
E, nos dias de hoje, não poderia ser diferente. As pedras ou os ditos
mortos, continuam a falar conforme a afirmativa do Cristo aos fariseus.


Você sabia?

...que, se elevamos o pensamento ao santo de nossa devoção estamos buscando
a comunicação com almas do além-túmulo?
É que os santos são homens e mulheres que viveram na Terra e, de alguma
forma, ajudaram as pessoas que hoje os buscam em oração.
E você sabia que se estiver ao seu alcance, os santos ou Espíritos
Superiores, sempre buscam atender as preces que lhes são dirigidas?

Redação do Momento Espírita com base no cap. 19, versículo 40 de
O evangelho segundo Lucas.

2 comentários:

Clóvis Martins Soares disse...

É impressionante como vcs conseguem distorcer a seu bel prazer as escrituras. Quando se fala as pedras falarão, é que no tempo em que o descredito tomar conta, as pedras falarão e darão evidencias de que o escrito é verdadeiro. Como descobreta recente das muralhas de Salõmão, tido pelo intectuais como um mito, uma lenda.

vbjoao2@gmail.com disse...

Prezado Amigo, bom doa.

Certamente esta é mais uma das possíveis interpretações das Palavras do Mestre Jesus; de minha parte nunca havia pensado nesta hiopótese "arqueológica" e achei bastante interessante.

É mais um ponto para nosso estudo e referência futura.

Paz contigo

João

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...