Cheiro dos espíritos - Perguntas dos amigos...


Queridos amigos, bom dia.

Recebemos através do nosso formulário "Entre em contato" uma mensagem de uma amiga que nos escreve:
"...Boa tarde!
Gostaria de saber se a pessoa apos,ter ido para outro plano elas vem nós visitar e se é possivél de sentimos o cheiro dela..."


Ao que respondi conforme abaixo:

"Prezada ___________, boa tarde.

É certo que os nossos afetos, e também os desafetos, quando desencarnados podem vir nos visitar em nossos lares e ambientes profissionais. Este processo é analizado por Kardec longamente em "O livro dos espíritos" e podemos ter alguns esclarecimentos nas questões 488, 507, 508 e 512; entre outras.

Cada Espírito quando livre do corpo pode caminhar por caminhos que sejam a ele permitidos pela lei de sintonia; então muitos de nós retornamos aos lares por amor, ciúme, medo ou coisas assim. O espírito André Luiz nos relata muitas experiencias em seus livros, inclusive a dele próprio, que mostram desde o mal que o espírito queira praticar até o bem que podemos receber dos que nos são simpáticos.

Quanto a sua segunda pergunta, sobre podermos sentir o cheiro dos espíritos, Allan Kardec em o livro dos médiuns esclarece esta possibilidade no ítem 138, o qual descrevo abaixo:

"138. São variadíssimos os meios de comunicação. Atuando sobre os nossos órgãos e sobre todos os nossos sentidos, podem os Espíritos manifestar-se à nossa visão, por meio das aparições; ao nosso tato, por impressões tangíveis, visíveis ou ocultas; à audição pelos ruídos; ao olfato por meio de odores sem causa conhecida. Este último modo de manifestação, se bem muito real, é, incontestavelmente, o mais incerto, pelas múltiplas causas que podem induzir em erro. Daí o nos não demorarmos em tratar dele. O que devemos examinar com cuidado são os diversos meios de se obterem comunicações, isto é, uma permuta"

Ou seja: ele afirma que é possível os espíritos produzirem odores sim!

Eu, partcularmente, já presenciei em sala mediúnica fatos como um odor ser produzido para todos sentirem, outros onde apenas poucas pessoas sentiam um cheiro bem forte. Estes odores vão depender os espíritos que estejam ao nosso redor, podem variar de cheiros desagradáveis até os melhores perfumes de flores. Atualmente dá-se a este tipo de sensibilidade o nome "mediunidade odorífera" e, como toda mediunidade, não está desperta em todos.

Certamente é possível que alguém que já tenha partido possa visitar-nos e que, caso tenhamos o merecimento, possamos sentir seu cheiro ou seu toque.

Espero poder ter sido de alguma ajuda.

Paz contigo."

Desastres e Catástrofes - Perguntas dos amigos...


Queridos amigos, bom dia.

Recebemos através do nosso formulário "Entre em contato" uma mensagem de um amig que nos escreve:
"...Caro João Batista, muita paz.
Gostaria de traçar alguns comentários a respeito deste teu escrito (Muitos destes espíritos que estão desencarnando hoje haviam passado vários anos em locais de maldade e sofrimento nas zonas espirituais inferiores e estão por graça divina recebendo uma última oportunidade de se "regenerarem" aqui na terra, para que "se quiserem" não necessitem ser retirados da psicosfera da Terra, e por seu próprio esforço e merecimento permaneçam entre os que ficarem.)
Li que uma filha de uma mulher vítima do avião da TAM, havia processada uma Escritora espírita, por ter dido em seu livro que as vítimas do avião, aquele que saiu da pista e chocou-se com um prédio, que elas pagaram por um mal praticado na Roma Antiga. Pelo que li abaixo pude perceber que os desercarnes coletivos são um especie de renovação de uma região para fins evolutivo, o resto são só expeculações.
No caso do Haiti, aquela "tragédia", vista aos nossos olhos, são apenas uma renovação, vão chegar espíritos mais comprometidos e, é isso que eu pude perceber.
João, quando falamos em última oportunidade de ficar na Terra, isso dar a ideia que só existe a Terra com mundo de provas e expiações. Essas migrações e emigrações não são processo natural e de programa reencarnatório, não? Se o corpo não vale tanto como pensamos, morre não é um castigo, pelo menos, não para os que partem e sim para os que ficam. Pude, também, perceber que as tragédias, mostram aos homens as suas inferioridades diante de Deus. Afastando D'eles a propotência e o orgulho e etc em uma nova existência.
Amigo, desculpe essa seu amigo questionador e se puder, comente.
Um forte abraço...."


Ao qual respondemos abaixo:

"Olá ________________.

É sempre uma alegria trocar idéias com você. E é sempre bom questionarmos e buscarmos a razão por tras de tudo; afinal, é isso que nos ensina a nossa Doutrina, náo é? Não aceitar os mistérios e os dogmas, mas buscar as causas que geraram os efeitos que vemos hoje.

Vou separar em algumas partes a sua questão para ficar melhor detalhada, ok?

1) Li que uma filha de uma mulher vítima do avião da TAM, havia processada uma Escritora espírita, por ter dido em seu livro que as vítimas do avião, aquele que saiu da pista e chocou-se com um prédio, que elas pagaram por um mal praticado na Roma Antiga. Pelo que li abaixo pude perceber que os desercarnes coletivos são um especie de renovação de uma região para fins evolutivo, o resto são só expeculações.
- Todo desencarne é uma renovação. Quer seja renovação para os compromissos e programações dos espíritos endividados que desencarnam e se libertam de uma parte de seu passado ou da região espiritual/física através de modificações na psicosfera ou nas confições físicas. Porém é necessário lembrar que "deus nada faz de inútil" e que a espiritualidade aproveita as oportunidades para realizar as influencias necessárias ao bom cumprimento das necessidades de todos nós. Kardec nos esclarece bem nas questões 525 a 529 e 536 (a e b) do LE.

Desta forma quando exsite a necessidade (por programação, expiação ou libertação) de um desencarne de várias pessoas a espiritualidade toma a liberdade de influenciar/orientar os que necessitam para determinado local onde ocorrerá um fato que possibilitará o desencarne. Assim teremos em um local diversas pessoas que executaram erros no passado juntos ou diversas pessoas que cometeram o mesmo tipo de erro no passado e necessitam expiar daquela forma (mesmo que não tenham sido cumplices) ou ainda diversas pessoas que necessitam por motivos de programação espiritual desencarnar daquela forma (muitas vezes até por solicitação do próprio espírito) ou, muitas vezes, todos estes motivos e ainda mais que desconhecemos juntos em um evento cataclísmico.

No livro "cartas e crônicas", no capítulo 6, o espírito Humberto de Campos nos dá uma aula sobre isso. Vale a pena ler.

2)No caso do Haiti, aquela "tragédia", vista aos nossos olhos, são apenas uma renovação, vão chegar espíritos mais comprometidos e, é isso que eu pude perceber.
- A tragédia no Haiti nos leva a considerar alguns motivos, embasados no conhecimento espírita da questão, entre eles:
* A necessidade do desencarne de espíritos que já haviam cumprido sua programação para esta encarnação
* A necessidade do desencarne de espíritos que serão afastados da terra para outro orbe
* A necessidade de reconstrução moral e física para os que ficam e permanecem como uma sociedade
* A necessidade de gerar vibrações positivas para aqueles que partem e para os que ficam, quer seja em orações ou em auxílio físico
* A oportunidade de nós(o resto do mundo), que não estamos envolvidos diretamente, encontrarmos algum meio de auxiliar - exemplificando assim a caridade moral e a caridade material
* A próvável expiação de uma raça, referente a erros do passado sendo ressarcidos hoje.
* A oportunidade da população se renovar, dando espaço para novos e melhores espíritos encarnarem e se destacarem como líderes e seguidores mais sintonizados com a nova psicosfera terrestre; entre outros.

3)quando falamos em última oportunidade de ficar na Terra, isso dar a ideia que só existe a Terra com mundo de provas e expiações. Essas migrações e emigrações não são processo natural e de programa reencarnatório, não?- Certamente estas revoluções fazem parte de um programa universal e a terra é apenas mais um mundo onde acontece neste momento a oportunidade de expiações e provas pelo universo. É necessário entender que estes espíritos que são exilados da terra não irão para outros mundos como castigo; eles irão - certamente - para mundos compatíveis com a Terra, em estado de expiações e provas, para que possam alí continuarem o seu caminho evolutivo. Quando me refiro a "última oportunidade" não quero colocar isto como castigo, mas como uma chance de continuar na terra e aproveitar o estado e as oportunidades que um mundo de regeneração oferece para os que permanecerem nele. Vale a pena ler o ESE, Capítulo 3, pontos 3 a 19, para compeendermos melhor.

4) Se o corpo não vale tanto como pensamos, morrer não é um castigo, pelo menos, não para os que partem e sim para os que ficam.
Allan Kardec por diversas vezes na Codificação nos esclarece que a situação do espírito encarnado é a do pássaro preso na gaiola ou a do prisioneiro em cela opressiva. Sempre que ocorre o desencarne é a libertação do espírito para que possa seguir em frente com suas necessidades evolutivas. mesmo que o espírito passe algum tempo em zonas espirituais de sofrimento já é um avanço, pois sabemos que tão logo seja possível será resgatado e orientado, retornando ao mundo original - o do espírito.

Nós, humanos encarnados, é que, devido ao nosso apego às sensações e prazeres do corpo e ao instinto de sobrevivência (LE 730) que nos orienta a ficarmos encarnados, procuramos evitar a morte do corpo físico a todo custo. Ainda não compreendemos que o corpo é apenas uma ferramenta para que possamos através da experiência física evoluir espiritualmente.

Assim, os que partem já cumpriram parte de sua tarefa, os que ficam ainda necessitam continuar; mas ambos os lados da vida nos dão oportunidades de crescermos e aprendermos sempre. Devemos agradecer a Deus por todas estas oportunidades e suas importancias, onde quer que estejamos.

5)Pude, também, perceber que as tragédias, mostram aos homens as suas inferioridades diante de Deus. Afastando D'eles a propotência e o orgulho e etc em uma nova existência.
- Um dos ensinamentos que podemos adquirir com estas experiências é a submissão aos desígnios divinos, ou seja, à vontade de Deus. Porém precisamos sempre ter em mente que Deus não deseja nos humilhar nem fazer sofrer para que enxerguemos a sua divindade (LE 738); nós, por outro lado, ainda em desenvolvimento de nossa consciencia espiritual, é que não enxergamos a beleza e divindade nos pequenos atos da vida e nos detalhes do universo.

Deus nos dá a consciencia para que possamos através dela entender seu relacionamento conosco e o amor que tem por seus filhos. Já reparou o quanto ele nos dá e não nos cobra nada em troca?

Nós, enganados pelo orgulho e vaidade, substituímos o sentimento de respeito e admiração que devemos ter por Ele por ilusões sociais, políticas e científicas - e terminamos nos sentindo mais importantes que Deus e sem tempo para pensar nestas besteiras. Não admira Jesus ter afirmado que "graças dava ao pai por haver oculto os mistérios da vida aos doutos e prudentes e os haver revelado aos humildes e pobres" - Os humildes e pobres tem a necessidade da esperança que Deus pode fazer nascer em nossos corações - eles tem a consciencia que nada são comparados ao Pai que nos criou - já passaram por eventos, em suas existencias, que deram esta experiencia a eles.

Assim, Deus, em sua misericordia, no dá a cada existencia nova oportunidade de nos reconhecermos simples e ignorantes e necessitados de seu amor para sermos realmente felizes e completos. Esperemos que não precisemos colher tantos frutos de sofrimento, plantados por nós mesmos, para entender tal verdade.

Para uma maior apreciação sobre o tema você pode escutar a palestra que dei recentemenre, ela está neste endereço aqui: http://www.bomespirito.com/2010/01/desastres-e-catastrofes-alestras-em-mp3.html

Espero ter sido de algum auxílio.

paz contigo."

Desastres e Calamidades 3...


Queridos amigos, bom dia.

Venho novamente aqui para tentar esclarecer alguns aspectos deste tema tão controvertido e que está causando tanta preocupação e sido tema de alguns emails que recebemos.

Muitas pessoas, inclusive pessoas que se dizem espíritas, tem falado de "fim do mundo", "2012", "profecias maias", "planeta X / nibiru", "terremotos", "tsunamis" e tantas outras coisas, mas pouco se tem observado, principalmente os espíritas, as informações da Espiritualidade Superior e a Codificação Espírita.

Este fenômeno da mídia em torno deste tema é natural e também muito bem compreensível: nós sentimos uma natural atração pelo que nos amedronta e damos maior destaque aos fatos ruins que aos bons. É uma das características que temos como seres humanos.


Isto posto, quero colocar aqui também uma opinião pessoal: Não estamos falando de "fim do mundo" estamos falando de fim de uma era - o que é bem diferente. O mundo(planeta) como nós conhecemos vem se desenvolvendo há bilhões de anos e vai continuar assim por outros tantos... as condições de clima e vida vem sofrendo alterações e continuarão sendo modificadas sempre... as formas de vida vem e vão de acordo com a necessidade reencarnatória ou com as consequencias de seus atos; por isso já tivemos tantas eras geológicas, biológicas, sociais e políticas.

Precisamos lembrar que Kardec já nos falava de tudo isso que está acontecendo quando nos orientou sobre as migrações planetárias e sobre a passagem da Terra de um mundo de "provas e expiações" para um mundo de "regeneração".

Todos que estudamos um pouco de Codificação Espírita sabemos que este processo já se iniciou e que, como aconteceu em Capela há cerca de 30 mil anos, está acontecendo na terra uma limpeza energética - os espíritos que não se encaixam mais no teor vibratório da Terra estão sendo gradativamente retirados dela (uma ótima indicação de leitura é "Os exilados de capela" ou "A caminho da Luz" - baixe aqui: www.biblioteca.radiobomespirito.com ou aqui http://www.bomespirito.com/search/label/Exilados).

Será que algum de nós já imaginou uma "limpeza" sem tirar a poeira? É exatamente isto que está acontecendo hoje: é necessário que hajam estes desastres e tragédias(aos nossos olhos) porque fazem parte da programação de regeneração da Terra.

Muitos destes espíritos que estão desencarnando hoje haviam passado vários anos em locais de maldade e sofrimento nas zonas espirituais inferiores e estão por graça divina recebendo uma última oportunidade de se "regenerarem" aqui na terra, para que "se quiserem" não necessitem ser retirados da psicosfera da Terra, e por seu próprio esforço e merecimento permaneçam entre os que ficarem.

Mas para os que forem exilados em outro orbe isto não representa um castigo - representa uma oportunidade de contribuirem positivamente para o desenvolvimento do orbe onde estiverem, pois lá será o local mais adequado para eles neste estágio de sua evolução.

Aos que permanecerem na Terra não estão reservados simplesmente glórias e descanso eterno não. As comoções físicas do globo irão gerar muito trabalho e serviço de reconstrução (lembram da Lei de Destruição - LE 728 a 741 ?). E aí se inicia realmente a regeneração do planeta: através de muito esforço dos remanescentes na reconstrução de uma nova sociedade com melhores valores.

Para nos orientar neste novo processo também estão encarnado espíritos muito evangelizados, alguns vindos de um sistema estelar chamado Alcione, que serão os líderes e orientadores desta "nova" humanidade.

Temos muito esforço pela frente - seja em nós mesmos para nos melhorarmos sempre mais ou em nossa sociedade para sermos exemplos e ferramentas de trabalho.

Acho muito semelhante á parábola do "festim de bodas", contada por Jesus, Muitos serão chamados mas poucos serão escolhidos; e estes que forem escolhidos terão sido pelo seu esforço e merecimento próprio no bem e no amor. Aos que não estiverem utilizando as vestes nupciais estará reservado outro local, mais primitivo que a Terra, onde permanecerão até evangelizarem-se mais. Esta é a "prisão" onde ficaremos até "que tenhamos pago o último ceitil".

Resumindo tudo que quero dizer neste post, é o seguinte: Tudo que está acontecendo hoje e mais tarde na Terra faz parte de uma programação espiritual muito antiga e é necessário para nossa evolução como seres eternos. Pelo nosso atual estágio não temos ainda a condição de encarar a morte como um fato natural e assim cresce o medo dentro de nós. O Medo permite que surja especulação em torno de temas relacionados a Destruição e morte, gerando assim esta pandemia de preocupações que vemos hoje.

Tomo a liberdade de reproduzir abaixo alguns textos de Kardec, constantes na Codificação Espírita.

A Gênese

Capítulo 11, pontos 36 e 37

"36.Em certas épocas, determinadas pela sabedoria divina, essas
emigrações e imigrações se operam por massas mais ou menos consideráveis,
em virtude das grandes revoluções que lhes ocasionam a partida simultânea em
quantidades enormes, logo substituídas por equivalentes quantidades de
encarnações. Os flagelos destruidores e os cataclismos devem, portanto,
considerar-se como ocasiões de chegadas e partidas coletivas, meios
providenciais de renovamento da população corporal do globo, de ela se
retemperar pela introdução de novos elementos espirituais mais depurados. Na
destruição, que por essas catástrofes se verifica, de grande número de corpos,
nada mais há do que rompimento de vestiduras; nenhum Espírito perece; eles
apenas mudam de planos; em vez de partirem isoladamente, partem em
bandos, essa a única diferença, visto que, ou por uma causa ou por outra,
fatalmente têm que partir, cedo ou tarde.
As renovações rápidas, quase instantâneas, que se produzem no
elemento espiritual da população, por efeito dos flagelos destruidores, apressam
o progresso social; sem as emigrações e imigrações que de tempos a tempos
lhe vêm dar violento impulso, só com extrema lentidão esse progresso se
realizaria.
É de notar-se que todas as grandes calamidades que dizimam as
populações são sempre seguidas de uma era de progresso de ordem física,
intelectual, ou moral e, por conseguinte, no estado social das nações que as
experimentam. É que elas têm por fim operar uma remodelação
na população espiritual, que é a população normal e ativa do globo.
37. - Essa transfusão, que se efetua entre a população encarnada e
desencarnada de um planeta, igualmente se efetua entre os mundos, quer
individualmente, nas condições normais, quer por massas, em circunstâncias
especiais. Há, pois, emigrações e imigrações coletivas de um mundo para outro,
donde resulta a introdução, na população de um deles, de elementos
inteiramente novos. Novas raças de Espíritos, vindo misturar-se às existentes,
constituem novas raças de homens. Ora, como os Espíritos nunca mais perdem
o que adquiriram, consigo trazem eles sempre a inteligência e a intuição dos
conhecimentos que possuem, o que faz que imprimam o caráter que lhes é
peculiar à raça corpórea que venham animar. Para isso, só necessitam de que
novos corpos sejam criados para serem por eles usados. Uma vez que a
espécie corporal existe, eles encontram sempre corpos prontos para os receber.
Não são mais, portanto, do que novos habitantes. Em chegando à Terra,
integram-lhe, a princípio, a população espiritual; depois, encarnam, como os
outros."

Capítulo 9, pontos 11, 13 e 14
"11. - As grandes comoções telúricas se têm produzido nas épocas em
que a crosta sólida da Terra, pela sua fraca espessura, quase nenhuma
resistência oferecia à efervescência das matérias em ignição no seu interior.
Tais comoções foram diminuindo, à proporção que aquela
crosta se consolidava. Numerosos vulcões já se acham extintos, outros os
terrenos de formação posterior soterraram.
Ainda, certamente, poderão produzir-se perturbações locais, por efeito de
erupções vulcânicas, da eclosão de alguns vulcões novos, de inundações
repentinas de algumas regiões; poderão do mar surgir ilhas e outras ser por ele
tragadas; mas, passou o tempo dos cataclismos gerais, como os que
assinalaram os grandes períodos geológicos. A Terra adquiriu uma estabilidade
que, sem ser absolutamente invariável, coloca doravante o gênero humano ao
abrigo de perturbações gerais, a menos que intervenham causas
desconhecidas, a ela estranhas e que de modo nenhum se possam prever.
13. - Deve-se igualmente lançar ao rol das hipóteses quiméricas a
possibilidade do encontro da Terra com outro planeta. A regularidade e a
invariabilidade das leis que presidem aos movimentos dos corpos celestes
tornam carente de toda probabilidade semelhante encontro.
A Terra, no entanto, terá um fim. Como? Isso ainda permanece no
domínio das conjeturas; mas, visto estar ela ainda longe da perfeição que pode
alcançar e da vetustez que lhe indicaria o declínio, seus habitantes atuais
pedem estar certos de que tal não se dará ao tempo deles. (Cap. VI, nos 48 e
seguintes.)
14. - Fisicamente, a Terra teve as convulsões da sua infância; entrou
agora num período de relativa estabilidade: na do progresso pacífico, que se
efetua pelo regular retorno dos mesmos fenômenos físicos e pelo concurso
inteligente do homem. Está, porém, ainda, em pleno trabalho de gestação do
progresso moral. Aí residirá a causa das suas maiores comoções. Até que a
Humanidade se haja avantajado suficientemente em perfeição, pela inteligência
e pela observância das leis divinas, as maiores perturbações ainda serão
causadas pelos homens, mais do que pela Natureza, isto é, serão antes morais
e sociais do que físicas.

O Livro dos espíritos

728. É lei da Natureza a destruição?
“Preciso é que tudo se destrua para renascer e se regenerar. Porque, o que chamais
destruição não passa de uma transformação, que tem por fim a renovação e melhoria dos
seres vivos.”

732. Será idêntica, em todos os mundos, a necessidade de destruição?
“Guarda proporções com o estado mais ou menos material dos mundos. Cessa,
quando o físico e o moral se acham mais depurados. Muito diversas são as condições de
existência nos mundos mais adiantados do que o vosso.”

733. Entre os homens da Terra existirá sempre a necessidade da destruição?
“Essa necessidade se enfraquece no homem, à medida que o Espírito sobrepuja a
matéria. Assim é que,como podeis observar, o horror à destruição cresce com o desenvolvimento intelectual e moral.”

737. Com que fim fere Deus a Humanidade por meio de flagelos destruidores?
“Para fazê-la progredir mais depressa. Já não dissemos ser a destruição uma
necessidade para a regeneração moral dos Espíritos, que, em cada nova existência, sobem um degrau na escala do aperfeiçoamento? Preciso é que se veja o objetivo, para que os resultados possam ser apreciados. Somente do vosso
ponto de vista pessoal os apreciais; daí vem que os qualificais de flagelos, por efeito do prejuízo que vos causam. Essas subversões, porém, são freqüentemente necessárias para que mais pronto se dê o advento de uma melhor ordem de coisas e para que se realize em alguns anos o que teria exigido muitos séculos.”

738. Para conseguir a melhora da Humanidade, não podia Deus empregar outros
meios que não os flagelos destruidores?
“Pode e os emprega todos os dias, pois que deu a cada um os meios de progredir
pelo conhecimento do bem e do mal. O homem, porém, não se aproveita desses meios.
Necessário, portanto, se torna que seja castigado no seu orgulho e que se lhe faça sentir a
sua fraqueza.”

738a) - Mas, nesses flagelos, tanto sucumbe o homem de bem como o perverso. Será
justo isso?
“Durante a vida, o homem tudo refere ao seu corpo; entretanto, de maneira diversa
pensa depois da morte. Ora, conforme temos dito, a vida do corpo bem pouca coisa é. Um século no vosso mundo não passa de um relâmpago na eternidade. Logo, nada são os
sofrimentos de alguns dias ou de alguns meses, de que tanto vos queixais. Representam um ensino que se vos dá e que vos servirá no futuro. Os Espíritos, que preexistem e sobrevivem a tudo, formam o mundo real (85). Esses os filhos de Deus e o objeto de toda a Sua solicitude. Os corpos são meros disfarces com que eles aparecem no mundo. Por ocasião das grandes calamidades que dizimam os homens, o espetáculo é semelhante ao de um exército cujos soldados, durante a guerra, ficassem com seus uniformes estragados, rotos, ou perdidos. O general se preocupa mais com seus soldados do que com os uniformes deles.”

738b) - Mas, nem por isso as vítimas desses flagelos deixam de o ser
“Se considerásseis a vida qual ela é e quão pouca coisa representa com relação ao
infinito, menos importância lhe daríeis. Em outra vida, essas vítimas acharão ampla
compensação aos seus sofrimentos, se souberem suportá-los sem murmurar.”
Venha por um flagelo a morte, ou por uma causa comum, ninguém deixa por isso de
morrer, desde que haja soado a hora da partida. A única diferença, em caso de flagelo, é que maior número parte ao mesmo tempo.
Se, pelo pensamento, pudéssemos elevar-nos de maneira a dominar a Humanidade e
abrangê-la em seu conjunto, esses tão terríveis flagelos não nos pareceriam mais do que passageiras tempestades no destino do mundo.

739. Têm os flagelos destruidores utilidade, do ponto de vista físico, não obstante
os males que ocasionam?
“Têm. Muitas vezes mudam as condições de uma região. Mas, o bem que deles
resulta só as gerações vindouras o experimentam.”

740. Não serão os flagelos, igualmente, provas morais para o homem, por poremno
a braços com as mais aflitivas necessidades?
“Os flagelos são provas que dão ao homem ocasião de exercitar a sua inteligência,
de demonstrar sua paciência e resignação ante a vontade de Deus e que lhe oferecem ensejo de manifestar seus sentimentos de abnegação, de desinteresse e de amor ao próximo, se o não domina o egoísmo.”

Espero assim poder contribuir para esclarecer um pouco as dúvidas que porventura alguns de nós tenhamos.

Paz com todos.

Uso e Abuso - Presença de André Luiz...


O uso é o bom-senso da vida e o metro da caridade. Vida sem abuso, consciência tranqüila.
Uso é moderação em tudo. Abuso é desequilíbrio.
O uso exprime alegria. Do abuso nasce a dor.
Existem abusos de tempo, conhecimento e emoção. Por isso, muitas vezes, o uso chama-se “abstenção”.
O uso proporciona a reminiscência confortadora. O abuso forja a lembrança infeliz.
Saber fazer significa saber usar. Todos os objetos ou aparelhos, atitudes ou circunstâncias exigem uso adequado, sem o que surge o erro.
Doença – abuso da saúde.
Vício – abuso do hábito.
Supérfluo – abuso do necessário.
Egoísmo – abuso do direito.
Todos os aspectos menos bons da existência constituem abusos.
O uso é a lei que constrói. O abuso é a exorbitância que desgasta. Eis por que progredir é usar bem os empréstimos de Deus.


pelo Espírito André Luiz
Do livro: Estude e Viva
Médium: Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.

Mensagens em imagens...



Reconhecimento e Exemplo

Desastres e Catástrofes - Palestras em MP3 ...



Desastres, catástrofes e resgates coletivos
Proferida no Grupo Espírita Obreiros da Caridade - Palmares - PE
(clique no nome para baixar o arquivo ou no play para escutar online)



Coerencia e Razão - Perguntas dos amigos...


Queridos amigos, bom dia.

Recebemos através do nosso formulário "Entre em contato" uma mensagem de uma amiga que nos escreve:
"...Caro Amigo Jão Batista, muita paz.
Quando recebo as mensagens que você envia, em comparação com outras que me chegam as mãos fico pensando: como é que se complica tanto com uma coisa tão simples, ou melhor dizendo, porque não passar as mensagens, antes pelo crivo da apreciação, usando o bom senso e a razão. Sendo assim, leia a mensagem que recebi em minha casa, entregue pelo pessoal da Campanha do Quilo:

"Atender sem descer

Quando desces à lama, cuidas em
não chafurdar no lodo: pisas com
todo o cuidado.
Quando te abaixas para apanhar algo
na água empoçada, procura segurar-te
para não caíres na poça.
Caridade não é rebaixamento de
nosso nível, mas elevação do
companheiro desajustado.
Tolerância não é ceder às imposições
apaixonadas de espíritos
desequilibrados, mas esforço para
reequilibrá-los pela mesma pauta que
nos beneficia a alma.
Ajuda sem desajudar-te
Atende sem decair.
Atende para que, ao dares a mão a
que está no poço, não sejas tu
puxada para o negro fundo, mas
firma-te bem, para te sustentares com
segurança, e, além disso, poderes içar
do abismo o irmão caído"

Batista, quando você puder, comente.
Um forte abraço..."


Ao qual enviei a seguinte resposta:

"Prezado ____________, boa tarde.

Peço desculpas pela demora na resposta, mas estava fora e estou "arrumando a casa" apenas agora.

Agradeço sua confiança e carinho quanto ao material que envio, e acho que você está completamente correto - devemos sim utilizar nosso bom senso e pesar as palavras e o sentido daquilo que lemos e transmitimos, principalmente quando colocamos o nome da Doutrina Espírita. Vale lembrar que o próprio Kardec nos exorta a repelir 10 verdades ao inves de aceitar 1 única inverdade.

Lí o texto que você indica e realmente as palavras, embora bem colocadas, pecam pelo seu sentido. Acho que está muito "terra a terra" e a visão final denota o medo do escritor em "cair de nível" espiritualmente, o que sabemos ser impossível acontecer - pois como nos afirmou Kardec no LE uestão 118 "o espírito não retrograda".

A maior prova que temos desta afirmação é o próprio trabalho de Jesus em sua breve passagem sobre a Terra: conviveu com todos os pecadores, curou nossas piores doenças, comeu com pessoas de má vida e nem por isso deixou-se contaminar com nossos defeitos. Ao contrário: Elevou muitos de nós através de seus ensinamentos sublimes. Percebamos que Jesus Desceu e andou na lama de nossos piores sentimentos sem manchar o branco de seu espírito.

Os espíritos realmente elevados são assim, conseguem viver conosco e trabalhar conosco despertando em nós o que temos de melhor, compreendendo nossos defeitos e aceitando nossas quedas, sem que escutemos críticas e reclamações de sua parte, sem medo de se contaminar com os miasmas fluídicos de nossos erros, porque já passaram por este processo e venceram. Já estão hoje em um nível espiritual acima do nosso e podem descer sem se macular, nos elevando e nos lavando.

Entendo, assim, que o receio ressaltado no texto que você indica pode representar a alma de um de nós, humanos menos evangelizados, que pretendendo auxiliar os outros e seguir os exemplos dos mais evangelizados, temos o medo natural de cairmos em nossos velhos erros. E assim precisamos nos estabelecer firmemente para que não corramos o risco de, ao auxiliar, findarmos necessitando de auxílio.

Este medo, muito presente no texto em questão, pode também representar uma limitação de visão do autor quanto ao procedimento de amar ao próximo e socorrer sem receios; para socorrer o que está no chao necessitamos nos abaixar e olhar em seus olhos enquanto o colhemos nos braços; para içar o que afunda em erros temos que estender-lhe as mãos sem receio de nos molharmos ou melarmos; para atender o que necessita temos que compreender as necessidades que o oprimem.

Certamente, na minha visão ainda imperfeita, o autor quis lançar um alerta sobre os perigos que nos cercam a nós, pequenos e falíveis ainda, quando tentamos seguir a mensagem evangélica. Vale lembrar que Emmanuel também fez similar orientação ao Chico quando ele desejava socorrer a prostituta no bordel dizendo: tú sabes como entras, mas não sabes como irás sair - Equivale dizer que todos podemos ser influenciados por eventos, sentimentos, sensações ou pessoas - Desde que deixemos a sintonia acontecer em nosso espírito.

Assim, ao meu entender, acredito o autor haver esquecido um pequeno detalhe em seu belo texto: Abracemos o evangelho em nossas vidas e através dele o nosso irmão e nada teremos a temer, acaso caiamos é natural para a nossa atual condição, mas não desistamos e busquemos o melhor dentro de nós através dos exemplos vivos do Cristo.

Espero haver sido coerente na colocação.

Abraços e paz."

Charlatanismo e Fraude - Perguntas dos amigos...


Queridos amigos, bom dia.

Recebemos através do nosso formulário "Entre em contato" uma mensagem de uma amiga que nos escreve:
"... Olá! Por favor,me dê sua opinião sobre esse link http://www.skepdic.com/brazil/randi.html. Acho isso tudo bastante intrigante.
Abraços..."


Segue abaixo a resposta que enviei para nossa apreciação:

"Prezada ____________, boa tarde.

Visitei o site indicado por você e achei muito interessante.

A paranormalidade e a fraude sempre estiveram andando juntas na história da humanidade. Ciente disso Allan Kardec em toda a codificação, principalmente em "o livro dos médiuns" e mais notadamente nos capítulos 4(teoria das manifestações físicas - pessoas elétricas) e 28(do Charlatanismo e do embuste), nos mostra sempre uma preocupação muito grande quanto ao charlatanismo e a fraude, que percebemos quando estudamos seriamente as Obras da Codificação.

É inegável a predisposição de diversas pessoas para tentar ludribiar as outras, principalmente quando existem em jogo aspectos como fama, poder, dinheiro, apresentações públicas, etc.

Porém, acredito, também ser inegável a predisposição de tantas outras pessoas para o correto e o justo, deixando florescer em sí mesmos o bem e o belo, em prol da humanidade.

Acho que independente do fator paranormalidade, ou não, temos que perceber que vivemos em um mundo de provas e expiações com a população compatível com este nível. Ocasionando não somente a fraude em eventos sobre paranormalidade mas também em intençoes religiosas, econômicas, políticas e até sentimentais.

De minha parte não acho difícil acreditar na capacidade paranormal de determinadas pessoas - e acho interessante lembrar que paranormalidade não é mediunidade (a paranormalidade é uma capacidade propria do espírito encarnado, enquanto a mediunidade necessita obrigatoriamente de um espírito desencarnado para que aconteça) e que Allan Kardec encontrou a paranormalidade e deu o nome de "homens elétricos", pois não existia a definição "paranormalidade" na época.

Mas também compreendo as posições dos céticos e materialistas quando a incredulidade em respeito a estas questões. Estamos todos em níveis diferenciados nesta existência e o que é crível para uns é incrível para outros. Vale lembrar também que o próprio Kardec quando iniciou seus estudos com as mesas girantes não dava muito crédito ao fato, porém com o tempo foi notando que havia algo alí por trás.

Tivemos diversos cientistas famosos como William Crookes, Ernesto Bozzano e outros que iniciaram seus estudos com espiritismo buscando desmascará-lo como fraude e que depois uniram-se a ele como ferrenhos defensores.

Para mim o que estes céticos deveriam fazer é o mesmo que estes grandes cientistas: buscarem a verdade - e não dar um prêmio que só atrairá quem se disponha a ter a ganância de possuir este dinheiro. Acredito que eles ocorrem em um erro primário que nós devemos evitar: o de julgar todo um cesto de laranjas por uma única podre.

Somente porque existem pessoas que realizam embustes não quer dizer que todas realizem; bem como somente porque existem pessoas com dons paranormais reais não significa que todas são reais, compreende? É aí que devemos utilizar o bom senso e a lógica que Kardec nos orienta e que Jesus já falava antes dele quando afirmava "haverão falsos cristos e falsos profetas".

De qualquer forma nenhum de nós pode querer estar com a verdade completa; muitos encontraremos o caminho para a Verdade através da mediunidade, outros através da paranormalidade, outros através do ateismo, outros através das religiões, outros através da negação... porque "a cada um será dado de acordo com suas obras" - equivale dizer que cada um encontrará seu caminho se esforçando para fazer o melhor naquilo que escolha.

Não sei se respondí sua pergunta, mas espero ter sido de alguma ajuda.

Não esqueça de visitar a biblioteca online que disponibilizei em www.biblioteca.radiobomespirito.com

Abraços"

Influencias Espirituais - Palestras em MP3 ...



Influencias espirituais à luz do Evangelho de Jesus
Proferida no Centro Espírita José Eusébio - Maceió - AL
(clique no nome para baixar o arquivo ou no play para escutar online)



Retorno de férias com novidades e modificações...



Queridos amigos, bom dia.

Estamos de volta das férias as quais foram espetaculares. Durante este período realizei algums estudos e palestras, me diverti com a família e amigos, conhecemos locais e pessoas novas...

Mas no período de férias, como disse um amigo de Maceió antes de minha palestra lá, o espírita trabalha mais que os outros. Então aproveitei para finalizar um projeto de Biblioteca online, que pode finalmente ser acessada através do endereço:

http://www.biblioteca.radiobomespirito.com/




Nesta biblioteca poderão ser encontrados mais de 150 livros espíritas,
em diversos assuntos e classificados por autores e segmentos, entre eles:
Obras da Codificação;
Obras Complementares
(Emmanuel e André Luiz);
Estudo do espiritismo;
Romances (diversos autores);
Passes;
Mediunidade;
Evangelho;
Casa Espírita;
Infantis;
Bibliografias,
e muito mais.


Tenho certeza que será bastante útil para tantos quantos acessarem; além de contar com a disponibilidade de leitura online ou download do material.

Espero que todos apreciem e utilizem em suas pesquisas e estudos.

Paz com todos.

João

Desastres e Calamidades 2...


Amigos, tendo em vista os recentes acontecimentos (Terremotos, enchentes, deslizamentos, etc.) que estão ocorrendo no Haiti e também pelo nosso Brasil e devido ao número de e-mails recebidos solicitando esclarecimentos sobre este assunto achei benéfico a colocação dos links abaixo que mostram claramente a visão espírita destes eventos em posts já colocados em nosso blog.

Para efeito de estudo pode ser encontrado material bastante esclarecedor em "o Livro dos espíritos" Livro 3, Capítulo 4, "Lei de destruição", perguntas 728 a 741.


Seguem abaixo os links:
http://www.bomespirito.com/2010/01/desastres-e-calamidades.html
http://www.bomespirito.com/2009/10/terremotos-e-catastrofes.html
http://www.bomespirito.com/2009/12/perguntas-dos-amigos.html
http://www.bomespirito.com/2008/12/palestras-em-mp3.html

Aproveito para lembrar que nunca é demais que enviemos nossas vibrações de paz e amor, carinho e fé para estas pessoas através da oração sincera.

Paz com todos.

Mensagens em imagens...



Carinho de Pai

Perguntas dos amigos...


Queridos amigos, bom dia.

Recebemos através do nosso formulário "Entre em contato" uma mensagem de uma amiga que nos escreve:
"... tive um bebe _________ de ______semanas por causa de uma tentativa de assalto nasceu dia _____________ e faleceu dia _________ só ficou numa uti neonatal. Gostaria se pudesse me ajudar a aceitar. Aceitei pq pedi a Deus q ele fizesse a vontade dele pq a minha deus sabia qual era. sei q o Senhor escolheu o melhor pra mim e pro meu filho. Fico na dúvida se devo arrumar outro ja q é o sonho da minha filha e foi nosso escudo na hora dessa perda. Obrigado...."

Ao qual respondí:

"Querida ___________, boa noite.

Perdoe a demora em responder a sua questão, mas estou em viagem e nem sempre tenho facilidade de acesso à internet.

Compreendo a dor em seu coração de mãe e imagino o mar de dúvidas que se faz em sua mente. Percebo, entretanto, que em seu coração você já encontrou o caminho para aceitar e entender a verdade dos fatos - a vontade de Deus, que na Doutrina Espírita pode ser descrita como Lei de Causa e Efeito.

Em todos os momentos de nossa vida atual ou passadas, estamos todos sujeitos aos efeitos desta lei, que é justa e sábia, não impondo provaçoes grandes demais aos que não tem força ou necessidade de suportá-las, nem colocando fardos pesados ou leves sobre os ombros que não precisam destes fardos.

Normalmente, nós humanos, temos a tendencia de pensar que estes fatos tristes somente acontecem conosco e que muitas vezes se trata de castigo, mas fique certa que nunca é assim; nos esclarece a Doutrina Espírita que somos semeadores seculares que hoje colhemos o que plantamos antes, de acordo com o tipo de semente que tenhamos jogado em nosso caminho - felizes ou infelizes.

Tanto nós, pais, quanto os espíritos reencarnantes, estamos todos envolvidos em fatos e acontecimentos passados que refletem suas consequencias nos dias de hoje.

Sabemos, por meio da espiritaulidade, que todos os processos reencarnatórios são programados antes de virem a acontecer, e que Deus em sua sabedoria nos envia o que de melhor seja para nós, nesta encarnação, mesmo que as vezes tenhamos que vir a sofrer - como os pais que castigam os filhos para que eles aprendam determinada lição.

Assim, mesmo cercado de dor e fatalidade, o caso que ocorreu com você é uma abençoada oportundiade de todos os envolvidos resgatarem débitos do passado, tornando-se livres para plantar novas sementes de amor e fé para o futuro.

Para o reencarnante é a oportunidade de completar algum tempo que necessitava na carne, ou de deixar no corpo de carne algum defeito psíquico marcado no perispírito; por vezes necessita do sofrimento como expiação para livrar-se de dores da alma ou simplesmente pede para passar por determinadas provações visando uma mais rápida ascensão espiritual. Seja qual for o caso fique feliz pois sabe que esta etapa já foi vencida pelo espírito que recebeste como mãe.

Para os pais fica a experiencia da perda e a oportunidade de vencer a dor e a revolta, fortalecendo os laços de amor e união que devem fortalecer a todos. A possibilidade de cultivar novas esperanças e receber em seus braços carinhosos novamente a dádiva de uma vida regressante, que pode até ser o mesmoe espírito. Por isso não deixe de sonhar com uma nova gravidez e nem de orar para seu espírito guardião e para o espírito de seu bebê. Ele necessita de seu carinho e de seu amor para seguir fortalecido em sua nova jornada.

Sei que embora palavras não possam tirar a dor que permanece em teu peito, podem te abrir novas perspectivas para que possas compreender de forma mais efetiva o que aconteceu contigo e com tua família. Aconselho que leias "o Livro dos Espíritos" Questões 344 a 360 e "o evangelho segundo o espiritismo" Capítulos 4 e 6. Serão de grande utilidade para um maior esclarecimento em torno do caso.

Não perca a fé e não perca o contato com Deus através da oração e da fé. Ore por você, por sua família e pelo espírito desencarnante, aproxime sua alma dos bons amigos espirituais e certamente te auxiliarão a passar por esta oportunidade de crescimento.

Paz e tranquilidade para tí e família."

Perguntas dos amigos...


Queridos amigos, bom dia.

Recebemos através do nosso formulário "Entre em contato" uma mensagem de uma amiga que nos escreve após resposta publicada em nosso último Post de Perguntas, como o texto revela diversos detalhes que possam indentificar os envolvidos, editei deixando apenas os fatos relevantes :
"...Olá querido João,

Primeiramente quero lhe agradecer pela resposta.
Esperava que ela viesse apenas depois do dia 20/01 por conta das suas férias mas fiquei feliz em recebê-la antes.

Sobre o meu pai o desencarne dele foi rápido. Entre descobrirmos o tumor e o seu falecimento passaram-se apenas ____meses e _____ dias. Até o dia do descobrimento ele levava uma vida normal. Trabalhou até na véspera da sua internação. Tinha poucas queixas mas suspeitas o suficiente para o "obrigarmos" a ir ao médico.

Meu pai era uma pessoa de coração muito bom. Ajudava muito as pessoas. Era completamente desapagado. Era aposentado mas ainda trabalhava, e gostava. Nunca o vi viajar para passear apenas para visitar os entes em _______ e mesmo assim se não pudesse levar um agrado ficava muito chateado.
Quanto à minha mãe vou pontuar algumas coisas. Desde que me conheço por gente eles não tinham um relacionamento muito bom. Sempre me questionei porque eles não se separavam.
Durante a internação de meu pai ficamos sabendo algumas coisas que ele contou a terceiros. Contou ao ______________ que em _________ quis se separar mas minha mãe ameaçou nos matar e se matar e aí ele desistiu.

.....


Uma vez perguntei a ela o que ela acreditava ter acontecido com meu pai depois do falecimento dele e ela simplesmente me respondeu: "morreu, morreu, acabou". Portanto não posso nem sugerir orarmos pela espírito dele. Ela não sabe que eu e minhas irmãs frequentamos o Centro Espírita _____________. Na cabeça dela centro é tudo igual, se é que você me entende.

Quanto ao recado não entendi o que quer dizer mistificação. Confesso que o falecimento do meu pai nos reaproximou do Centro, tanto que ele faceleu numa______________ e no domingo já estávamos fazendo ficha para psicografia.

No primeiro mês do falecimento senti muita paz e serenidade. Aliás eu e minhas irmãs. Não sentimos dor, revolta, "entendíamos" o porquê dele ter partido.

Mas depois disso algumas coisas mudaram. Nos incomoda ouvir minha mãe falando com lamentação do meu pai sobre aos que perguntam sobre ele. Ela passava o dia inteiro reclamando dele, que ele sujava o fogão, passava o dia inteiro xingando.

Como você mesmo disse meu pai não era santo. Não dá pra comparar a relação de pai com a de marido. Mas as pessoas mais proximas que os conhecem há tempos sempre falam desse "transtorno" da minha mãe com relação ao meu pai.

Há uns ________ anos ela procurou um advogado pra se separar dele. Mas quando soube que se ele moresse ela não teria direito à nada, desistiu. Ela não trabalha fora há _________________ anos e olha que ela tem _____________ anos.

......

Infelizmente essa conversa acabou nos afastando. Conversamos mas não é a mesma coisa. Nem tenho sentido vontade de ir até a casa dela. Todas nós (filhas) estamos sem entender essas atitudes dela.

No ano novo estava me sentindo muito mal. Orei muito e melhorei. Mas voltou tudo de novo e infelizmente não ando me sentindo bem. Fico pensando todo o tempo nessa conversa que tivemos e nas coisas que ela falou sobre o meu pai e essas coisas ficam martelando.

Sei que a oração é a melhor solução mas confesso que esses dias estou descrente.
E embora eu não tenha instrução espiritual suficiente realmente não acredito que seja o espírito do meu pai e nenhum outro (assim espero).
Nesse momento fico sem saber o que fazer além da oração.

Um grande abraço,

Desculpe pelo longo email mas foi muito gratificante receber sua resposta....."


Ao qual enviei a resposta abaixo:

"________________, boa noite.

Sempre que posso acesso a internet para ver se tem alguma mensagem de maior urgência, nestes momentos fico feliz em poder tentar auxiliar os amigos.

Como havia te dito antes, cada caso é realmente um caso, e em todos os relacionamentos existem comprometimentos e resgates a serem resolvidos pelas partes envolvidas. No caso dos seus pais não é diferente.

Da mesma forma, nós que observamos ou vivemos de longe os aspectos destes resgates, necessitamos exercitar a compreensão para com todos, principalmente os mais intransigentes e difíceis, afinal "o remédio é para os doentes" e nós, os cristãos, deveremos ser reconhecidos "por muito nos amarmos", lembra?

Por mais difícil que se apresente a convivência com aqueles que se mostram mais próximos de nós, devemos trabalhar incansavelmente para trazê-los mais junto a nós, sem esperarmos transformações radicais ou curas imediatas. Temos que compreender o tempo de cada um e aplicar as lições do Mestre Jesus da forma mais acertada e caridosa, como ele nos ensina.

A espiritualidade nos esclarece que os relacionamentos mais difícieis são os mais excelentes em oportunidades de renovação e de libertação de laços do passado; aproveite com sabedoria estes momentos que tem agora para plantar as sementes das flores do futuro.

Quanto ao caso da Mistificação eu não afirmei que era, apenas que acho muito curioso e rápido o fato da espiritualidade já estar informando a situação em que se encontra o espírito de seu pai; entretando isto não é impossível, embora, na minha opinião, pareca improvável em tão pouco tempo.

Este fato de "ficha para psicografia" também é outro que não me agrada (perceba que esta é a minha opinião e ela não representa o certo nem o errado, apenas o que acho, ok?) - Lembro muito quando Chico dizia "o telefone só toca de lá pra cá" e olha que ele era a maior e melhor antena mediúnica que tivemos neste século... mas cada casa tem o seu procedimento e devemos respeitar as opiniões de cada um.

Continue firme em suas orações, não desfaleça em sua fé, onde quer que esteja o espírito de seu pai necessita de sua força e das suas irmãs para poder ser auxiliado com mais efeito; Não deixe que os sentimentos negativos tirem sua vontade de orar, lute contra isso e se esforçe para fazer suas orações diariamente, ou até mais de uma vez por dia; se precisar utilize um evangelho e leia os textos meditando e orando enquanto estuda.

Fique em paz.

João."

Desastres e Calamidades...


Amigos, tendo em vista os recentes acontecimentos (enchentes, deslizamentos, etc.) que estão ocorrendo pelo nosso Brasil (angra dosReis, São Paulo, Nordeste, etc.) achei benéfico a colocação dos textos abaixo que mostram claramente a visão espírita destes eventos.

Para efeito de estudo pode ser encontrado muito material em "o Livro dos espíritos" Livro 3, Capítulo 4, "Lei de destruição", perguntas 728 a 741.



CALAMIDADES

Com freqüência regular a Terra se faz visitada por catástrofes diversas que deixam rastros de sangue, luto e dor, em veemente convite à meditação dos homens.

Conseqüência natural da lei de destruição que enseja a renovação das formas e faculta a evolução dos seres, sempre conseguem produzir impactos, graças à força devastadora de que se revestem.

Cataclismos sísmicos e revoluções geológicas que irrompem voluptuosos em forma de terremotos, maremotos, erupções vulcânicas, obedecem ao impositivo das adaptações, acomodações e estruturação das diversas camadas da Terra; no seu trânsito de "mundo expiatório" para "regenerador" .

Tais desesperadores eventos impõem ao homem invigilante a necessidade da meditação e da submissão à vontade divina, do que resultam transformações morais que o incitam à elevação.

Olhados sob o ponto de vista espiritual esses flagelos destruidores têm objetivos saneadores que removem as pesadas cargas psíquicas existentes na atmosfera, que o homem elimina e aspira, em contínua intoxicação.

Indubitavelmente trazem muitas aflições pelos danos que se demoram após a extinção de vidas, arrebatadas coletivamente, deixando marcas de difícil remoção, que se insculpem no caráter, na mente e nos corpos das criaturas.

Algumas outras calamidades como as pestes, os incêndios, os desastres de alto porte são resultantes do atraso moral e intelectual dos habitantes do planeta, que, no entanto, lhes constituem desafios, que de futuro podem remover ou deles precatar-se. (À véspera havia irrompido, em São Paulo, o incêndio do Edificio Joelma, que arrebatou mais de 170 vidas e revelou alguns heróis. Descrito e analisado no livro Éramos seis)

As endemias e epidemias que varriam o planeta no passado, continuamente, com danos incalculáveis, em grande parte são, hoje, capítulo superado, graças às admiráveis conquistas decorrentes da "revolução tecnológica" e da abnegação de inúmeros cientistas que se sacrificaram para a salvação das coletividades. Muitas outras que ainda constituem verdadeiras catástofres, caminham para oportunas vitórias do engenho e da perseverança humana.

Há, também, aquelas resultantes da imprevidência, da invigilância, por meio das quais o homem irresponsável se autopune, mediante os rigores dos sofrimentos decorrentes das desencarnações precipitadas, através de violentos sinistros e funestas ocorrências ...

Pareceriam desnecessárias as aflições coletivas que arrebatam justos e injustos, bons e maus, se olhados os saldos precipitadamente. Conveniente, todavia, refletir quanto à justeza das leis divinas que recorrem a métodos purificadores e liberativos, de que os infratores e defraudadores das Leis e da Ordem não se podem furtar ou evitar.

Comparsas de hediondas chacinas; grupos de vândalos que se aliciam na desordem e usurpação; maltas de inveterados agressores que se indentificam em matanças e destruições; corsários e marinhagens desvairados em acumpliciamentos para pilhagens criminosas; soldadesca mercenária, impiedosa e avassaladora, que se refestela, brutal, na inocência imolada selvagemente; incendiários contumazes de lares e celeiros, em hordas nefastas e contínuas; bandos bárbaros de exterminadores, que tudo assolam por onde passam; cúmplices e seviciadores de vítimas inermes que lhes padecem as constrições danosas; pesquisadores e cientistas impenitentes, empedernidos pelas incessantes experiências macabras de que se nutrem em agrupamentos frios; legisladores sádicos e injustos que se desforçam nas gerações débeis que esmagam; conquistadores arbitrários, carniceiros, que subjugam cidades nobres, tornando suas vítimas cadáveres insepultos, enquanto se banqueteiam em sangue e estupor; mentes vinculadas entre si por estranhas amarras de ódio, ciúme e inveja que incendeiam paixões, são reunidos novamente em vidas futuras, atravessando os portais da Imortalidade, através de resgates coletivos, como coletivamente espoliaram, destruíram, escarneceram, aniquilaram, venceram os que encontravam à frente e consideravam impedimentos à sua ferocidade e barbaria, vandalismo e estroinice, a fim de que se reajustem, no concerto Cósmico da Vida, servindo também de escarmento para os demais, que, não obstante se comovem ante as desgraças que os surpreendem, cobrando-lhes as graves dívidas, prosseguem, atônitos e desregrados, em atitudes infelizes sem que lhes hajam constituído lições valiosas, capazes de converter-se em motivo de transformação interior.

Construtores gananciosos que se fazem instrumento para cobranças negativas, maquinistas e condutores de veículos displicentes, que favorecem tragédias volumosas, homens que vendem a honradez e sabem que determinadas calamidades têm origem nas suas mentes e mãos, embora ignorados pela Justiça humana não se furtarão à Consciência Divina neles mesmos insculpida, que lhes exigirá retorno ao proscênio em que se fizeram criminosos ignorados para tornarem-se heróis, salvando outros e perecendo, como necessidade purificadora de que se alçarão, depois, à paz.

Não constituem castigos as catástrofes que chocam uns e arrebatam outros, antes significam justiça integral que se realiza.

Enquanto o egoísmo governe os grupos humanos e espalhe suas torpes sementes, em forma de presunção, de ódio, de orgulho, de indiferença à aflição do próximo, a Humanidade provará a ardência dos desesperos coletivos e das coletivas lágrimas, em chamamentos severos à identificação com o bem e o amor, à caridade e ao sacrifício.

Como há podido pela técnica superar e remover vários fatores de calamidades, pelas conquistas morais conseguirá, a pouco e pouco, suplantar as exigências transitórias de tais injunções redentoras.

Não bastassem as legítimas concessões do ajustamento espiritual, as calamidades fazem que os homens recordem o poder indômito de forças superiores que os levam a ajustar-se à sua pequenez e emular-se para o crescimento que lhes acena.

Tocados pelas dores gerais, partícipes das angústias que se abatem sobre os lares vitimados pela fúria da catástrofe, ajudemo-nos e oremos, formando a corrente da fraternidade santificante e, desde logo, estaremos construindo a coletividade harmônica que atravessará o túmulo em paz e esperança, com os júbilos do viajor retomando ditoso à Pátria da ventura.

Joanna de Ângelis



CALAMIDADES E PROVAÇÕES

O homem desejou recursos para mais facilmente abrir estradas e a Divina Providência lhe suscitou a idéia de reunir areia à nitroglicerina, em cuja conjugação despontou a dinamite. A comunidade beneficiou-se da descoberta, no entanto, certa facção organizou com ela a bomba destruidora de existências humanas.

O homem pediu veículos que lhe fizessem vencer o espaço, ganhando tempo, e o Amparo Divino ofereceu-lhe os pensamentos necessários à construção das modernas máquinas de condução e transporte. Essas bênçãos carrearam progresso e renovação para todos os setores das aquisições planetárias, entretanto, apareceram aqueles que desrespeitam as leis do trânsito, criando processos dolorosos de sofrimento e agravando débitos e resgates, nos princípios de causa e efeito.

O homem solicitou apoio contra a solidão psicológica e a Eterna Bondade, através da ciência, lhe concedeu o telégrafo, o rádio e o televisor, aproximando as coletividades e integrando no mesmo clima de aperfeiçoamento e cultura. Apesar disso, junto desses nobres empreendimentos, surgiram aqueles que se valem de tão altos instrumentos de comunicação e solidariedade para a disseminação da discórdia e da guerra.

O homem rogou medidas contra a dor e a Compaixão Divina lhe enviou os anestésicos, favorecendo-lhe o tratamento e o reequilíbrio no campo orgânico. Ao lado dessas concessões, porém, não faltam aqueles que transformam os medicamentos da paz e da misericórdia em tóxicos de deserção e delinqüência.

O homem pediu a desintegração atômica, no intuito de senhorear mais força, a fim de comandar o progresso, e a desintegração atômica está no mundo, ignorando-se que preço pagará o Orbe Terrestre, até que essa conquista seja respeitada fora de qualquer apelo à destruição.

Como é fácil observar, Deus concede sempre ao homem as possibilidades e vantagens que a Inteligência Humana resolve requisitar à Sabedoria Divina. Por isso mesmo, as calamidades que surjam nos caminhos da evolução no mundo, não ocorrem obviamente, sob a responsabilidade de Deus.

André Luiz por
Francisco Cândido Xavier
Livro "Buscas e Acharás"
Editora IDEAL

O original deste material foi carinhosamente recebido de: palmaresespirita.blogspot.com

Perguntas dos amigos...


Queridos amigos, bom dia.

Ainda estamos em férias, e por isso as postagens estarão mais escassas, mas tenho certeza que vocês compreendem. Sempre que tiver a oportundidade estarei postando para vocês, como a pergunta que recebemos através do nosso formulário "Entre em contato" de uma amiga que nos escreve:
"...Querido João, meu pai faleceu em __________. Eu e as minhas irmãs costumamos ir em um centro espírita aqui em ______ porém não somos frequentadoras assíduas mas frequentamos o suficiente para entender um pouco da doutrina espírita tanto que aceitamos de forma "indolorosa" a sua partida. No dia __________ recebemos um recado de um espírito sobre o meu pai dizendo que ele estava em tratamento mas que estava bem. Até aí tudo bem. Porém na semana que completou um mês do falecimento do meu pai instalou-se uma tristeza profunda em mim e na minha irmã mais velha. Gostaria de saber se isso tem explicação espiritual. Além disso, estava levando de forma amigável as manifestações da minha mãe com relação ao meu pai o que agora não consigo "engolir mais" (eles não se davam bem). Por mais que eu ore continuo não aceitando as coisas que ela diz com relação ao meu pai mesmo depois do falecimento dele. Um grande abraço e ótimo 2010 pra você e sua família...."

"Prezada ______________, bom dia.

Obrigado pelos votos e desculpe a demora em enviar a resposta, mas como estou de férias não acesso a internet com tanta frequencia.

Em casos de desencarne cada experiência é única e individual, então não podemos afirmar que o que ocorre com uma pessoa acontece exatamente com a outra; no caso de seu pai é muito interessante a afirmação deste espírito sobre ele estar em tratamento após alguns dias de seu desencarne, por alguns motivos, os quais explico abaixo:

1) como você mesmo disse não é trabalhadora da casa, e sim frequentadora eventual, isso torna muito curioso o fato da espiritualidade da casa ter enviado um recado a vocês, de duas uma: ou vocês tem um merecimento grande ou isso pode ser mistificação (e é muito comum a mistificação mesmo nas casas espíritas).

2) Não sei como seu pai desencarnou nem como ele viveu, mas, na maioria das vezes nós, os espíritos normais, levamos algum tempo para nos adaptarmos/aceitarmos a nossa nova situação e então sermos recolhidos e auxiliados em alguma colônia. Novamente, do meu ponto de vista, existe um fato curioso aí: ou seu pai era um espírito bastante evangelizado para poder ser auxiliado logo ou alguma informação está truncada/equivocada/mistificada.

3) Para termos idéia de como a pessoa estará após o seu desencarne não é necessário nos preocuparmos com a forma que ela "morreu" e sim com a forma que ela "viveu" - o quanto de bondade, compreensão, esperança, trabalho no bem e caridade ela espalhou através de seus atos e dias nesta terra. Assim você pode fazer uma análise da vida encarnada de seu pai nesta última encarnação e verificar os créditos que ele possa ter para receber este auxílio tão rápido e ainda para ter o crédito de vocês serem avisadas, compreende?

Após estas colocações quero que compreenda que não estou falando mal de seu pai, principalmente porque não o conhecia, mas estou utilizando a ferramenta que Kardec nos deu - a lógica e a nálise - para tentar averiguar a veracidade e possibilidade do ocorrido. No livro "o Céu e o Inferno", parte segunda, iremos encontrar diversas comunicações de espíritos da época de Kardec e elas estarão repletas de ensinamentos sobre como identificar os estados dos espíritos após os desencarne.

Outro fato interessante é esta "impaciencia" que você afirma estar sentindo a respeito de sua mãe. Pode ter dois fatores de origem: Psicológico ou espiritual.

Caso seja psicológico é uma reação do subconsciente (que acredita que o pai não merece determinados comentários) e que reage de forma a defender o ente querido contra a "caluniadora"; caso seja espiritual é grande indicador da presença de um espírito que esteja muito envolvido com o fato e que tenha grande motivo para estar junto a você e sua irmã por laços de afeto (aparentemente) - e eu não consigo pensar em ninguém melhor que o espírito do seu próprio pai.

Temos relatos diversos entre a espiritualidade de casos em que o espírito abandona o tratamento que está recebendo para ficar junto daqueles que ama, pois não aguenta a saudade; mesmo sabendo que este ato vai prejudicar os que estão encarnados - pois as energias do desencarnado ainda estão incompatíveis com as dos desencarnados, e assim ele "influencia" as emoções, atos e pensamentos dos encarnados com suas próprias emoções ainda desequilibradas.

Neste caso o mais correto a se fazer é tentar convencê-lo, através de conversas durante a oração, que aquele não é seu lugar e que ele deve regressar ao local que abandonou para receber auxílio; caso após algum tempo os sintomas ainda persistam é indicado que se procure o centro para um tratamento mais intensivo.

Independente desta reação ser de aspecto psicológico ou espiritual, acho, porém, imprescindível que tanto você quanto sua irmã meditem um pouco quanto a sua atuação junto à sua mãe; não se esqueçam que o papel de "pai" é, na maioria das vezes, diferente do de "marido" e que, mesmo havendo sido um bom pai ele pode não ter sido tão bom marido, entende? Utilize da compreensão que Jesus nos ensinou e não julgue sua mãe pelos comentários que ela faz - ela tem uma vivência e experiencias diferentes das suas - provavelmente mais dolorosas - o que indica que, como todos nós, seu pai também tinha defeitos.

Todos somos homens e mulheres em busca de perfeição e deixamos em nosso rastro atitudes e sentimentos menos nobres; não pense que o desencarne nos torna perfeitos. Ninguém vira santo depois que morre, apenas continua sendo exatamente o que era, só que perdeu o corpo. Ao invés de ter reações negativas quanto às atitudes de sua mãe, ensine ela a orar pelo espírito de seu pai, e juntas orem pela recuperação dele.

Praticar a caridade também é saber calar e compreender, minha amiga.

Espero ter sido de alguma ajuda.

Paz contrigo e família."


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...