"Escutando Vozes" e "Não pedi para nascer" - Perguntas dos amigos


Queridos amigos, bom dia.

Recebí através do nosso formulário "Entre em contato" a seguinte pergunta, para a qual as respostas seguem abaixo:

"... João, bom dia!
A medida que estou lendo os livros sobre a doutrina , surgem as dùvidas e se possivel gostaria que voce me tirasse algumas dùvidas.
As vezes eu tenho alguns sonhos que me deixa muito angustiada eu sei que vai acontecer alguma coisa mais não sei o que è, e depois de alguns dias eles acabam acontecendo , jà vi vultos , muitas vezes uma pessoa me fala que vai fazer alguma coisa e eu falo para ela não fazer porque pode algo que ela não vai gostar, então essa pessoa faz e acaba acontecendo o que eu falei , jà ouvi vozes duas vezes e eu as respondo è como se fosse real. A dùvida è a seguinte: È correto as respondê - las? Pois jà me disseram que não podemos, eu fico meio perdida sem saber o que fazer.
Obrigada por tudo!
Abraços.. ...."


"Prezada _______________, bom dia.

Peço desculpas pela demora em responder seus questionamentos mas andei viajando e as mensagens se acumularam em minha caixa de entrada, fazendo com que algumas escapassem da minha vista.

Pode contar comigo para esclarecer suas dúvidas no limite dos meus conhecimentos, é uma grande alegria ternar auxiliar aos que, como eu, necessitam de apoio.

Perceba que o que acontece com você PODE indicar uma sensibilidade mediunica.

Os fatos dos sonhos podem ser interpretados como pressentimentos advindos de orientaçõe dos espíritos durante o desdobramento pelo sono e dos quais você grava o "sentido" maior sem lembrar dos detalhes. Também pode ser uma sensibilidade anímica (da sua própria alma) mas é um processo mais raro.

As vozes, descartadas as possibildades físicas e de sons produzidos pelo ambiente, podem indicar uma sensibilidade auditiva - audiência - que esteja desabrchando em você.

Você pergunta se é correto repondê-las e eu digo que vai depender do conhecimento que você tenha do processo e de você mesma.

Perceba que o processo mediúnico deve ser vivido, mas também estudado, para que se compreenda o que ocorre com você e que se possa controlar e saber o que fazer em determinadas situações.

Todos nós estamos cercados por espíritos todos os momentos, apenas a maioria de nós não consegue percebê-los. Então, se vamos respondê-los ou não oralmente, na minha opinião, é independente - pois respondemos muito mais de acordo com os nossos comportamentos, sentimentos ou pensamentos.

A sintonia é tudo neste processo. Se sintonizarmos com bons espíritos poderemos respondê-los sempre, se com espíritos sofredores poderemos responder com consolações e mensagens de esperança, se com espíritos maus é melhor mudarmos nossos hábitos para perdermos a sintonia, compreende? É sempre bom estudar um pouco do livro dos médiuns capítulos 14, 20 e 21.

Normalmente, além destas "vozes", temos também pensamentos que nos são sugeridos e que mostrarão os sentimentos dos espíritos que nos cercam. É por isso que é importante o autoconhecimento - identificar pensamentos que são nossos dos que não são e, consequentemente, realizar a análise de seus conteúdos e discernir se merecem nossa atenção ou se devemos mudar o foco de nossa atenção.

Por este motivo é sempre importante buscarmos a nossa melhoria íntima e angariarmos para nós as boas companhias espirituais.

Espero ter sido de alguma ajuda.

PAz contigo."

"... Querido Joao Batista,felicitações.
Acredito que todos nós, ou pelo menos a maioria, sente grande alegria e privilégio em ter sido criado por Deus para vivermos plenamente a alegria da existência. Mas, veja, sempre há exceções em tudo, e, nesse sentido, aquelas pessoas que questionam que não pediram para nascer, não estariam, de algum modo, exercendo um direito seu de não querer participar disso tudo? Não seria legítimo que não queiram gozar desses privilégios? Há espaço para esses questionamentos na espiritualidade? Ao mesmo tempo, se considerarmos que nós somos parte de Deus, Ele estaria simplesmente criando a Ele mesmo, não cabendo então questionamentos. Por gentileza, se puder, ajude-me a entender.
Novamente parabéns pelo trabalho que realiza. ...."


"Prezado ______________, bom dia.

Peço mil desculpas por não haver respondido antes, mas devido ao grande número de e-mails que recebo diariamente alguns ocasionalmente acabam passando desapercebidos e são esquecidos nas respostas. Hoje, fazendo uma checagem na caixa de entrada, vi este seu e estou respondendo. Espero que compreenda.

Como sempre seus questionamentos nos trazem profundas considerações filosóficas com as quais tentarei contribuir dentro dos limites de minha limitação pessoal.

A espiritualidade nos esclarece que todos fomos criados em algum momento por Deus, simples e ignorantes, destinados a buscarmos a perfeição e que, neste caminho, vamos progredindo gradativamente, a passos lentos, e adquirindo esperiencias que moldam a nossa personalidade e percepção de mundo em cada estágio e que formarão o nosso "eu" futuro, quando alcançarmos a tão sonhada plenitude.

Acho compreensível que tenhamos pessoas que afirmem que não pediram para nascer - normalmente são pessoas que apresentam algum problema (financeiro, social, fisico, amoroso, etc) e que utilizam esta afirmação no sentido de que é uma "punição" dada por Deus para que ela sofra.

Normalmente nós, os espíritos encarnados, esquecemos o que passamos em nosso período no mundo espiritual para que possamos retornar às nossas provas carregando o de que precisamos para enfrentá-las: os nossos verdadeiros sentimentos e interesses.

Desta forma, mesmo que um espírito tenha concordado com a sua programação reencarnatória, ao regressar à carne ele poderá não gostar do que enfrentará e, como normalmente são espíritos ainda sofredores ou imaturos, a revolta e a negação serão as represálias naturais para com a Vida/Deus.

Jesus nos afirma que "nenhuma de minhas ovelhas se perderá" , compreendo então que todos - sem excessão - estamos destinados a buscar a perfeição - sendo esta a grande fatalidade de nossas vidas - e neste ponto acredito que não nos seja possível desistir no meio do caminho.

Podemos, como muitos fazem, atrasarmos o nosso crescimento em estágios de maldade, dor, revolta e sofrimento; mas, graças a piedade divina, somos sempre recolocados de volta no caminho em direção à felicidade - pois Deus nos ama e sabe o que é melhor para nós, mesmo que nós ainda imaturos e inconscientes desejemos o oposto.

Desta forma, acredito ser natural o desejo de não "usufruir" das bem aventuranças e correr em sentido contrário;o tédio, o desespero, a tristeza, a solidão e o arrependimento, porém, irão sempre nos alcançar e mostrar o quanto somos infelizes e o quanto podemos ser felizes se mudarmos a direção - como nos mostra tão bem o espírito André Luiz em "Libertação" e vemos todos os dias em histórias reais que acontecem ao nosso lado.

Uma vez um espírito me disse em uma reunião mediúnica, fazendo uma crítitca a alguns amigos, que "ainda não sabia compreender os defeitos dos homens como os mais evoluídos e por isso ainda falava" - dando a compreender que quanto mais evoluimos mais estamos cientes de nossas limitações e das dos nossos companheiros de caminho. Certamente então há espaço para estes questionamentos na espiritualdiade. Porém eles sempre irão ser vencidos pela argumentação caridosa e esclarecedora ou pelas experiencias dolorosas que plantarmos para nós mesmos, compreende?

Paulo de Tarso em uma de suas cartas declara que "em Deus vivemos e nos movemos e existimos" dando ao nosso conhecimento a amplitude incalculável do que é Deus - Ele está em tudo que nos cerca e em nós mesmos, assim como estamos nele porque somos suas criaturas e fomos criados a partir de Sua vontade e de energias inimagináveis que Ele emanou para a criação do universo(LE 77,78,80,81).

Entretanto é importante percebermos que somos individualidades pensantes, cada um de nós, mesmo sendo criados por deus em algum momento, é um indivíduo único e indivisível; não cabendo a idéia que somos pedaços de Deus - para uma melhor compreensão vale uma leitura de "o livro dis espíritos" questões de 1 a 16, especialmente a 15 e 16.

Compreendo, particularmente, que somos então os filhos, ou a parte, de Deus que Ele criou para que acompanhasse seu crescimento e pudesse dar-lhes o presente da imortalidade e da harmonia absolunta - para que então, quando atingirmos o pico da escala, sejamos porta-vozes de seus designios aos que ainda estão em maturação como nós estamos hoje - buscando na vida um sentido que somente será encontrado quando abrirmos os olhos para o interior e aprendermos a respeitar e amar o próximo.

Espero ter sido de alguma ajuda.

Paz contigo."

Um comentário:

Socorro Melo disse...

Olá, João!

Muito esclarecedoras a suas respostas.
A certeza de que Deus não desiste de nós, quando menciona que nenhuma de suas ovelhas se perderão, nos enche de ânimo,pois, em razão das nossas limitações, ficamos cegos e fadados a acreditar que os nossos sofrimentos são punições de Deus, e que não merecemos, mas, Deus é amor e justiça, e a sabedoria nos ensina que o sofrimento nos corrige e nos aproxima dele, e tudo que aqui passamos, de sofrimentos, é reflexo de nossas ações anteriores.

Gd. abraço
Socorro Melo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...