Ciumes e Espiritismo - Perguntas dos amigos



"... As minhas saudações fraternas.
Aproveitando os seus vastos conhecimentos, por onde tenho aprendido imenso e sido esclarecido de muitas dúvidas que vou tendo.
Gostaria de lhe pôr uma questão referente ao CIÚME, o que é realmente o CIÚME, como encara o Espiristo esse problema.
Agradeço antecipadamente o seu eslarecimento.
Um abraço ......"




Prezado ______________, bom dia.

Agradeço seu carinho e apreço, mas antes vamos agradecer a Jesus que nos possibilita o aprendizado de todos os dias através da saúde e da vida que nos dispensa tão generosamente.

Allan Kardec em "o livro dos espíritos" faz algumas alusões ao ciume; no capítulo VI da introdução o classifica como uma de nossas "paixões" características de espíritos ainda pouco evangelizados, ao lado do ódio, da inveja e do orgulho; na "escala espírita", questão 101, apresenta-o novamente como uma das características dos espíritos sofredores, bem como na questão 104; e afirma, a partir da questão 107, que os bons espíritos - já mais evangelizados - não sentem o ciúme, justificando o porque na questão 133a e mostrando claramente o quanto nos faz mal este sentimento na questão 933.

De minha opinião pessoal acredito que o ciúme seja, assim como o ódio, o amor adoecido e imaturo. Que necessita de muito carinho e compreensão para que, sendo auxiliado, venha a curar suas feridas e amadurecer.

Acho que o ciúme ao qual você se refere seja o ciúme das paixões arrebatadoras, o do desejo de posse do ser amado, o que não suporta dividir a atenção de quem ama por medo de perdê-la. Estou certo?

Ao meu ver, em casos assim, este sentimento nada de bom pode trazer a quem o sente - uma vez que é embasado pelo medo, pelo desregramento e pelo desejo sem limites.

O ser que possui este sentimento dentro de sí tem que travar uma luta diária - quase horária - para não permitir que ele chegue a ferir e a afastar o ser que o mesmo ama; pois todos temos nossos limites e sentimentos próprios e muitas pessoas existem que não conseguem mais aguentar o que o outro está disposto a dar.

Em muitos casos o ciúme chega ao extremo do cárcere e da violência - causando perturbações físicas, morais e espirituais que são aproveitadas pelos espíritos sofredores para ampliar ainda mais os sentimentos negativos e suas consequencias, sob a forma de violentas obsessões.

Este sentimento é tão corrosivo e marca tão profundamente que, em muitos casos, mesmo após o desencarne, o espírito continua se sentido proprietário da pessoa amada e juntoa ela, prejudicando a pessoa amada, qualquer pessoa que se aproxime dela e principalmente a sí mesmo; adquirindo novos resgates para o futuro.

Embora todos nós - e issso é natural - tenhamos o sentimento de gostar, cuidar e querer ficar junto das pessoas por quem temos apreço é importante perceber em que momento este sentimento está se transformando em algo sem controle - egoista, excessivo e exagerado - pois esta percepção poderá ser o momento em que evitaremos muitos dissabores no futuro - para nós e para os que amamos.

Todo sentimento que perde o controle e passa a ser tão excessivo que venha a dominar nossa vida é prejudicial; devemos então identificar o quanto antes e nos esforçarmos por dominá-lo e tomar as rédeas de nossa vida novamente. Veremos algo sobre isso nas questões 907 a 917 de "o livro dos espíritos".

Não sei se esclareci da maneira como você desejava; mas esperto ter sido de alguma ajuda.

PAz contigo.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...