Lei do Esquecimento e Limite da evolução - Perguntas dos amigos



"... Amigo, tenho mais umas coisas que desejo muito saber. Um dos pontos eu já sabia,mas de tantos questionamentos que recebi acabei por querer buscar mais explicações lógicas.
-Bem a primeira coisa que busco saber, é quanto ao esquecimento da vida espiritual. Certo que concordo que não devemos mesmo
nos lembrar pela questão de termos que resgatar os laços com algum inimigo do passado nessa vida,mas será mesmo só por esse motivo?
Não seria mais lógico que lembrassemos nossa estadia no plano espiritual, do que em cada vida termos que nos convencer disso como
se fosse a primeira vez? Se lembrassemos da nossa verdadeira pátria creio que não seríamos tão materialistas assim.
- Passaremos a eternidade evoluindo? Não tem um ponto final? E se houver um ponto final o que iremos ficar fazendo? ......"




Prezada ____________, bom dia.

Vamos encontrar escalrecimentos sobre o "esquecimento do passado" nas questões 392 a 399 de "o livro dos espíritos" - vale a pena uma leitura atenta para uma boa compreensão sobre o assunto.

Para mim o princípio do esquecimento não se dá por conta apenas de resgatarmos laços com inimigos do passado, até porque quando erramos entramos em débito com a vida e é à vida que devemos resgatar - e não obrigatoriamente às pessoas de nosso passado; se assim fosse certamente teríamos casos insolúveis em nossa vida eterna e ficaríamos estacionados, sem poder avançar, por conta de um resgate que não poderia ser feito...

O esquecimento vem na intenção de nos livrar de nossos próprios erros - vingança, ódio, depressão, medo - e de evitar que erremos novamente por nossa própria responsabilidade - ele nos dá a oportunidade de mostrar à vida que realmente aprendemos o verdadeiro significado do amor e que mudamos o nosso sentmento interior.

Acaso nos lembrássemos do que fizemos ou do que fizeram conosco, quando retornássemos - sabendo que necessitamos nos melhorar - poderíamos "fingir" um melhoramento para que não assumíssemos a responsabilidade pelos erros efaltas cometidas; ao passo que se não temos lembrança de nada, os nossos verdadeiros sentimentos vem à tona e expressam o que sentimos por dentro, compreende? Assim somos sempre nós que estamos agindo, de forma natural e sem fingimentos pré-estabelecidos.

Por outro lado, como você disse, o esquecimento também serve para que não tenhamos antagonismos e problemas com as pessoas que a vida coloca em nosso caminho e com as quais já tenhamos convivido antes; desta forma não buscarei vingança contra alguém que me fez mal, não ficarei preso na culpa ao encontrar alguém que prejudiquei nem me perderei do caminho por alguém que amava anteriormente.

Acredito eu que o materialismo está não no conhecimento do mundo espiritual - pois o homem já traz consigo o sentimento inato de algo maior - mas no interesse exagerado com que o homem valoriza as sensações que a matéria pode dar

Muitos espíritos existem que estão no mundo espiritual, em locais de sofrimento, e dariam tudo por alguns momentos de volta no corpo para sentir mais uma vez os prazeres da matéria... sem se importar com espiritualidade ou com qualquer sentido de vida eterna... seus sentimentos apenas tem capacidade para compreender e se importar com o aqui e agora - mesmo estando no mundo espiritual ele nada significa para eles.

Com o tempo e o passar das idas e vindas para o mundo espiritual os conceitos pessoais de cada um vão amadurecendo e as dores e sofrimentos vão podando os interesses materiais, de onde brotarão os sentidos espirituais que, ao exemplo de flores lindas, iniciarão pequenos e frágeis até atingir o ápice de sua beleza e sabedoria.

Por isso acredito que o conceito de vida espiritual e a espiritualização do indivíduo vem gradualmente, através da experiencia multisecular, e das oportunidades de entender que o real sentido da vida nao é o material e sim o espiritual. Somos espíritos que vestimos corpos de carne e não corpos que tem espíritos.



Não passamos a eternidade evoluindo, embora o processo evolutivo possa durar muitos milhões de anos.

Vamos perceber pela escala espírita e pela progressão dos espíritos - "o livro dos espíritos" questões 100 a 127 - que o espírito vai amadurecendo e passando por diversos estágios de acordo com o seu nível intelecto moral.

O último destes níveis - abordados por Kardec - é o de espírito puro, do qual Jesus faz parte.

Ele representa o ponto em que os espírito não necessitam mais encarnar para evoluir e onde não há senão sintonia com o Divino em seus pensamentos - por isso Jesus afirmou eu e o Pai somos Uno; Embora, particularmente, eu acredito que a evolução nunca se encerra - sempre que trabalhamos mais aprendemos mais e evoluimos mais, compreende?

Na qualidade de Os espíritos puros iremos ser os mensageiros e representantes de Deus para as diversas humanidades do universo, os anjos e protetores com missões específicas, os enviados para a carne a fim de exemplificar o amor e a caridade... seremos, um dia, o que Jesus representa hoje para nós e servir será a nossa alegria.

É nesse momento, em que o maior se faz o servidor de todos, que compreenderemos o verdadeiro amor.

Tudo que Deus faz é sábio e perfeito; nós é que ainda não temos a capacidade de compreender sua grandeza imensa e achamos, em nossa inconsequencia e ignorância, que sabemos o que seja melhor para nós.

Espero ter sido de alguma ajuda.

Paz contigo.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...