Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 25

Certo dia em um ninho 
voltava um passarinho
e alimentava seus filhotes.
A um, ele dava logo;
a outro, ele dava o resto 
e um terceiro, que não se mexia,
dava a ele nada que restava.

O terceiro passarinho logo doente ficou 
e a mamãe de seu ninho o tirou.

Muitas vezes desejamos ser melhores, estar melhores e viver melhores.

Mas não fazemos esforço para que isso aconteça.

Acaso não estejamos em vestes nupciais
seremos levados ao lado de fora onde encontraremos choro e ranger de dentes.

Assim é a vida para conosco 
que muitas vezes não fazemos o que podemos, 
no tempo que devemos, 
para quem necessitamos.

Seremos, cada um que assim proceder, 
deixados a seu bel prazer;
e aguarderemos o tempo que necessitarmos, 
até acordarmos e determinados a crescer estivermos.

O que estamos fazendo de melhoria em nosso nome, com nosso tempo e
recursos?

Vem chegando o momento de prestarmos contas... como anda nossa
balança?

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 24

Amarguras e desconfortos todos nós temos e teremos, meus irmãos,
entretanto poucos de nós teremos a fé para seguir em frente,
diante da dor e do desconforto que possamos criar para nós próprios.

O caminho do amor e da retidão 
é o único que pode nos garantir um amanhã de tranquilidade.

A decisão de seguí-lo é a única coisa
que pode nos dar uma certeza da verdade:
o trabalho no amor, o consolo e o apoio
ao que, como nós, sofre em dor.

Por isso, irmãos de caminhada, demos os passos necessários, 
mesmo que vacilantes, 
mesmo que andando para trás, 
mesmo que sem saber onde pisamos.

Pois se confiamos em Jesus, 
todo terreno é firme e seguro.

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 23

Ao fim do caminho fica a linha de chegada
e o objetivo que desejamos alcançar.

Ao fim do caminho está a recompensa que buscamos
e o tesouro que apenas o Pai poderá nos dar.

Não nos dar sem merecimento ou sem esforço,
visto que trabalhamos muito para conquistar.

Mas nos dar como prêmio maior de uma vida
e um objetivo voltados ao amor.

Voltemos nossos olhos para o futuro
e observemos tudo o que poderemos ter.

Se, e apenas se, o bem e o amor ao próximo
desejarmos fazer.

Deixemos o erro e a preguiça de lado
e tabalhemos pelo melhor.

Que é o caminho acertado 
e dirigido para o amor.

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 22

A nossa luz que vemos no espelho
nos dá a observação da amplidão de nós mesmos.

Vemos o que pensamos que somos,
entretanto, apenas mostramos o que desejamos.

O que não vemos e o que se esconde,
é o que levamos em nosso interior.

É o que pensamos, o que queremos, o que amamos,
é o que tantas vezes nos causa dor.

Devemos extrapolar os nossos limites
e observar o nosso íntimo mais profundo.

Pois é nele que certamente
encontraremos o segredo do mundo.

Conhecendo a nós mesmos, sem demora,
teremos o caminho do amor maior.

Desterremos de nosso peito o erro
e levemos o que temos de amor.

Ao irmão que caminha conosco
e que tanto necessita de nós.

Descobriremos ao nosso Criador
e iniciaremos a ouvir sua voz.

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 21

O horizonte logínquo 
nos traz o que desejamos ver:
a paz ou a tristeza
que se deseja padecer.

As estrelas no céu à noite
trazem luz ou lembram a escuridão,
vai depender apenas
do que levamos no coração.

Até o amor de uma mãe
pode aliviar ou sufocar,
podendo inclusive, em excesso,
"proteger" até matar.

Necessitamos apenas
observar o melhor,
levando ao esquecimento
o que temos de pior.

Os erros e o desespero
perecerão sem demora,
quando observarmos o futuro
e agirmos no agora.

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 20

Faz frio na noite escura
e o íntimo vazio do que tem fome,
pede por socorro e apoio,
enquanto aguarda um prato de comida.

Faz frio na noite escura
e o íntimo de quem tem sono,
padece cansado de consolo,
enquanto aguarda abatido
um local de dormida.

Faz frio na noite escura
e o íntimo de quem tem medo,
necessita de socorro e apoio,
enquanto aguarda trêmulo
um local que lhe dê guarida.

Faz frio na noite escura
mas, mais frio está dentro de nós,
quando observamos o mundo e o nosso irmão
e calamos, em nosso íntimo,
a nossa voz.

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 19

Que a luz brilhe em nosso caminho 
iluminando todos que por ele passem.

Que a luz brilhe em nosso caminho
iluminando todos os passos dados e os a seguir.

Que a luz brilhe em nosso caminho
nos apontando aonde devemos ir.

Que a luz brilhe em nosso caminho
ontem, hoje e no porvir.

Entretanto não esqueçamos
que para a luz refletir,
é necessário uma superfície espelhada
que não vá nela interferir.

Para que a luz brilhe em nós
é necessário esforço e transformação,
que nos eleva espiritualmente
e nos faz amar nosso irmão.

Para que a luz reflita em nós
é necessário brilharmos também,
para que a nossa chama se acenda
quando amamos e amparamos alguém.

A luz que levarmos em nós
transformará o nosso irmão,
quando perceber que à ele
estendemos os braços e as mãos.

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 18

Se por apenas um instante pudéssemos nos colocar no lugar do nosso irmão
que nos alimenta o ódio e que nos maltrata, o que faríamos nós?

Iríamos tentar entender o que ele passa 
e a origem de sua revolta e de sua raiva?

Iríamos tentar desfazer o que ele nos fez e reverter o que fez a nós, pagando na mesma moeda?

Ou iríamos tentar tratá-lo como gostaríamos de ser tratados nós mesmos, 
mostrando a ele o que deve ser feito 
e vencendo a sua animosidade com o amor e o entendimento?

Quantas vezes temos esta oportunidade de fazer diferente
e não lembramos dos ensinos do Mestre, deixando que fale mais alto
em nosso coração a vingança e a discórdia?

Quantas vezes temos que sofrer pelo mesmo erro, 
indo e vindo, em carne e em espírito, 
para que aprendamos com a reencarnação
a nos livrar do nosso próprio eu?

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 17

Alguns sobem até o monte mais alto para de lá, no silêncio do mundo, 
encontrar a paz e o Criador.

Outros descem até as profundezas do mar, para sob a pressão e o frio
encontrarem o escuro
que iluminará sua alma internamente a brilhar.

Poucos andam lentamente, para entre os momentos de um segundo
encontrarem a palavra que define o amor.

Muitos falam incessantemente, para que sua voz exterior cale a voz que
clama em seu interior
por amor e por luz.

Quantos de nós caminhamos, lutamos, subimos, descemos, 
procuramos ou fugimos de nós mesmos, e do mundo,
a procura de nosso Pai maior, do Deus que tanto desejamos?

Mas quantos de nós procuramo-lo em nosso íntimo,
onde guardamos o nosso mais fundo segredo 
e onde quase nunca temos a vontade de procurá-lo, 
com medo do que vamos encontrar?

Quantos de nós buscamos e encontramos Deus em nossa consciência?

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 16

Observemos os grandes momentos da história 
e veremos em todos os grandes homens e as grandes nações,
de um lado ou de outro, como vencidos ou vencedores.

Entretanto, nenhum marcou a história como o filho do carpinteiro,
que do alto do seu madeiro, vencido segundo o mundo,
era vencedor do amor e da fé.

Ninguém compreendeu o mundo como ele 
e mesmo assim também ninguém foi pelo mundo tão incompreendido 
e linchado até a morte por apresentar um amor sem igual.

Tenhamos a consciência que os grandes do mundo 
são sempre pequenos em amor e fraternidade, 
em amor e humildade, 
em amor e em verdade.

Mas os pequenos do mundo, os que são imensos para Deus,
tem a cota de amor, humildade e verdade
que o Pai deseja de nós.

Não nos preocupemos em sermos grandes no mundo, 
mas em nos fazermos grandes e amáveis, humildes e verdadeiros 
para os que de nós necessitarem, sempre.

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 15

Divina misericórdia que nos envolve e enlaça
em sublime toque de amor.

Divino sentimento que nos acalenta e sensibiliza,
que nos ampara e aquece, nas mãos do Criador.

Divinos sentimentos que despontam em meu íntimo,
avivando o meu coração.

Divinas palavras que nascem em minha boca, 
quando consolo o meu irmão.

Divino sofrimento que passo por piedade,
quando a dor me visita e estou em aflição.

Divino é o ser que me guarda e orienta,
que me protege e acalenta, na dor e na solidão.

Divino é o Pai que criou o mundo e a nós
para sermos felizes hoje e sempre.

Divina é a doença que lava do corpo hoje o erro e o passado,
através da célula doente.

Divinos somos nós, irmãos e irmãs em Cristo,
quando decidimos trabalhar.

Divino é o trabalho que realizamos de coração,
quando aprendemos a amar.

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 14

Quando a luz tocou meus olhos
e a dor cegou meu coração,
que não via o irmão
que não conhecia o amor.

Quando a luz tocou meus olhos,
a luz queimou fundo em meu ser,
que desejava o amor maior
mas que não conhecia o caminho.

Quando a luz tocou meus olhos,
abriram-se-me também os ouvidos d'alma,
que escutavam os gritos e os gemidos
que enviavam os que sofriam ao lado meu.

Quando a luz tocou meus olhos,
observei as lágrimas rolando
e pensei: o que me faz chorar, que dor é essa?
não percebi que era pelos outros que eu estava chorando.

Quando a luz tocou meus olhos,
percebi do mundo o que nunca tinha observado antes
e me dei conta que naquele momento
eles nunca mais se fechariam.

Quando a luz tocou meus olhos
eu vim e dividi contigo o que tenho.
E tu, o que fazes de tua luz, meu irmão?

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 13

Esquecemos, sem perceber, o que de melhor temos em nossas vidas.
O amor que damos hoje ao que conosco anda deve ser o norte
que nos guia daqui por diante.

Amamos a presença de alguém, um objeto, um animal, 
ou um local onde nos sentimos bem.

Esquecemos que diante de nós segue
pobre de carinho e carente de atenção,o irmão 
que nos divide, misericordiosamente, 
o seu pedaço de pão.

Quanto tomamos deste irmão, 
mesmo sem consciência
e quanto deixamos de dar a ele
por egoísmo e orgulho?

Pensemos e pesemos bem, meus irmãos, no que planejamos, no que desejamos hoje,
pois que o ontem bate a nossa porta
e o amanhã nos espera 
com a frutificação de nossa sementeira.

O amor carnal é muito bom, belo e santificado.
Entretanto muito maior e mais feliz,
é o amor que damos ao mais necessitado.

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 12

Na luz do amor divino
vivemos nós e existimos,
pesamos e dividimos
o corpo e os gestos.

Na cama onde dormimos
vamos brincando e rindo,
vamos levantando e caindo
cuidando do que gostamos.

Quantas vezes não pensamos em nós
mas somente nos que amamos?

Quantas vezes desejamos ouvir
o Pai ao qual ignoramos?

Entretanto, egoistas que somos,
vamos criando o erro
que nos liga a carne e ao fim,
que nos faz pessoas tão pequenas.

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 11

Por medo ou por ironia temos o segredo guardado em nosso coração.

Temos a história de nosso caminho 
e os erros e acertos que executamos durante os momentos que vivemos.

Em busca consciente, nada encontraremos e nem conseguiremos a pronta resposta.

Mas, o passado se fará presente sempre que precisarmos lembrar.

Os amigos espirituais que nos acompanham e que por nós velam sem parar,
são os guias que precisamos do passado, vivendo no presente.

Trarão o que precisarmos, 
sem culpa ou sem remorso,
que nos lembrará dos erros, 
dos gestos, dos hábitos
para que possamos observar o que somos hoje
e encontrar o que necessitamos mudar.

Não desejemos conhecer o nosso passado,
pois que é repleto de erro e de dor.

Nos preocupemos, ao invés, com o futuro;
No qual plantamos hoje as sementes de paz e amor,
para colher amanhã o que permitido nos for.

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 10

O abrigo da alma é o corpo
enquanto encarnado está,
tem a leveza do amor
que ao seu próximo dá.

O corpo que nos tem a vista,
que nos oculta a consciência,
tem em seu ser a corrente
que nos perde à sua ausência.

Ausência de liberdade e visão,
ausência de consciência e de amor,
o corpo é a abençoada prisão
onde encontramos e abraçamos a dor.

Dor maior ou menor para nós,
de conforme com a necessidade.
O corpo vai e vem com a vida
e a vida se vai com a idade.

Abençoada prisão o corpo nosso
que nos mostra como somos pequenos.
abençoada prisão o corpo vosso
que o faz viver em amor pleno.

O corpo que hoje se esvai,
amanhã se transforma e retorna.
Tenhamos gratidão ao pai
que a nós nos ama e protege,
nos ampara e abençoa
com o corpo que a cada um doa.

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 09

A paz desejada é igual ao que fazemos por ela?

Não temos condições de tornar a vida mais bela?

Não nos dá a vida mais do que damos a ela?

Porque, meus irmãos, temos tão pouca consciência?

Porque precisamos sempre ter a preferência?

Por onde andam o amor e a clemência?

Não nos disse o Cristo que a paz está em dar?

Não nos ensinou o Cristo a compartilhar?

Não nos mostrou que o caminho é amar?

Então porque esquecemos da lição passada?

Porque não abraçamos as pessoas amadas
que conosco andam nesta eterna estrada?

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 08

Subindo e descendo em nossas vidas,
vamos seguindo o caminho que melhor traçamos para nós.

Desejamos o que o irmão tem,
observamos o que nos falta e desejamos.
E, quase sempre, observamos mais o que falta ao nosso desejo,
do que realmente temos necessidade.

Caminhamos acima e abaixo na escalada do fluxo de nossos humores
e deixamos que o mau humor e a irritação 
comumente ocupem o lugar do amor e da compreensão.

O que nos falta que não podemos andar espalhando a união e o
entendimento?

O que nos falta que nos deixa longe do amor e da compreensão?

O que falta é, realmente, a consciência plena e a observação íntima que
temos tudo que necessitamos,
entretanto não necessitamos de tudo que queremos.

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 07

Minutos gastamos em observações de nós mesmos
observando o que temos de melhor e, muitas vezes,
escondendo o que temos de pior.

Horas gastamos observando o que desejamos, 
o que nos enche os olhos
e o que acumula à vista.
Sem que nos preocupemos em ver 
o que nos enche o coração,
nem o que nos falta em compreensão.

Dias gastamos sonhando com o futuro
em observações ilusórias de algo que ainda não é.
E que, quando for, 
provavelmente fará ou trará tristeza a nós e a outros.

Meses gastamos vivendo entre o hoje e o amanhã,
o ontem e o hoje,
sem que percebamos realmente que o que importa é o agora.

Agora definimos o nosso amanhã.
Agora auxiliamos o nosso irmão.
Agora decidimos o que criamos para nós.

E porque então evitamos tanto estar presentes
quando estamos agora?

Um Espírito Amigo - Livro 4 - Mensagem 06

Violenta é a defesa do que não tem argumentos, 
pois que deseja enganar a si próprio 
e amedrontar os que com ele dialogam.

Mas o que anda com o Cristo no coração
e com o evangelho na mente
traz em seu peito a veste mansa do cordeiro
e caridosa da mãe que não nega o perdão ao filho.

Sigamos o exemplo do Cristo, meus filhos, 
que se deixando sacrificar, deu perdão aos seus carrascos
e os amparou pela eternidade,
trazendo ao Seu peito todos os que O fizeram sofrer
e hoje, por sua vez, choram.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...